asdasdasdasd

'Criança é para ser cuidada', diz promotora sobre trabalho infantil

por Redação Nossa Voz 19 de Abril de 2017 às 08:43
categoria: Cotidiano

Um panorama da infância e da adolescência realizado pela fundação Abrinq apontou que no Brasil cerca de 2,6 milhões de crianças e adolescentes estão em situação de trabalho infantil. O estudo foi feito utilizando dados de fontes públicas, entre elas, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em entrevista ao Nossa Voz, a procuradora do Ministério Público do Trabalho de Petrolina, Vanessa Patriota, falou sobre o assunto e destacou o perigo dessa situação para as crianças e adolescentes. 

De acordo com informações da Agência Brasil, cerca de 17 milhões de crianças até 14 anos vivem em domicílios de baixa renda. “São 4 a cada 10 crianças, ou seja, 40% das crianças vivam em situação de pobreza”, destacou a promotora. No Norte e no Nordeste, regiões que apresentam as piores situações, mais da metade das crianças vivem com renda domiciliar per capita mensal igual ou inferior a meio salário mínimo. Desse total, 5,8 milhões vivem em situação de extrema pobreza, caracterizada quando a renda per capita é inferior a 25% do salário mínimo.

As condições do trabalho infantil estão cada vez mais precárias. A promotora enfatizou que o trabalho doméstico é uma das piores formas de trabalho infantil pela forma de exposição que a criança fica quanto à saúde e ao assédio. “Aquela criança vai conviver com outras crianças da mesma idade e vai gerar um problema psicológico porque ela vai sentir a diferença de tratamento”, destacou Vanessa.

Responsabilidade e Denúncias – De acordo com a promotora, a responsabilidade de combater o trabalho infantil é do município, mas que em vários lugares, inclusive Petrolina, essa política pública é precária. “A criança que trabalha precisa ser assistida [porque] ela vai ter problemas com a educação, saúde, e ainda tem relação com a geração de emprego e renda porque ela trabalha para ajudar os pais”, explicou. 

Vanessa Patriota acrescenta que é importante acabar com o mito de que “melhor trabalhando do que roubando”, tendo em vista que as crianças precisam ser acompanhadas tanto pelos pais quanto pelo poder público. As denúncias relacionadas ao trabalho infantil devem ser feitas no Ministério Público do Trabalho em Petrolina ou no site