asdasdasdasd

Lula lidera rejeição no país, diz pesquisa

por Simone Marques 24 de Fevereiro de 2017 às 14:00
categoria: Política

Levantamento o instituto Paraná Pesquisas divulgado nesta quinta-feira, 23, revela que o ex-presidente Lula (PT) tem rejeição de 45,7% dos entrevistados entre os possíveis candidatos para Presidente do Brasil em 2018. O senador Aécio Neves (PSDB) aparece em seguida, com 25% e, logo atrás está o atual presidente da República, Michel Temer (PMDB), com 24,4% de rejeição.

Confira a lista completa:

Não sabe: 4,4%;

Nenhum: 6,5%;

Lula (PT): 45,7%;

Aécio Neves (PSDB-MG): 25%;

Michel Temer (PMDB): 24,4%;

Jair Bolsonaro (PSC-RJ): 17,9%;

Marina Silva (Rede): 12,3%;

Roberto Justus: 9,9%;

Governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP): 9,9%;

Ciro Gomes (PDT-CE): 9%; e

Ex-ministro do STF Joaquim Barbosa: 7,3%.

Foram entrevistadas pelo instituto Paraná Pesquisas 2.020 eleitores, com 16 anos ou mais, em 26 Estados e Distrito Federal e em 146 municípios entre os dias 12 e 15 de fevereiro de 2017.

Os entrevistados foram separados segundo sexo, faixa etária, escolaridade, nível econômico e posição geográfica. A pesquisa atinge um grau de confiança de 95,0% para uma margem estimada de erro de 2,0% para os resultados gerais. A Paraná Pesquisas encontra-se registrada no Conselho Regional de Estatística da 1ª, 2ª, 3ª, 4ª, 5ª, 6ª e 7ª Região sob o nº 3122/ 16 e é filiada à Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa - ABEP desde 2003.(Com informações do Blog do Magno)


Silas Malafaia é indiciado pela PF na Operação Timóteo

por Simone Marques 24 de Fevereiro de 2017 às 14:00
categoria: Corrupção

O pastor Silas Malafaia, da Associação Vitória em Cristo, ligada à Assembleia de Deus, foi indiciado pela Polícia Federal na Operação Timóteo por lavagem de dinheiro. Em 16 de dezembro do ano passado, o pastor foi alvo de mandado de condução coercitiva – quando o investigado é levado a depor e liberado.

A Operação Timóteo investiga um esquema de corrupção em cobranças judiciais de royalties da exploração mineral (65% da chamada Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais – CFEM – tem como destino os municípios).

Malafaia é suspeito de apoiar na lavagem do dinheiro do esquema, que recebeu valores do principal escritório de advocacia investigado. A suspeita a ser esclarecida pelos policiais é que este líder religioso pode ter “emprestado” contas correntes de uma instituição religiosa sob sua influência com a intenção de ocultar a origem ilícita dos valores.

O mandado de condução coercitiva na Operação Timóteo provocou a ira do pastor Silas Malafaia. No dia da condução coercitiva, em seu Twitter, colérico, o pastor publicou mensagens, áudio e vídeo negando as suspeitas da investigação.

“Eu sei o poder das trevas”, afirmou em áudio.

» Bolsonaro já conversa com pastor Silas Malafaia sobre apoio para disputa presidencial de 2018

O nome da operação é referência a uma passagem do livro Timóteo, integrante da Bíblia Cristã: “Os que querem ficar ricos caem em tentação, em armadilhas e em muitos desejos descontrolados e nocivos, que levam os homens a mergulharem na ruína e na destruição”.(Com informações do Blog do Jamildo)


Cristina Costa critica Mesa Diretora: 'É preciso o bom senso de quem conduz'

por Adriana Rodrigues 24 de Fevereiro de 2017 às 10:29

A vereadora Cristina Costa (PT) aproveitou o seu pronunciamento na Câmara de Vereadores de Petrolina para fazer uma crítica à Mesa Diretora. Segundo ela, as regras não estão sendo aplicadas de forma igualitária para os parlamentares da oposição e situação. “Vou aproveitar que não está tendo polêmica para mostrar porque em determinados momentos me acham chata e brigona. Mas é questão de justiça. Quando é oposição, o regimento é interno. Quando é em relação ao executivo, tem que valer a constituição. Essa Casa precisa entrar em um consenso”, disse.

A parlamentar se referia ao acontecimento durante a sessão, onde o vereador Cícero Freire estava usando a Tribuna, quando o colega Gilmar Santos pediu tempo e a mesa diretora avisou que havia acabado o tempo. Ela alegou que quando o vereador Osinaldo Souza (PTB) tomou a palavra, ninguém sinalizou que havia acabado o tempo. “É preciso o bom senso de quem conduz a mesa diretora. As críticas eu aceito, mas eu não vou baixar a cabeça. Tem uns que acham que vão mostrar serviço ao executivo calando a boca da minoria”.

Não é de hoje que Cristina Costa anda insatisfeita com o comportamento da Mesa Diretora. Na semana passada, quando iniciou um bate boca com o colega Ronaldo Silva, a vereadora teve o pedido de direito de resposta negado e o microfone cortado a pedido do 1º Secretário da Mesa, Manoel da Acosap, com quem teve um desentendimento, no início deste ano, durante uma entrevista em uma rádio local. O Major Enfermeiro era quem presidia a Mesa durante esta sessão.


Estado reduziu investimento em saúde e educação em 2016

por Adriana Rodrigues 24 de Fevereiro de 2017 às 08:22
categoria: Política

O Governo do Estado de Pernambuco reduziu os desembolsos para as áreas de saúde e educação no ano passado, como revela os dados do balanço do Estado debatido na manhã desta quinta-feira (23), na Assembleia Legislativa de Pernambuco, durante reunião da Comissão de Finanças, Orçamento e Tributação.

Segundo os dados apresentados pelo secretário da Fazenda, Marcelo Barros, apesar de Pernambuco estar cumprindo os limites constitucionais de gastos com as duas áreas, os repasses caíram 9,8% (educação) e 3,8% (saúde) no ano passado em relação a 2015. “Na prática, os recursos para a educação caíram cerca de R$ 200 milhões em 2016 e a verba da saúde caiu também R$ 200 milhões, comprometendo a prestação de serviços à população”, destacou o deputado Silvio Costa Filho (PRB).

Outro ponto abordado pelo parlamentar foram os restos a pagar deixados de 2016 para 2017. “Ao todo, os restos a pagar somaram R$ 1,2 bilhão no ano passado. Desse total, cerca de 30% correspondem a débitos com fornecedores da área de saúde, como a Fundação Altino Ventura, o Imip e o Hospital Português”, afirmou.

A deputada Priscila Krause (DEM), destacou a preocupação com a previsão orçamentária para 2017, questionando ao secretário Marcelo Barros a previsão de recursos remanescente do Programa Estadual de Recuperação de Créditos Tributários (Perc), lançado no ano passado pelo Estado. “O que o Estado espera arrecadar ainda com as parcelas do Perc e qual a previsão de receitas da nova lei da repatriação do Governo Federal?”, questionou.

Para Silvio, diante do quadro financeiro de Pernambuco, o Governo deveria cortar gastos com a máquina e preservar os investimentos em saúde e educação, que são prioridades para a população. O deputado lembra que que no ano passado o Governo gastou R$ 43 milhões com a Arena Pernambuco, cerca de R$ 50 milhões com publicidade e R$ 30 milhões com consultoria. “Governar é definir prioridades e nesse quadro de restrição financeira, é preciso gastar menos com o Estado e mais com as pessoas”, defendeu.


Paulo Câmara reforça atuação da Polícia Civil

por Adriana Rodrigues 24 de Fevereiro de 2017 às 08:11
categoria: Política

O governador de Pernambuco, Paulo Câmara, assinou, nesta quinta-feira (23/02), o decreto no. 44.146, autorizando que policiais civis aposentados voltem a exercer funções administrativas. Desta forma, os policiais que estão na ativa reforçarão as atividades fins da Polícia Civil, como as investigações de crimes. De acordo com o governador, a medida ajudará no combate aos Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs) e aos Crimes Violentos contra o Patrimônio (CVP).

“Nós reforçaremos, dentro da Polícia Civil, as atividades de natureza administrativa e vamos direcionar os servidores ativos para as atribuições finais. Com isso, haverá uma maior efetividade nas investigações e no exercício das funções de polícia judiciária e administrativa. Estamos trabalhando para garantir segurança à sociedade e preservar a paz social”, pontuou Paulo Câmara.

O decreto prevê que os policiais civis aposentados possam desempenhar os cargos de comissário, agente e escrivão de polícia. Dentre as funções, os servidores poderão atender ao público dentro das delegacias, lavrar boletins de ocorrência, dentre outras atividades administrativas em geral. Até 800 servidores aposentados poderão ser chamados, após processo seletivo. O prazo para desempenhar as funções será de três anos, prorrogável por igual período. O decreto é regulamentado pela Lei Complementar no. 340, de 22 de dezembro de 2016.


Vereador Aero Cruz diz que discussão sobre residência dos secretários 'não vai somar'

por Redação Nossa Voz 23 de Fevereiro de 2017 às 13:02

Na semana passada, o vereador e líder de oposição, Paulo Valgueiro, disse ter solicitado do chefe do executivo, Miguel Coelho, a portaria e documentação da nomeação dos secretários, bem como a comprovação da residência dos mesmos no município, alegando que vai continuar acompanhando a administração municipal e constatar se estão ocorrendo irregularidades. Ele não quis citar nomes, mas disse que existem fortes indícios de que alguns secretários não residem na cidade de petrolina, ferindo o artigo 65 da lei orgânica do município. O processo já está encaminhado e a Prefeitura de Petrolina afirmou, em nota, que todos os secretários possuem residência na cidade.

Os parlamentares da Casa Plínio Amorim foram de acordo com a solicitação do líder de oposição, inclusive o vereador Aero Cruz, que diz ter concordado com o requerimento, como uma forma de não ter embate com o outro grupo. “Até porque nós não temos nada a esconder”, rebateu Aero.

O artigo 65 da lei orgânica do município foi criado na gestão passada. Porém, segundo o vereador Aero Cruz, nem mesmo o grupo de secretariado do ex gestor respeitou esta lei. Ele afirmou que existem outros temas mais importantes a serem discutidos do que este apresentado pelo líder de oposição, Paulo Valgueiro. “Se isso foi aprovado na gestão passada, não foi colocado em prática, porque a gente teve secretário daqui saindo para votar em Afrânio. O que a gente não quer é partir para um embate que não some para a população. A gente tem questões maiores para colocar em prática e discutir”, afirmou o parlamentar.


Mendonça Filho já liberou mais de R$ 4 milhões para modernização do centro cirúrgico do HU-Univasf

por Simone Marques 23 de Fevereiro de 2017 às 11:45
categoria: Política

O Hospital Universitário da Universidade Federal do Vale do São Francisco (HU-Univasf) tem promovido melhorias significativas na área de centro cirúrgico com a aquisição de equipamentos de ponta. Administrado pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), órgão vinculado ao Ministério da Educação (MEC), o hospital já recebeu, desde 2016,  mais de R$ 4 milhões para a compra de equipamentos cirúrgicos. Os recursos foram liberados pelo ministro da Educação, Mendonça Filho, através da Ebserh. “Recentemente, a equipe de neurocirurgiões passou a ter à disposição um aspirador ultrassónico, utilizado na remoção de tumores cerebrais e do sistema nervoso central”, anunciou Mendonça Filho. O HU-Univasf é o único hospital da região detentor do aparelho que, através de um feixe de ultrassom, desprende apenas o tecido lesado, e com o sistema de sucção, remove o tumor de maneira minimamente invasiva.

As melhorias no aparato tecnológico do bloco cirúrgico já contribuíram para o número expressivo de 388 neurocirurgias realizadas em 2016. Somente em dezembro, foram 49 cirurgias. Esses números se tornam mais significativos quando se considera o alto grau de complexidade desses procedimentos, já que, em média, uma neurocirurgia leva no mínimo quatro horas para ser concluída.

De acordo com o chefe da Unidade Neuromuscular, Ricardo Brandão, a disponibilidade desses equipamentos é importante tanto para os pacientes quanto para os profissionais. “Ajuda muito a equipe, pois proporciona um conforto maior para quem está operando, aumentado a margem de segurança do neurocirurgião. O tempo cirúrgico e o tempo anestésico são abreviados, o que diminui todas as complicações que poderiam advir disso”, disse.

Ricardo Brandão ainda destacou que a aquisição dos aparelhos oportunizou a realização de procedimentos de alta complexidade sem a necessidade de transferir pacientes para centros maiores, como Recife ou Salvador. “Hoje, 95% dos casos neurológicos que nos chegam são atendidos localmente. Toda a equipe do HU está empenhada em promover uma saúde pública de qualidade. Temos tentado fazer o melhor possível pelos nossos pacientes”, afirmou o neurocirurgião.

Ao longo de 2017, novos equipamentos reforçarão a estrutura do bloco cirúrgico do hospital, conforme afirmação do chefe do Setor de Infraestrutura Física, Carlos Henrique Melo. “Em 2016 foi investido mais de R$ 1 milhão na modernização do centro cirúrgico. Além disso, foram investidos mais de R$ 3 milhões na compra de equipamentos que chegarão nos próximos meses. As seis salas no bloco cirúrgico estão sendo preparadas para terem porte para grandes cirurgias, após sete anos. Anteriormente, havia apenas duas com capacidade para estes procedimentos”, explicou.

A Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), estatal vinculada ao Ministério da Educação, administra atualmente 39 hospitais universitários federais. O objetivo é, em parceria com as universidades, aperfeiçoar os serviços de atendimento à população, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), e promover o ensino e a pesquisa nas unidades filiadas. O órgão, criado em dezembro de 2011, também é responsável pela gestão do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (Rehuf), que contempla ações nas 50 unidades existentes no país, incluindo as não filiadas à Ebserh.(Ascom)


Osinaldo Souza nega estar em cima do muro: 'sou por Petrolina'

por Redação Nossa Voz 23 de Fevereiro de 2017 às 11:44

É perceptível que o vereador Osinaldo Souza (PTB) tem mantido uma postura reservada dentro da Casa Plínio Amorim. Ele ainda não se manifestou de qual grupo faz parte: situação ou oposição. Questionado se está em um momento de avaliação dentro da câmara, ele esquivou-se e disse não ter problemas em integrar quaisquer um dos grupos e que o problema está nas nomenclaturas dos grupos.

“Eu decidi ficar por Petrolina, independentemente do que eu venha dizer em algum momento sobre situação ou oposição. Meu papel é ficar a dispor do povo de Petrolina. Eu estou muito tranquilo quanto a isso, não tenho problemas em ser situação ou oposição, mas esses nomes são ultrapassados. Eu desejo todo sucesso ao prefeito Miguel Coelho. Acho que o pensamento mais avançado é dizer que sou poder do legislativo e estou a favor do povo de Petrolina e vou fazer o que for melhor pela cidade”, disse o vereador.

Sobre como tem avaliado a administração do Prefeito Miguel Coelho (PSB), o parlamentar disse que ainda é muito cedo para fazer algum pronunciamento, tendo em vista que o chefe do executivo tem apenas dois meses em frente a Prefeitura de Petrolina.

“O prefeito Miguel não foi reeleito, ele tem que ter um tempo organizar toda a casa. Eu estou esperando mais algum tempo para poder dizer o que estou achando da administração de Miguel Coelho. Desejo que ele faça muito por Petrolina porque a última gestão deixou muito a desejar. A população espera muito mais”, afirmou Osinaldo.


Prefeito de Cabrobó diz que união de aliados é fundamental para captar recursos

por Simone Marques 23 de Fevereiro de 2017 às 10:45
categoria: Política

O novo prefeito Marcílio Cavalcanti (PMDB), assumiu recentemente a Prefeitura de Cabrobó a quase três meses e falou do trabalho desenvolvido além do que tem feito para driblar a crise e colocar em ação os seus projetos de campanha.

Marcílio conseguiu angariar muitos aliados mesmo após as eleições, inclusive vários que vieram do grupo do ex-prefeito Auricélio Torres, até mesmo o ex-candidato a vice-prefeito Mailson Novaes e vereadores. Essas grandes alianças têm gerado surpresa dos adversários e insatisfação de aliados que se sentiram desprestigiados.

 

O prefeito se mostrou otimista e que pretende manter essa base, principalmente através de sua base na Câmara de Vereadores com a aprovação de projetos importantes para Cabrobó, garantiu. "Eu fui eleito com a minoria da Câmara e hoje estou através de um entendimento com a maioria. O que for bom para a cidade os vereadores votarão".

Sobre as insatisfações de seus aliados que apoiou a candidatura de Marcílio, ele disse que não passa de ciúme."Meus aliados entendem que eu preciso da maioria, como captaremos recursos se não tivermos a maioria? A população entende isso que as alianças devem ser feitas".

O gestor ainda garantiu que sua administração será feita ouvindo as pessoas e enfrentando os gargalos com determinação.

Outro ponto destacado pelo prefeito é a segurança pública, que será ofertado ao Presidente da Justiça Leopoldo Magalhães onde serão entregues duas casas para fazer um mutirão de segurança em Cabrobó."Estamos com a ideia de fazer o pacto de vida do município e também com o pensamento de implantar uma guarda municipal, mesmo pequena mas pretendemos fazer e faremos um levantamento para instalação de câmeras de segurança".

Apesar não realizar o carnaval de Cabrobó, Marcílio disse que prefere priorizar a saúde. "Não adianta fazer festa e deixar o povo sem atendimento, na administração anterior foi construída uma UPA e foi projetada para 50 mil habitantes e está fechada. O custo é alto, gira em torno de 700 mil e nós vamos abrir essa UPA, estava previsto para março mas agora só em junho. Conversei com os prefeitos de Abaré, Belém do São Francisco, Orocó, Santa Maria da Boa Vista e estamos em união para o enfrentamento de um único problema que é a saúde". 

Além de beneficiar diversos municípios os gestores economizarão com gastos no transporte de pacientes para Petrolina.


Após sete encontros, Câmara de Vereadores não apresentou projeto relevante à cidade

por Redação Nossa Voz 23 de Fevereiro de 2017 às 10:16

A sétima sessão ordinária na Câmara de Vereadores de Petrolina, ocorrida nesta quinta-feira, dia 23, não teve a apresentação – ou votação – de projetos de lei, seja do legislativo ou executivo municipal. Na verdade, desde que voltaram as atividades neste ano, nenhum projeto relevante foi pautado na Casa. Mais uma vez o encontro foi presidido pelo vereador Major Enfermeiro, na ausência de Osório Siqueira.