asdasdasdasd

Mais uma reunião de vereadores sem muito avanço e sem projetos executivos

por Adriana Rodrigues 13 de Abril de 2017 às 17:27
categoria: Sertão do Araripe

Mais uma Sessão Ordinária da Câmara Municipal passou sem muito avanço, nessa terça, nem participação de governo com projetos, nem um pedido específico, nenhum diferencial, apenas indicações habituais feitas por vereadores, muitas baseadas em visitas e petições populares e um requerimento. A expectativa era a participação do presidente da AVA (Associação de Vereadores do Araripe), Ubirajara Araripe, isso segurou o público na casa para ouvir o edil que falou sobre segurança pública.

O mais interessante aconteceu na participação do vereador José Silva de Oliveira (Galego) ao sugerir para o governo municipal melhorias na casa de apoio aos pacientes que fica em Recife, como compra de equipamentos, ar condicionado nos quartos dos pós operatórios, ventiladores, mesa para refeição e também a troca colchões, que são velhos e sujos, também troca de portas e outros melhoramentos.

“No caso de doenças é muito confortante para o povo, a distância é complicada, e já viajam desconfortável quando se fala em doenças, é uma indicação importante para garantir um pouco mais de conforto em caso de doenças”, explicou o vereador.

A vereadora Delvania Sobral discutiu com o vereador sobre a indicação e defendeu o atual governo, num tom superior, sustentando em seus argumentos, que as trocas não foram feitas durante o governo passado, no caso, gestão Cezar de Preto, que nenhuma melhorias tinha sido ofertada nos últimos e disse com convicção que o atual prefeito Ricardo Ramos já fez uma visita à casa, inclusive com promessas de realizar estas melhorias.

A vereadora discutiu também a necessidade de Criação de um CRAS (Centro de Referência em Assistência Social) itinerante na área rural, ela explicou que uma unidade deste porte pode melhorar consideravelmente a situação das pessoas que se encontram em estado vulnerável

“É um projeto onde a equipe vai até o problema, as pessoas em situação de vulnerabilidade muitas vezes não resolvem o problemas porque não tem conhecimento sobre o programa e é um pedido que vem sendo feito há muito tempo pela sociedade”, disse Delvania. (Com informações Cidinha Medrado)