asdasdasdasd

Filho de Lóssio é secretário parlamentar de deputado federal

por Karine Paixão 1 de Fevereiro de 2019 às 16:00

Os Lóssios foram a Brasília.

Júlio Lóssio reuniu-se com André de Paula e anunciou seu ingresso no PSD, partido que hoje compõe a base do governador Paulo Câmara. Segundo o ex-prefeito de Petrolina, ele presidirá a legenda e vai alavancar sua projeção na cidade. Agora que escolheu seu partido, se nada mudar daqui até o próximo ano, Júlio Lóssio, que tem contas a serem avaliadas na Câmara de Vereadores que conta com a maioria de aliados ao prefeito Miguel Coelho, poderá concorrer a Prefeitura de Petrolina.

Mas além do pai, voltou para Brasília Júlio Lóssio Filho, o Julinho, como é conhecido. O que ele está fazendo por lá? Você pergunta...Resposta: Júlio Lóssio Filho é secretário parlamentar do deputado Fernando Monteiro, do PP. O deputado federal fez dobradinha com Andréa Lóssio durante a campanha no ano passado e já acomoda seu rebento em sua equipe de trabalho. A portaria Nº 8.698 em que consta a nomeação foi publicada no Diário Oficial da União do dia 21 de janeiro de 2019.

O químico francês, Antoine Lavoisier criou a frase histórica que diz: Na natureza nada se cria, tudo se transforma. Ele falava sobre a teoria de conservação das massas, mas é plenamente aplicável na política, onde também nada se cria, tudo se transforma.


Petrolina já conta com sete pré candidatos a prefeito da cidade

por Karine Paixão 21 de Janeiro de 2019 às 16:00

Na política todo mundo sabe, mal termina uma eleição e já se está planejando outra. Em Petrolina não é diferente. Além dessa tradicional antecipação da disputa pela prefeitura municipal, o número de pretendentes ao comando da cidade chama a atenção. Segundo os cálculos feitos pela redação do Nossa Voz, são sete pré-candidatos a prefeito: Julio Lóssio (Sem Partido), Gabriel Menezes (PSL), Gonzaga Patriota (PSB), Lucas Ramos (PSB), Miguel Coelho (PSB), Odacy Amorim (PT)e Rosalvo Antônio (PSOL). Cada um com suas particularidades e alguns até com problemas relacionados a confirmação na disputa. Quais seriam eles?

Vamos começar pela dupla do PSB. Gonzaga Patriota e Lucas Ramos em suas confraternizações de fim ano confirmaram a disposição e até causaram reuniões e realinhamento na atual administração. Mas ambos precisam decidir quem teria o apoio do Governador Paulo Câmara e quem apoiaria o outro. Não é possível que os dois confirmem a candidatura. Ainda tem a aliança formada com o PT nas eleições deste ano onde especula-se que o apoio na corrida pela prefeitura de Petrolina esteve na lista de itens reivindicados pelo Partido dos Trabalhadores.

E falando no Partido dos Trabalhadores a gente fala sobre Odacy Amorim. Ele que enfrenta incêndios amigos e muita desconfiança dentro do diretório municipal petista, reuniu-se com Lucinha Mota na semana passada e está trilhando a própria estratégia. Assume o IPA amanhã (22) e deve fazer o nome junto a população rural que inclusive garantiu uma baixa votação aos irmãos do prefeito Miguel Coelho.

Miguel por sua vez, além precisar consolidar seu primeiro governo junto a população ainda terá um segundo turno para superar. A cidade superou os 200 mil habitantes necessários para tal modalidade eleitoral e a menos que ele entregue Izacolândia a Lagoa Grande como estão especulando, será necessário falar a mesma linguagem do povo para não desidratar ao longo da campanha política. 

Gabriel Menezes saiu empolgado da disputa a deputado estadual. Recebeu mais de 14 mil votos e além de bater na trave ainda ostentou uma bela votação. Atualmente está lutando pelo comando do PSL na cidade e contra uma suposta aliança do seu partido com o Grupo do Senador Fernando Bezerra Coelho, que segue se movimentando para ser o interlocutor do Nordeste com o governo Bolsonaro. Especulou-se que Gabriel assumiria a Codevasf mas ele garante que isso não acontecerá, apontando a possibilidade de indicar o próximo superintendente do órgão em Petrolina. 

Por fim temos, Ronaldo Antônio foi candidato a deputado estadual pelo Psol, foi candidato a prefeito da cidade várias vezes. Na eleição de 2016 concorreu a vereador. O Partido Socialismo e liberdade sempre ingressa na disputa pela prefeitura de Petrolina  e especula-se que Rosalvo será indicado novamente.


Odacy Amorim se reúne em Lucinha Mota com pauta política

por Karine Paixão 18 de Janeiro de 2019 às 13:30

O presidente do Instituto Agronômico de Pernambuco, Odacy Amorim (PT) divulgou em seu Instragram a foto ao lado dos pais da menina Beatriz, Lucinha Mota (PSOL) e Sandro Romilton. No post Amorim exalta a votação obtida por Lucinha na disputa a deputada estadual no ano passado e confirmou que a pauta política motivou o encontro que aconteceu na última segunda-feira (14), mas o local não foi informado. 

“Eu e a deputada Dulcicleide Amorim nos reunimos com Lucinha Mota, seu esposo Sandro Romilton, e os amigos Flávio Oliveira, Kleanne Oliveira e Cristiane Damascena. Lucinha é mãe da menina Beatriz e foi candidata à deputada estadual nas últimas eleições, obtendo uma belíssima votação. Na oportunidade tratamos sobre o cenário político e alguns projetos que tragam melhorias para o nosso município. Seguiremos debatendo Petrolina e Pernambuco!”, escreveu. 

Considerada uma surpresa no pleito de 2018, Lucinha Mota (PSOL) obteve 16.326 votos no Estado, onde destes, 13.110 votos foram conquistados em Petrolina. Diante de tão expressiva adesão do eleitorado, ela é considerada uma aliada de peso para 2020, mas suas pretensões política ainda não são conhecidas. Por hora, ela mantém a luta pela elucidação do crime que vitimou sua filha, em dezembro de 2015.


Detran-BA abre processo para suspender 40 mil CNH; deputados federais e estaduais estão na lista

por Redação Nossa Voz 11 de Janeiro de 2019 às 08:17

O Detran Bahia abriu processo administrativo para suspender a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) de 40 mil baianos. O órgão publicou a lista no Diário Oficial do Estado, em edição especial nesta quinta-feira (10). Dentre os condutores estão os deputados federais Arthur Maia (DEM) e Paulo Magalhães (PSD). Também estão na lista dos infratores, os deputados estaduais Angelo Almeida (PSB) e Manasses (PSD).

O órgão informa que os condutores notificados terão processo administrativo instalado e os condutores relacionados poderão encaminhar defesa escrita ao Detran até o dia 31 deste mês de janeiro.

Em março do ano passado, dois deputados estaduais também tiveram suas CNHs suspensas: Leur Lomanto Jr. (DEM) e Marcelino Galo (PT).

Fonte: Bocão News/Fotos: Reprodução internet 


Rebatendo Lossio, Secretária garante que não houve registro de problemas graves pós mutirão da prefeitura

por Redação Nossa Voz 10 de Janeiro de 2019 às 10:52

Nesta quinta-feira (10), a secretária executiva de Atenção em Saúde de Petrolina, Ana Carolina Freire, esteve no Programa Nossa Voz para falar sobre a convocação para atualização cadastral dos beneficiários do Bolsa Família. Na oportunidade, ela foi questionada sobre a denúncia feita pelo ex-prefeito de Petrolina, Julio Lossio. Ele disse à imprensa que pacientes operados em mutirão de cirurgia de catarata, promovido pela prefeitura, ficaram com graves problemas na visão.

A secretária executiva negou que tenham sido registradas pelo município ocorrências graves. "Não soubemos de nenhum paciente que perdeu a visão. Tivemos algumas ocorrências, mas em relação a perda de visão, não recebemos nenhuma denúncia", assegurou Ana Carolina Freire.

Entenda a polêmica

A declaração do ex-prefeito Julio Lossio foi feita em dezembro de 2018, durante uma coletiva de imprensa. Na ocasião Lossio retrucou uma declaração feita pelo atual prefeito do município, Miguel Coelho. Miguel disse que Julio Lossio, apesar de ser  "o prefeito da saúde", deixou uma fila enorme de cirurgias a serem feitas.

O ex-prefeito rebateu Miguel Coelho. "O prefeito não entende nada de cirurgia, tanto é que ele trouxe agora um mutirão de cirurgia de catarata pra Petrolina que deixou muitos problemas", afirmou. Lossio acrescentou ainda que está cuidando de pacientes que tiverem problemas pós-operatórios em procedimentos feitos pelo município em mutirões de cirurgias. "Eu tô com muitos pacientes complicados, com problemas sérios de, por exemplo, ter feito uma cirurgia de catarata e estar em oito graus de miopia, porque a lente que foi introduzida não é uma lente que foi bem calculada".

E a Secretaria de Saúde?

A secretária executiva de Atenção em Saúde de Petrolina, Ana Carolina Freire, aproveitou para dizer que a Secretaria de Saúde vai atender todos os pacientes que, eventualmente, tiveram problemas pós-operatórios. A recomendação é que essas pessoas procurarem a unidade, que funciona na Avenida Fernando Góes, no Centro, das 8h às 13h.  


'Vamos tirar a Compesa daqui', rebate Miguel Coelho sobre declarações de Gonzaga Patriota

por Simone Marques 26 de Dezembro de 2018 às 10:56

Em confraternização com a imprensa, o prefeito de Petrolina, Miguel Coelho (PSB), rebateu declarações do Deputado Federal reeleito, Gonzaga Patriota (PSB), sobre ser 'suicídio' municipalizar os serviços de abastecimento de água e tratamento de esgoto na cidade. De acordo com o chefe do executivo, o que a Prefeitura pretende fazer nada mais é do que a transferência dos serviços para uma nova empresa que invista a arrecadação dentro do próprio município.

“Isso é mais crítica de quem estar fora do que quem estar dentro da situação. Eu nunca falei em municipalizar, eu falo em trocar a empresa. Não estou puxando o serviço para dentro da Prefeitura. Estou buscando uma empresa que invista o que arrecada aqui dentro de Petrolina. A gente sabe que a Compesa recebe mensalmente mais de nove milhões de reais e investe no Recife, Jaboatão, em outras cidades. O dinheiro que os petrolinenses gastam tem que ser investido no esgoto abastecimento da cidade”, destacou Miguel Coelho.

O gestor afirmou que a licitação para a escolha da empresa será lançada em meados de fevereiro de 2019. “Se a Compesa quiser ficar, ela assine um contrato dizendo que tudo o que ela arrecada em Petrolina, fique em Petrolina. O que ela não pode, porque ela é uma empresa pública de subsídio cruzado, por isso eu acho que nós vamos tirar a Compesa daqui”, afirmou o Prefeito.


Na onda dos ministros do Supremo, Câmara quer reajuste salarial

por Karine Paixão 7 de Dezembro de 2018 às 10:08

 

 

O aumento de 16,38% concedido pelo Congresso ao Judiciário despertou nos parlamentares o ímpeto de reajustar os próprios salários. A pressão se intensificou após reunião da Mesa, na quarta-feira, quando o tema voltou à discussão com o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Deputados reclamaram do acréscimo nas remunerações dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), que, segundo cálculos feitos pelos assessores legislativos, terá impacto entre R$ 4 bilhões e R$ 6 bilhões aos cofres públicos. Os vencimentos dos magistrados pularam de R$ 33,7 mil para R$ 39,3 mil, com potencial para beneficiar toda a carreira num efeito cascata.

O deputado Fernando Giacobo (PR-PR), primeiro-secretário da Câmara, afirmou que o Legislativo deve fazer um estudo para analisar a viabilidade do aumento para os parlamentares. Ele disse haver vedação ao reajuste previsto na Lei de Diretrizes Orçamentárias, que é aprovada pelo Congresso e usada como base para elaborar o Orçamento federal para o ano seguinte. O projeto para 2019, inclusive, está em tramitação. Portanto, segundo Giacobo, a ideia é fazer uma análise jurídica para saber se na votação poderá ocorrer uma mudança da lei, permitindo alterar a questão envolvendo o próprio aumento. “Se der para suprimir, será feito”, avisou.

A medida, colocada entre itens com impacto financeiro ao Congresso, está dentro de uma série de ajustes conhecida como “pacotão de Natal”, devendo ser aprovada até o fim do ano. Uma parte delas foi aprovada e, agora, precisa passar pelo crivo do presidente Michel Temer (MDB). A Câmara afrouxou a Lei de Responsabilidade Fiscal para os municípios, permitindo que as prefeituras ultrapassem o limite de gastos com pessoal sem sofrer punições. Apenas o PSDB e o PSL orientaram a bancada a votar contra.

Apesar das declarações de Giacobo, Rodrigo Maia desmentiu o colega, afirmando que não existe nada em andamento sobre reajuste. Os dois são pré-candidatos à Presidência da Câmara no biênio 2019-2020. A eleição ocorrerá em fevereiro e será definida, em votação secreta, pelos 513 deputados eleitos.

Em cadeia

Desde que o Congresso aprovou o reajuste do Judiciário, que pode atingir mais de 17 mil juízes na ativa e quatro mil aposentados, segundo levantamento da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), existe interesse dos parlamentares em aumentar o próprio salário. O reforço no contracheque contemplaria os 513 deputados e 81 senadores eleitos para a 56ª legislatura. Para que haja o aumento, basta a aprovação de um decreto legislativo pela Câmara e pelo Senado, por maioria simples, sem necessidade de sanção do presidente da República.

Diferentemente do Judiciário, não haveria efeito cascata imediato nos escalões inferiores. Deputados estaduais e distritais e vereadores, no entanto, têm remuneração limitada a um percentual dos congressistas. E dizem que o reajuste vai criar, sim, reação em cadeia. (Correio Braziliense/DP)

 


Cabrobó : Secretario é exonerado e reempossado em menos de 48 horas

por Mário Souza 2 de Agosto de 2018 às 15:50

Foto / Didi Galvão

A eleição da mesa diretora da Câmara de Vereadores de Cabrobó ainda repercute nos bastidores da politica local. Nem os mais hábeis estrategistas poderiam prever as engenharias articuladas pelo gestor no município Marcílio Cavalcante (PMDB), para garantir a vitória do seu candidato a Presidência da Casa Legislativa.

Menos de 48 horas depois de exonerar o Secretário de Ação Social Paulo Gonçalves (PT) e empossar a servidora pública Acivera Angelim no cargo, o que indicou que alguns parlamentares da oposição teriam espaço no governo. Eis que Cavalcante reverte o processo e traz Gonçalves de volta ao cargo na manhã desta quarta-feira (02).

A reviravolta que foi confirmada na manhã seguinte após a Eleição da Câmara , deixou uma interrogação na mente daqueles que acompanham a politica. Como ficam os virtuais compromissos assumidos pelo gestor com os parlamentares que apoiaram Dim Saraiva ? Ou será que o grupo composto pelos vereadores Nílson Gonçalves (SD), Tony Rocha (SD) e Karla Amando (PRP) que chegaram a ser contatos como possíveis eleitores do Presidente Ramsés Sobreira (PSB), mas acabaram apoiando Dim Saraiva ? Esse espaço seria em outra pasta ? Respostas que só o Prefeito Marcílio Cavalcante pode dar.


Miguel Coelho é discreto, mas acredita em nome de Fernando Filho para governador do estado

por Cidinha Medrado 11 de Maio de 2018 às 10:52

O grupo de Oposição ao Governo Paulo Câmara, em Pernambuco, confirmou que terá apenas uma candidatura ao executivo do estado nas eleições deste ano. Desde então, nenhum nome foi lançado e as especulações são muitas em torno de quem deve disputar com o atual governador. Alguns políticos fortes são cogitados, como os senadores Fernando Bezerra Coelho (MDB) e Armando Monteiro (PTB).

Recentemente, um nome entrou no cenário. Depois de um pronunciamento não oficial do Prefeito de Petrolina, Miguel Coelho, os rumores dão conta de que o Deputado Federal, Fernando Filho (DEM), possa entrar na disputa. Em entrevista ao Nossa Voz, o parlamentar negou a pretensão de imediato. Ele diz que o foco, neste momento, é a permanência dele no Congresso Nacional. Entretanto, diz-se preparado para o desafio caso o seu nome seja o escolhido pela Frente.

Enquanto o grupo não oficializa o candidato, Miguel Coelho tenta manter-se discreto quanto ao nome do irmão na briga pelo executivo de Pernambuco. Ele afirma aguardar posicionamento da oposição, mas tece elogios ao Deputado, enfatizando o trabalho dele para com Petrolina, sendo que, segundo o prefeito, o Deputado Federal trouxe para a cidade cerca de 32 milhões de reais em emendas parlamentares em apenas 16 meses.

Questionado sobre o anúncio não oficial com relação à pré-candidatura do irmão, o prefeito esquivou-se, mas não negou que a informação estivesse em desencontro à verdade ou que havia sido, pelo menos, um mal entendido. “Nós somos um conjunto de forças políticas. O que eu acho mais importante agora é definir [o nome]. O cenário está muito frio por enquanto e a oposição precisa mostrar o seu projeto de futuro para Pernambuco. As pessoas querem mudança. Esse Governo já deu o que tinha que dar. Eu estou muito animado que esse conjunto da chapa terão os nomes mais competitivos”, limitou-se.


Fernando Filho nega pré-candidatura, mas não descarta possibilidade de concorrer ao Governo de PE

por Cidinha Medrado 11 de Maio de 2018 às 10:02

Um pronunciamento misterioso do prefeito de Petrolina, Miguel Coelho, sobre a possibilidade do irmão e Deputado Federal, Fernando Filho (DEM) entrar na disputa ao Governo de Pernambuco nessas eleições, movimentou os bastidores da política nesta semana. Ele assumiria o lugar do pai, o senador Fernando Bezerra Coelho, que está envolvido em um embróglio pela presidência do MDB no estado com o vice-governador, Raul Henry.

Em entrevista ao Nossa Voz na manhã desta sexta-feira, dia 11, Fernando Filho negou a pré-candidatura, acrescentando que o foco, neste momento, é permanecer no Congresso Nacional. “Eu trabalho com a possibilidade e com o projeto de disputar o mandato como Deputado Federal. Essa é minha prioridade, esse é meu foco. Esse tem sido o meu dia a dia: renovar o meu mandato”, explicou.

Engajado com a frente de oposição ao atual governo, ele deixou o MDB no dia 7 de abril, data limite de alterações de acordo com a Janela Partidária. Há algum tempo, o senador Fernando Bezerra já não mais se coloca como pré-candidato ao Governo do Estado durante os eventos políticos que comparece. Fernando Filho descartou a pré-candidatura, mas não negou a possibilidade de entrar na disputa pelo mais alto cargo do executivo em Pernambuco. “Não vou dizer que eu não admita essa hipótese, mas acho pouco provável. Quem está na politica é natural... querer prosperar e ter evolução. Eu tenho vontade de um dia servir ao meu estado”, explicou.

Pensando no grupo de forma geral, ele diz que o foco é unir forças de oposição e apoiar o nome que for escolhido pelo grupo. “O importante é termos um nome que possa representar os anseios desse momento e apontar Pernambuco para um caminho diferente do que temos hoje. Evidente que nós também estamos muito empenhados nesse palanque de oposição de unir as forças de oposição ao Governo do Estado para que a gente possa apresentar a Pernambuco uma alternativa. Iremos fazer parte desse esforço, seja qual for o nome escolhido”, finalizou.