asdasdasdasd

Bolsonaro diz que será 'grande passo' se aprovar neste ano mudança de idade mínima para aposentadoria

por Gabriela Canário 5 de Novembro de 2018 às 15:14

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) disse em entrevista exibida nesta segunda-feira (5) pela TV Aparecida, que já será um "grande passo" se aprovar no Congresso, ainda neste ano, mudança para idade mínima para aposentadoria no serviço público e no privado.

Tramita atualmente na Câmara dos Deputados uma proposta do governo Michel Temer para reforma da Previdência. O projeto prevê idade mínima de aposentadoria de 62 anos para mulheres e 65 para homens (para trabalhadores do setor público e privado), com a regra de transição até 2042.

"O grande passo no meu entender, neste ano, se for possível, passar para 61 anos no serviço público para homem e 56 para mulher e majorar também 1 ano nas demais carreiras. Acredito que seja um bom começo para a gente entrar o ano que vem já tendo algo de concreto para nos ajudar na economia", disse.

Bolsonaro concedeu a entrevista à emissora católica na última quinta-feira (1º), mas a conversa foi exibida nesta segunda, no início da tarde.

Bolsonaro afirmou também, durante a entrevista, que não dá para generalizar idade mínima. "Fala-se muito em 65 anos. Mas você não pode generalizar isso daí. Tem certas atividades que nem aos 60 é compatível a aposentadoria. Nós devemos manter essas questões. Você vê a expectativa de vida do policial militar no Rio de Janeiro, não tenho o valor exato aqui, mas está abaixo de 60 anos, então, não é justo botar lá em cima isso daí", disse.

O presidente eleito também afirmou que quer acabar com incorporações."No serviço público, por exemplo, nós devemos acabar com as incorporações", complementou.

Ele disse que apesar do "desamino em Brasília" pós eleições, vai tentar aprovar algo da reforma ainda este ano. "Eu tenho experiência do que acontece depois das eleições. Há um desanimo em Brasília. O que eu vou tentar é aprovar alguma coisa na reforma de Previdência", disse.

"Queremos dar um passo, por menor que seja, mas dar um passo na reforma da Previdência, que é necessária", disse.

Venezuela
Na entrevista, Bolsonaro foi questionado sobre que medidas adotará em relação ao fluxo migratório de venezuelanos para o Brasil.

Os imigrantes, que deixam o país vizinho para escapar da crise social, econômica e política, entram no Brasil principalmente pelo estado de Roraima.

O governo estadual tem alegado nos últimos meses que não tem estrutura para lidar com a chegada de venezuelanos e vem cobrando da União maior rigor na fronteira.

Para Bolsonaro, o país deve receber os venezuelanos e, ao mesmo tempo, adotar medidas contra o governo do presidente Nicolás Maduro.

"Vamos reconhecer a situação da Venezuela. Está fugindo da ditadura, da fome e da violência. Mas o governo federal tem que tomar também medidas contra o governo Maduro. E não apenas acolher e deixar que se resolvam as coisas naturalmente. Não se resolve naturalmente. Nós já temos uma série de problemas internos aqui", afirmou o presidente eleito.

Ele ainda disse que a União não pode deixar a responsabilidade exclusivamente com os governos locais. "Hoje em dia, você tem que acolher, sim. Não pode deixar a responsabilidade totalmente sob o governo de Roraima e sob o governo de Pacaraima e Boa Vista", afirmou.

Aborto
Bolsonaro também foi questionado sobre eventuais mudanças na legislação do aborto. Ele disse que vetaria um projeto que ampliasse as possbilidades legais de interrupção da gravidez, caso fosse aprovado pelo Congresso.

Atualmente, o aborto é permitido em três casos: se a gravidez traz risco de vida para a mãe; se a gestação é fruto de estupro; ou se o feto é anencéfalo.

"Não contaria com meu voto uma proposta nesse sentido", disse o presidente eleito. Se a Câmara e o Senado aprovarem a ampliação [das possibilidades legais de aborto], nós aqui vetaríamos", afirmou.

As informações são do G1