asdasdasdasd

No páreo: Odacy Amorim fala em cautela, mas desenha chapa com Gabriel Menezes na vice

por Karine Paixão 25 de Fevereiro de 2019 às 12:19


“Eu tenho um sonho, eu não tenho obsessão”, disparou Odacy Amorim ao ser questionado sobre a possibilidade de disputar a Prefeitura de Petrolina no próximo ano. Em entrevista ao Nossa Voz na manhã desta segunda-feira (25), o presidente do Instituto Agronômico de Pernambuco, comentou estar em sintonia com Deus para dar ou não seguimento a candidatura, mas sem tirar o olho do cenário político. 

“Se for da vontade de Deus que um dia eu volte a ser prefeito, eu tenho muita vontade. Mas se não for da vontade Dele, eu não quero ser prefeito de Petrolina nunca mais”, chegou a afirmar. Porém, o ex-prefeito faz questão de exibir a votação obtida, alfinetando o também ex-prefeito Júlio Lóssio que disputou o Governo do Estado no ano passado. “Eu não fui eleito deputado (federal), ganhei em Petrolina de todos os candidatos, ganhei até de candidato a governador aqui. Perdi pra Armando (Monteiro) por 80 mil votos aqui dentro”. 

Amorim também negou estar articulando a candidatura do irmão à vereador nas próximas eleições. “A questão dessa candidatura de Odomir, eu acho engraçado as invenções que botam. Odomir está lutando pra fazer o Revalida dele. Estudou fora do país, resolveu fazer medicina depois dos 30 anos. Graças Deus está aí, formou-se ele e a esposa, está trabalhando. (…) Ainda ontem eu conversei como nosso presidente Reginaldo que afirmou ser importante lançar Odomir, mas eu disse que não quero”. O ex-deputado ainda argumenta que já teve a chance de eleger a irmã vereadora em 2016, mas não o fez visando ajudar o partido. “Miraneri foi para um sacrifício. Ela é professora daqui e está cedida a Juazeiro. Nós lançamos ela para ajudar a legenda porque não tinha candidato suficiente. Se eu tivesse a intenção de atrapalhar eu tinha atrapalhado. Teria investido na candidatura de Miraneri para ela ter 1600 votos e ela teria tido”. 

Sobre a possibilidade de sair do Partido dos Trabalhadores caso haja resistência à sua candidatura a prefeito, Odacy nega, mas não exclui. “Se um dia eu tiver que sair do PT eu saio, Deus vai me mostrar o momento se for para eu sair. Agora, nem sou de fazer confusão em nome do PT. Acho que Lula é um injustiçado, está preso, um homem que fez muito pelos mais pobres, por causa de uma reforma em um apartamento (…) Existe possibilidade e vontade minha de ser candidato e o PT também caminha para querer que eu seja candidato”.  

Ao finalizar a participação no Nossa Voz, Amorim já deu uma ideia da chapa que se desenha para 2020, inclusive com a possibilidade de Gabriel Menezes na vice, já integrando outra legenda. “Já conversei com Gabriel e o quero perto de mim. Sei eu puder tê-lo do meu lado eu quero ter. Mesmo estando no PSL. Mas eu nem sei se ele fica nesse PSL, se eu fosse ele, aí sim cairia fora porque o caminho que foi dado aí… estou vendo uma confusão em cima de Bivar que é o presidente nacional, o negócio de uma mulher… Gabriel foi bem votado, tem que respeitar a votação de Gabriel”, considerou.