asdasdasdasd

Dólar dispara e chega a R$ 3,43, após denúncias envolvendo Temer

por Karine Paixão 18 de Maio de 2017 às 17:46
categoria: Economia


 

O dólar opera em forte alta em relação ao real nesta quinta-feira (18), com os mercados reagindo à forte turbulência política iniciada na noite de quarta-feira, quando o jornal "O Globo" publicou notícia de que o dono da empresa JBS gravou o presidente da república, Michel Temer, dando aval para comprar silêncio do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha.

Às 16h30, a moeda norte-americana subia 7,92%, cotada a R$ 3,3818 na venda, após chegar a operar a R$ 3,43 mais cedo. Veja a cotação do dólar hoje.

A alta desta quinta supera os picos de nervosismos da crise de 2008. Pela manhã, a moeda chegou a subir 9,45%.

O dia nos mercados de câmbio e juros do Brasil é típico de momentos de pânico, e nas mesas de operações predomina um clima de incerteza, pois o mercado não precificava tamanha crise política no país e, diante de uma reversão do cenário doméstico, os agentes financeiros buscam zerar suas posições no câmbio.

Os negócios no mercado à vista demoraram a acontecer pela manhã, com os investidores evitando tomar posições. Diante disso, o Banco Central anunciou nova intervenção no mercado, com 2 leilões de contratos de swaps tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares, e que não eram voltados para rolagem de contratos já existentes.

O economista Roberto Troster credita a forte alta desta quinta-feira não apenas às incertezas geradas pelas turbulências políticas, mas também ao chamado “efeito manada”. “Não existe nada mais covarde que o dinheiro, e há uma coisa que se chama comportamento em manada”, afirmou em entrevista ao G1.

Ele explica que a primeira reação dos investidores é comprar dólar. “Primeiro porque as pessoas buscam refúgio no dólar e segundo porque os investidores estrangeiros, que entendem menos de Brasil, estão vendendo suas ações. Essa saída de dólares da Bovespa afeta o câmbio.”

O economista chefe da Gradual Investimentos, André Perfeito, diz que o mercado já está precificando a saída de Temer da presidência, na espera apenas de detalhes de como será a transição. “A discussão do mercado agora é como vai se permitir um ciclo de transição que permita a continuidade das reformas econômicas no Brasil.”

O economista chefe da Infinity Asset, Jason Vieira, disse que o discurso de Michel Temer nesta tarde reforçou o clima de incertezas no mercado sobre o andamento das reformas econômicas. Em seu pronunciamento, Temer disse que não renunciaria ao cargo de presidente da República.

“Na verdade, nós estamos mais em dúvida do que antes. O mercado sentiu um posicionamento seguro no discurso, o que abre a primeira dúvida: ele está fazendo um movimento de autodefesa?”, diz Vieira. “O segundo ponto é: se ele [Temer] estiver certo, como é que vai ser no futuro com o PSDB pulando fora do barco rápido como pulou?”

Intervenção do BC

Em meio à forte turbulência, o Banco Central anunciou nova intervenção no mercado, com leilão de swaps tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares, e que não eram voltados para rolagem de contratos já existentes.

"Depois do pânico inicial, o mercado está aguardando novos desdobramentos. Os leilões do BC aliviaram suavemente as cotações", afirmou à Reuters o operador da Advanced Corretora, Alessandro Faganello.

Segundo a agência, o BC vendeu integralmente, em dois leilões, a oferta integral de até 40 mil swaps tradicionais. O BC também vendeu a oferta total de 8 mil swaps para a rolagem do vencimento de junho, no valor total de US$ 4,435 bilhões. (G1)