asdasdasdasd

Candidatos que venceram as eleições 2018 em Pernambuco são diplomados pela Justiça Eleitoral

por Karine Paixão 7 de Dezembro de 2018 às 10:01
categoria: Eleições 2018

O Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE) realizou, nesta quinta-feira (6), no Classic Hall, em Olinda, a cerimônia de diplomação do governador reeleito Paulo Câmara (PSB); da vice, Luciana Santos (PCdoB), e do senador Humberto Costa (PT). Também foram diplomados 21 deputados federais e 48 deputados estaduais eleitos no dia 8 de outubro deste ano. (Veja vídeo acimas)

A cerimônia, na prática, significa o reconhecimento da Justiça Eleitoral de que os candidatos que ganharam as eleições 2018 estão aptos a exercer seus mandatos. O prazo para a diplomação é até o dia 19 de dezembro, mas foi antecipada em Pernambuco. Na abertura, houve apresentação do sanfoneiro Beto Hortis, que cantou o Hino Nacional.

Paulo Câmara foi reeleito governador de Pernambuco com 1.896.126 votos, o equivalente a 50,61% dos votos válidos. Ele afirmou que está animado para cumprir o segundo mandato.

"Agora é cumprir a nova etapa, porque a nova tarefa é enfrentar os desafios de governar o estado de Pernambuco diante de um cenário adverso econômico no antro do Brasil, e buscar melhorar os serviços públicos. Essa é a nossa missão essencial. Ajudar a população e buscar manter Pernambuco na frente, equilibrado, com as suas contas e dia", disse.

O senador Humberto Costa afirmou que vai tabalhar no Congresso para defender os interesses de Pernambuco.

"Eu pretendo reproduzir aquilo que eu fiz ao longo desses últimos oito anos. Ser um defensor intransigente de Pernambuco, um aliado importante do governador Paulo Câmara, lutar pelo aprofundamento da democracia no Brasil. Estarei lá no Congresso defendendo os interesses do nosso povo, especialmente do povo mais pobre, trabalhador", disse.

A cerimônia foi presidida pelo presidente do TRE-PE, Luiz Carlos Figueiredo, que deixa o cargo na sexta-feira (7). Ele disse que, no estado, não houve nenhum registro de problemas com notícias falsas e que a eleição correu tranquilamente.

"Me despeço com a certeza de que combati o bom combate e que os resultados estão mostrados. De cabeça erguida, missão cumprida, posso encostar minha cabeça no travesseiro, posso olhar meus filhos, meus netos e para todos cidadãos pernambucanos. O dever foi cumprido", contou.

O TRE-PE também entregou certificados aos sete conselheiros distritais eleitos em Fernando de Noronha e mais um suplente. Pela primeira vez, os moradores da ilha puderam usar a mesma urna eletrônica para votar nos candidatos das eleições majoritárias do estado e nos conselheiros. (G1PE/ Foto: Reprodução/TV Globo)


Editorial: Que vitória da democracia venha reunir o Brasil

por Karine Paixão 28 de Outubro de 2018 às 21:13
categoria: Eleições 2018

Encerrada as votações, o povo brasileiro elegeu seu novo presidente e com ele, toda a esperança da nação se renova. Vivemos nesse momento uma mistura de sentimentos onde até aquele que diz que não se importa com a política começa a imaginar como será a sua vida a partir do próximo ano.

O que vai mudar? Não sabemos. Mas temos algumas certezas sobre como devemos nos comportar a partir de agora.

A prioridade é descer do palanque, fazer as pazes com amigos e parentes, promover a paz. O Brasil se dividiu numa disputa acirrada que finalmente teve fim. A torcida agora é pelo desenvolvimento socioeconômico, geração de empregos, mais investimento na saúde, na educação, no cuidado com o meio ambiente. Sem revanchismo, sem punição pra quem votou diferente de você.

Na África do Sul Nélson Mandela uniu o país através do esporte. Aqui não precisamos esperar por uma nova Copa do Mundo pra ter o verde e amarelo representando a todos. Moramos no mesmo território, falamos a mesma língua, somos identificados pelo mesmo adjetivo pátrio: Somos BRASILEIROS.

Jair Bolsonaro assume em meio a grandes desafios. Entre eles corresponder as expectativas de uma massa de 13 milhões de desempregados. Será necessário direcionar e implementar sua política macroeconômica , criar a segurança do mercado e principalmente das pessoas, para voltar a consumir. Temos o Dólar em alta, deficit público em ascensão, juros de ponta cobrados de pessoa física e jurídica em patamares estratosféricos, balança comercial aquém do ideal, PIB patinando. E isto tudo reflete em falta de confiança de investimentos e contenção do consumo.

O crescimento do crime organizado acontece em um país que tem prisões com taxa de ocupação média de 197% - há 729 mil detentos no país.

Ainda tem a conhecida lei que determina o Teto dos Gastos que entrou em vigor no ano passado e, no caso dos investimentos na saúde e educação, passou a valer a partir deste ano. A duração é de 20 anos, podendo ser revista a partir do décimo ano. Será que Jair Bolsonaro vai revogar?

Enfim, a solução desses problemas trará a mudança que o país tanto precisa. E o que desejamos para esse novo Brasil é que os partidos convivam em harmonia no Congresso Nacional, que novo presidente possa se concentrar no que realmente importa: prover o desenvolvimento da nação. Habitamos um território geograficamente delimitado e habitado por uma coletividade com história própria. Somos todos habitantes do Brasil.

 


Em Cabrobó eleitores são detidos tentantdo tirar selfies na hora da votação

por Mário Souza 28 de Outubro de 2018 às 18:50
categoria: Eleições 2018

Em Cabrobó-PE neste domingo (28), um eleitor de 43 anos foi detido e conduzido até a Delegacia pela Polícia Militar, após ser flagrado tentando tirar uma foto (selfie) registrando o momento da votação na Escola Municipal Joaquim André Cavalcante. Apos ser autuado por crime eleitoral de quebra do sigilo do voto, o homem assinou um Termo Circunstanciado de Ocorrência e foi liberado.

Na mesma Escola e um outro eleitor foi detido suspeito de tentar filmar o momento da votação e não obedecer a ordem policial para abordagem tentando fugir do local. Durante depoimento ficou constatado de que no aparelho não haviam registros da votação, ainda assim o homem foi autuado por crime de desobediência.


Eleitor é detido na Vila Eduardo

por Karine Paixão 28 de Outubro de 2018 às 13:18
categoria: Eleições 2018

Na manhã de hoje (28) um homem foi detido na Escola Pacífico da Luz, na Vila Eduardo por usar o celular durante a votação. A movimentação foi percebida pelo fiscal da Justiça Eleitoral que acionou os policiais militares presentes no prédio. Segundo testemunha, a equipe do GATI  esteve presente no local e participou da detenção. É proibido o uso de celulares na cabine de votação assim como qualquer equipamento eletrônico, como celulares, máquinas fotográficas e filmadoras.

De acordo com site do Tribunal Superior Eleitoral, a privacidade do voto deve ser garantida e por isso são proibidos todos os aparelhos que possam fazer algum registro do voto do eleitor ou da cabine. Se um eleitor for flagrado com um celular ou outro aparelho de gravação ele deve ser avisado por um dos membros da mesa receptora. Nessa situação o eleitor deve ser identificado e a ocorrência deve ser registrada na ata da seção eleitoral. Depois o juiz eleitoral deve comunicar a situação ao Ministério Público Eleitoral. O eleitor pode ser condenado porque quebrar o sigilo do voto é crime eleitoral. (Foto ilustrativa: Tribuna de Minas)


Miguel Coelho não declara apoio aos candidatos à presidência no segundo turno: “Neutro”

por Karine Paixão 26 de Outubro de 2018 às 15:28
categoria: Eleições 2018

Ressaltando o caráter secreto do voto, o prefeito de Petrolina Miguel Coelho (PSB) assumiu-se isento no segundo turno e não declarou apoio a nenhum dos candidatos a presidência da república no segundo turno, durante a entrevista coletiva concedida na inauguração da Avenida Sete de Setembro, na manhã desta sexta-feira (26).

“Eu não me isentei, eu apoiei, meu candidato perdeu que foi Geraldo Alckmin. Eu estou na minha posição de ficar neutro, enfim, cada um vota, o voto é secreto e espero que o Brasil possa escolher o que seja melhor para que a gente possa sair da crise. A gente vê o Brasil na crise, a gente vê Pernambuco na crise e a gente vê Petrolina na contramão, gerando emprego, desenvolvendo e progredindo. Então a gente quer que Petrolina sirva de exemplo para que a boa política governe o nosso país também”.

Mesmo assim, Miguel Coelho não vai se abster da votação. Segundo a assessoria de imprensa do prefeito de Petrolina, ele deve se comparecer à sua zona eleitoral pela manhã acompanhado da esposa, Lara Secchi. (foto: Jonas Santos/ Ascom PMP)


Impugnado na disputa pela Alepe, Osinaldo Souza aguarda recurso no TRE: “Fui prejudicado”

por Karine Paixão 24 de Outubro de 2018 às 11:57
categoria: Eleições 2018

Com o registro de candidatura a deputado estadual indeferido a 10 dias das eleições gerais do dia 07 de outubro, o vereador Osinaldo Souza (PP), perdeu o empenho  em fazer campanha. Mesmo assim ainda obteve 4.189 votos que não são oficialmente contabilizados pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE). Segundo o vereador, a inviabilidade atestada pela Justiça está relacionada ao fato dele não ter se afastado do cargo que exerce no INSS. O parlamentar protesta tal justificativa.  

“Faltando uns 10 dias para a eleição o Tribunal divulgou que a minha candidatura estava indeferida. Eu fui muito prejudicado devido a isso, começaram a espalhar nas redes sociais, começaram a falar isso nas rádios e eu fui prejudicado e muito. Consequentemente não pude fazer o que deveria ser feito na minha campanha porque tinha o receio de  no TSE não fosse deferido o meu registro. O que aconteceu? A Justiça alegou que eu demorei a me afastar no meu cargo no INSS. Como é que se altera uma Lei Eleitoral e não altera a Lei do Servidor? Como eu poderia como servidor ficar em casa, ganhando o dinheiro do povo sem trabalhar? Não, eu trabalhei até o momento, o último dia antes de começar a campanha, o que era o normal de todo processo eleitoral”, questionou.

Ainda de acordo com Osinaldo, mesmo sem a possibilidade de entrada na Assembleia Legislativa de Pernambuco ele recorreu da decisão do TRE e aguarda o resultado. “Entrei com o recurso, o Tribunal não julgou meu recurso até hoje, mas divulgou que o meu registro estava indeferido e o voto não volta mais para a urna. Mas estou muito satisfeito e muito feliz por todos aqueles que me deram seu voto de confiança num momento de campanha difícil, no momento de uma campanha muito acirrada em que fui injustiçada”.

À reportagem do Nossa Voz, o parlamentar garantiu não ter ingressado numa campanha de faixada, utilizada apenas para manter o nome presente junto ao eleitorado local. “De maneira nenhuma. Era uma campanha para ganhar a eleição, mas no momento em que eu tive esse impasse e esse risco, nenhum assessor jurídico me deu a garantia de que o Tribunal poderia acatar de forma efetiva porque era uma decisão porque ainda não tinha nenhuma jurisprudência por ser uma legislação nova, a mudança foi feita há pouco tempo, então eu não pude fazer o que realmente eu queria fazer na minha campanha”, assegurou. 


Humberto Costa acredita na virada e lamenta fake news: “ TSE não tinha estrutura”

por Karine Paixão 22 de Outubro de 2018 às 12:24
categoria: Eleições 2018

Ao lamentar a disseminação de fake news durante a campanha presidencial deste ano, o senador reeleito, Humberto Costa (PT) demonstrou sua descrença no papel regulador do Tribunal Superior Eleitoral em controlar tal situação. Para Costa, “o TSE  foi um fracasso completo” na identificação e punição dos envolvidos nessa prática, atribuída por ele ao candidato adversário, Jair Bolsonaro (PSL). 

“Tenho achado tudo muito lamentável, principalmente a ação do candidato Bolsonaro que tem utilizado essa prática da mentira pelas redes sociais, da agressão barata, do jogo sujo para tentar se eleger presidente da república”, avaliou em entrevista ao Nossa Voz na manhã desta segunda-feira (22). 

Segundo o senador reeleito, esses episódios devem servir de lição para as próximas campanhas políticas. “Nós entendemos que essa eleição tem que servir para que sejam criados mecanismos legais que impeçam esse tipo de coisa porque é uma questão de horas ou até minutos para destruir a reputação de alguém construída ao longo de anos que vai para o chão, vai para o lixo por esse tipo de prática”. 

Convidado a analisar o trabalho do Tribunal Superior Eleitoral neste pleito, Humberto Costa classificou como “fracasso” a atação do órgão na regulação dos conteúdos disseminados. “O ex-presidente do TSE, o ministro Luiz Fux, chegou a dizer que quem praticasse fake news poderia até ser impugnado, fez várias eleições, falou muita bobagem e no final das contas o TSE  não tinha estrutura para enfrentar esse grave problema das notícias falsas, das calúnias pelo Whatsapp, das mentiras e agora querem resolver sem ter como fazer isso. Quer resolver pela conversa e lógico que a campanha de Bolsonaro não vai parar de divulgar mentiras, de divulgar falsidades contra Fernando Haddad como fez contra os demais candidatos no primeiro turno. Realmente o TSE foi um fracasso completo nesse objetivo de garantir um pleito democrático”. 

Questionado se as pesquisas de intenção de votos refletem a realidade, o petista demonstrou otimismo. “Acredito que sim, mas acredito fortemente que nós vamos reverter esse quadro e vamos ganhar essa eleição”. 

Rosa Weber 

Em entrevista à imprensa na tarde deste domingo (21), a ministra Rosa Weber, presidenta do Tribunal Superior Eleitoral, defendeu a atuação do tribunal, que em sua avaliação não falhou no combate às notícias falsas, mas disse que, como juíza, não pode comentar o caso em andamento "fora dos autos do processo", e que a resposta da Justiça virá em seu devido prazo, que nem sempre coincide com "a velocidade que a sociedade quer".


Força das redes sociais: sete youtubers chegam ao Congresso Nacional

por Karine Paixão 22 de Outubro de 2018 às 09:56
categoria: Eleições 2018

De views a votos. Depois de conquistar milhões de seguidores na internet, alguns youtubers decidiram usar seu poder de influência digital para se candidatar a cargos no Legislativo. Deu certo. Pelo menos sete candidatos com ativa participação nas redes sociais foram eleitos.

É o caso do empresário Luís Miranda, eleito como deputado federal em Brasília pelo DEM. Miranda começou a publicar vídeos na internet quando se mudou para os Estados Unidos, em 2014. Pelo Youtube, ele comparava o dia a dia norte-americano ao do Brasil. Ficou conhecido ao publicar em sua página pessoal um vídeo mostrando os preços da gasolina. Filiado ao DEM há quase seis anos, tem mais de 700 mil seguidores e defende a adoção de algumas propostas do governo de Donald Trump. “Muitas pessoas não gostam dele como pessoa, mas o admiram como presidente. Eu sou a favor da reforma tributária que ele fez. Muita coisa pode ser copiada”, afirmou. O empresário voltou a morar no Brasil em setembro, pouco antes das eleições.

O uso da internet e das mídias sociais como ferramenta eleitoral já faz parte da realidade dos partidos, mas a ascensão dos influenciadores digitais ao poder é novidade. Para o cientista político Geraldo Tadeu Monteiro, coordenador do Centro Brasileiro de Estudos e Pesquisas Sobre a Democracia (Cebrad) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), esse movimento mostra a força das redes sociais. “As mídias sociais cresceram assustadoramente em termos de importância. São muito mais acessadas do que a televisão. Então, quem domina essas tecnologias vira referência em opinião. Assim como aos artistas, as pessoas passam a admirar e até a votar neles”, explicou o coordenador.

Apesar de uma expectativa de 150 mil votos, Miranda recebeu apenas 65 mil e culpou as redes sociais pela diferença. “A internet me fez e, na reta final, ela quase me destruiu. Nos últimos 15 dias de campanha, o Facebook não estava entregando o meu conteúdo, houve um bloqueio, mas eu já pedi uma investigação ao departamento de tecnologia da Polícia Civil”, alega o empresário.

Quem também se inseriu na política tendo feito carreira nas redes foi Arthur do Val, conhecido por seus vídeos polêmicos no canal “Mamãe Falei”. O youtuber com opiniões de direita é famoso por ir a manifestações e movimentos de esquerda. Eleito deputado estadual em São Paulo pelo DEM, acredita que a falta de experiência na política não deve impedir os youtubers de conseguir articulações dentro das diferentes esferas do legislativo. “A política está mudando, as pessoas não acreditam mais em discurso. A população está dando o recado de que a participação popular está crescendo e isso vai mostrar aos velhos políticos que nós precisamos ser levados a sério”, avalia o youtuber, que tem quase 2 milhões de seguidores.

O sucesso na política pode não ser tão simples quanto parece, alerta Monteiro. “Em geral, essas pessoas se decepcionam rapidamente ao chegar ao poder, porque descobrem que o processo é muito mais burocrático do que imaginam. E se você não tiver uma boa formação, fica difícil, mesmo tendo um caminhão de votos. E aí elas podem acabar sendo só mais massa de manobra”, aponta.

Outro que chegou ao poder na Câmara dos Deputados foi Kim Kataguiri, quarto mais votado para deputado em São Paulo. O jovem de 22 anos ficou famoso ao publicar vídeos defendendo uma economia liberal e fazendo duras críticas à ideologia de esquerda. Em 2014, Kataguiri ajudou a fundar o Movimento Brasil Livre (MBL), que dava apoio às investigações da Operação Lava Jato.

Cofundador do MBL e uma das principais lideranças da corrente suprapartidária Livres, Fábio Ostermann (Novo) também obteve sucesso e se elegeu deputado estadual no Rio Grande do Sul. “As redes sociais são importantes, mas, por si só, não garantem sucesso. Devem ser acompanhadas por ideias firmes. No meu caso, conceitos que não são tão instintivos na população, para levar ao eleitor a retórica liberal sem cair em demagogias e populismo”, destaca.

Segundo Monteiro, esse tipo de  campanha deve crescer em todas as vertentes ideológicas. “Há um enfraquecimento de todos os partidos. Nas manifestações de 2013, as pessoas expulsavam os partidos das manifestações porque eles eram identificados como corruptos. A diferença é que a direita passou a usar esses meios com muito mais eficiência. A esquerda ainda está amarrada a um velho sistema, com sindicatos e partidos tradicionais”, explicou. (Correio Braziliense/ Diário de Pernambuco)


Polícia Federal abriu 469 inquéritos para investigar crimes eleitorais

por Karine Paixão 22 de Outubro de 2018 às 09:51
categoria: Eleições 2018

A Polícia Federal (PF) abriu 469 inquéritos para investigar crimes eleitorais no primeiro turno da campanha deste ano, A informação é do ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann. Além disso, 455 pessoas foram conduzidas para depoimentos e outros 266 apreendidos.

De acordo com o ministro, os principais crimes registrados foram propaganda eleitoral irregular, promoção de informações falsas e compra de votos. “Aqueles que têm interesse de produzir notícias falsas fiquem sabendo que não existe anonimato na internet e a Polícia Federal tem tecnologia e recursos humanos para chegar neles aqui ou em qualquer lugar do mundo”, alertou.

Jungmann participou nesse domingo (21) da entrevista à imprensa, no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), convocada pela presidente do tribunal, ministra Rosa Weber. Na ocasião, perguntada se a Justiça Eleitoral falhou no combate às notícias falsas (fake news) durante a campanha, a ministra respondeu que não viu falhas na ação do tribunal, mas reconheceu que não esperava que a onda de desinformação se voltasse contra a própria instituição e que ainda não há uma solução para impedir o problema.

“Nós entendemos que não houve falha alguma da Justiça Eleitoral no que tange a isso que se chama fake news. A desinformação é um fenômeno mundial que se faz presente nas mais diferentes sociedades. Gostaríamos de ter uma solução pronta e eficaz, de fato, não temos”, disse a ministra.

Rosa Weber não quis comentar sobre a ação ingressada pelo PT para investigar a denúncia de que empresas teriam atuado na disseminação em massa nas redes sociais de notícias falsas contra o candidato Fernando Haddad (PT) em favor do candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL).

De acordo com Jungmann, o caso está sendo investigado e não é possível dar detalhes sobre o processo, pois o inquérito corre sob sigilo. O ministro informou que o centro integrado de controle para as eleições retomará os trabalhos nesta segunda-feira (22), a partir das 15 horas, e que os representantes dos dois candidatos à Presidência foram convidados a acompanhar a atuação do centro, que funcionará 24 horas por dia até o fim do segundo turno, no próximo dia 28 de outubro. (Agência Brasil)


Bolsonaro diz que não existe ameaça de fechar Supremo

por Karine Paixão 22 de Outubro de 2018 às 09:46
categoria: Eleições 2018

O candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse hoje (21) que "se alguém falou em fechar o Supremo Tribunal Federal (STF), precisa consultar um psiquiatra". A declaração foi feita depois que um vídeo, noticiado pela imprensa, mostra seu filho Eduardo Bolsonaro, eleito deputado federal por São Paulo, dizendo que bastariam um cabo e um soldado para fechar o STF.

Jair Bolsonaro conversou com jornalistas na casa do empresário Paulo Marinho, onde gravou programa eleitoral neste domingo. O candidato a presidente disse desconhecer o vídeo com as declarações de seu filho e afirmou que alguém tirou as falas de contexto. 

"Não existe isso de crítica e fechar STF. Se alguém falou em fechar o STF, tem que consultar o psiquiatra", afirmou. "Eu desconheço, duvido. Alguém tirou de contexto".

Vídeo

No vídeo, gravado antes do primeiro turno das eleições, Eduardo Bolsonaro, eleito deputado federal por São Paulo, responde uma pessoa que questiona se o Exército poderia agir sem ser invocado caso Bolsonaro fosse impedido de assumir por alguma decisão do Supremo.

"O pessoal até brinca lá: se quiser fechar o STF, você não manda nem um jipe, manda um soldado e um cabo. Não é querer desmerecer o soldado e o cabo", afirmou.

"O que é o STF? Tira o poder da caneta de um ministro do STF, o que ele é na rua? Se você prender um ministro do STF, vai ter uma manifestação a favor dos ministros do STF com milhões na rua?", respondeu o deputado federal na gravação.

Manifestações

Na entrevista concedida hoje, Jair Bolsonaro também agradeceu às manifestações em apoio a sua candidatura, que ocorreram em diversas cidades brasileiras. 

"É sinal de que a população realmente está preocupada com o futuro do Brasil e quer alguém diferente do PT na Presidência da República. Sou grato a esses que no momento não fazem por mim, mas fazem para o Brasil." (Agência Brasil)