asdasdasdasd

Alckmin e Rabelo estarão no Recife amanhã (21)

por Neya Gonçalves 20 de Setembro de 2018 às 16:06
categoria: Eleições 2018

A UNINASSAU – Centro Universitário Maurício de Nassau – recebe, nesta sexta-feira, 21 de setembro, no Recife, o candidato à presidência do Brasil, Geraldo Alckmin (PSDB), e, representando o também presidenciável Álvaro Dias, o vice da chapa do PODE, Paulo Rabelo.  Os postulantes vão tratar sobre a distribuição das cargas tributárias do país e discutir políticas para pessoas com deficiência, respectivamente. As discussões visam promover debates sobre os temas propostos, afim de que os participantes, além de escutarem as propostas, possam interagir e fazer questionamentos e sugestões.

Alckmin chega ao Recife na data que marca do Dia da Pessoa com Deficiência. Para a ocasião, o médico e candidato, vai abordar o tema das Políticas para Pessoas com Deficiência, quando terá um encontro com mães e responsáveis por crianças e adolescentes com microcefalia e outras doenças raras. O elegível do PSDB estará acompanhado pelo deputado federal Bruno Araújo, deputada estadual Terezinha Nunes e a deputada estadual em São Paulo Mara Gabrilli.

Em frente ao auditório do bloco C, onde o elegível fara sua explanação, será montada uma sala de acolhimento. Durante a palestra, estudantes dos cursos de Saúde da UNINASSAU ficarão responsáveis pelas crianças para que seus pais possam participar do debate e discutir as necessidades que enfrentam.

Paulo Rabelo, candidato à vice-presidência pelo Podemos, tem como tema: “Investimento para todos - a Salvação do Nordeste Brasileiro segundo a constituição”. A problemática implica na distribuição da carga tributária brasileira. A Constituição Federal estabelece no seu artigo 165, § 7º, que os investimentos federais, em cada região, devem ser feitos proporcionais à população das regiões. O Nordeste tem 27,8% (Censo-2010) da população brasileira e só recebe 6,85% dos investimentos da União.

Complementando a pauta em debate, Rabelo participará de um ato simbólico em frente ao impostômetro que está instalado no bloco B da UNINASSAU, quando, em manifesto, pedirá pela redistribuição correta dos recursos arrecadados, como manda a constituição. O candidato fará uma comparação e exposição do que se é recebido e o que é devido no Impostômetro em Percentual e de forma numérica.


Maurício Randes diz ser terceira via, nega acordo e afirma que chegará ao segundo turno: “Pesquisa já errou muito”

por Karine Paixão 20 de Setembro de 2018 às 11:55
categoria: Eleições 2018

Apresentando-se como uma terceira via em meio a uma disputa polarizada entre o governador Pulo Câmara (PSB) e o senador Armando Monteiro, Maurício Rands (PROS) nega tocar uma candidatura de fachada e acredita no crescimento das adesões do eleitorado na reta final, chegando ao segundo turno. Em entrevista ao Nossa Voz na manhã desta quinta-feira (20), o advogado, que esteve fora do cenário político desde que renunciou ao mandato de deputado federal em 2012 por discordar da condução do PT (partido ao qual pertencia) nas eleições municipais daquele ano, relevou ter a pretensão inicial de disputar ao Senado, mas aceitou o desafio de encabeçar a majoritária proporcionando um palaque para o presidenciável Ciro Gomes (PDT) em Pernambuco. 

“A política de Pernambuco precisa mudar, o pernambucano está desanimado, está atemorizado, mal atendimento na saúde pública, não está contente com os rumos do Estado, mas também, parte da população espera uma alternativa que não seja uma guinada a uma posição conservadora, uma volta às práticas do passado. As pessoas percebem que a política foi ao fundo do poço e preferem uma alternativa que está sendo colocada em meio a duas grandes estruturas. A candidatura do atual governador e a candidatura do senador Armando, mas nós estamos começando nos conectar com a população que quer uma política diferente feita por pessoas comuns, sem essas super coligações que depois de eleitas cobram um preço, um loteamento da máquina pública e o desperdício de recursos que podem ser canalizados para projetos de infraestrutura, segurança, educação e lazer”, detalhou. 

 

Segundo Rands, a rifada de Marília Arraes da disputa pelo Governo de Pernambuco, mudou seus planos. “Essa manobra autoritária do PT e PSB de tirar Marília teve o objetivo também de negar o tempo e a coligação do PSB à candidatura de Ciro Gomes e aí eu fui chamado. A princípio fui convidado a disputar uma vaga no Senado, mas depois da violência de retirar a candidatura de Marília, fizeram o apelo para que eu aceitasse o desafio da candidatura a governador”. 

O candidato também garante não se intimidar com os números apontados pelas pesquisas de intenção de voto, ressaltando a expectativa de seguir para o segundo turno. “Tenho a convicção de que estamos no caminho certo, fazendo uma campanha austera, campanha dizendo a verdade, usando os meios tecnológicos e participando de programas importantíssimos como o Nossa Voz. Vamos sim crescer na reta final e no momento certo. O eleitor não vai deixar que pesquisa decida por ele, até porque pesquisa já errou muito. Errou na Inglaterra, errou na eleição do maluco do Trump, nos EUA, errou nas recentes eleições extraordinárias aqui no Brasil, no Tocantins, Amazonas e Cabo Frio”.

Rands também minimizou a permanência de filiados do seu partido e do PDT com quem está coligado no governo Paulo Câmara. “O fato de ter alguns militantes, que não são muito do PROS, são do PDT, que continuam no governo é a comprovação de que não sou coronel do asfalto, que não posso mandar nas pessoas e se tem uma ou outra que participa do governo eu não tenho o poder de obrigá-las a pedir desligamento”. 

Ao analisar a atual administração estadual, Maurício Rands destacou a falta de protonismo de Câmara, crítica já feita pelos integrantes da frente de oposição Pernambuco vai Mudar. “Estou colocando uma alternativa, demonstrando onde o governo atual erra, onde é insuficiente, perdeu protagonismo político, segue muito na lógica burocrática, é um governo que não soube criar um Pernambuco ambiente, atrativo para os negócios e investimentos. É um governo muito cadenciado, uma cadência lenta, muito burocrático. Então estou apresentando uma alternativa de superação desse governo insuficiente para os pernambucanos”, classificou. 


Candidato à reeleição, Fernando Filho comenta valores elevados de doações para campanha: 'pessoas que se identificam'

por Gabriela Canário 20 de Setembro de 2018 às 10:52
categoria: Eleições 2018

Candidato à reeleição pelo Democratas, o Deputado Federal Fernando Filho recebeu do partido o valor de R$ 840 mil para gastos com a campanha. O restante do total de recursos recebidos, declarados no valor de R$ 1.422.428,00, foi adquirido através de doações de pessoas físicas. Algumas doações individuais alcançam, inclusive, a marca de R$ 100 mil reais, totalizando R$ 652.428,00.

De acordo com o candidato, tudo está conforme prevê a legislação eleitoral e que são provenientes de “pessoas que se identificam e reconhecem o trabalho” dele enquanto político. “Eu tive a oportunidade de mostrar o meu trabalho ao longo desse período e fiz o pedido de doação. As doações foram feitas conforme manda a legislação eleitoral em vigor no país. Elas [pessoas contribuintes] não têm nada a esconder e eu também não. A gente tem pessoas que se dispõem a ajudar”, explicou.

Reforma da Previdência – pela continuidade dos Direitos Adquiridos

Sobre o fato de o governo Temer tentar, desde o ano passado, aprovar a reforma da previdência, sendo que, depois de vários adiamentos, a previsão é que ela seja apreciada no plenário da Câmara dos Deputados após as eleições, Fernando Filho disse que é preciso, sim, uma modificação, mas disse ser contra a retirada dos direitos que já foram adquiridos. “Sou contra mexer nos direitos do trabalhador rural, tirar o direito de quem tem direito adquirido, mexer no benefício continuado da previdência. [É preciso] fazer uma medida que garanta que quem está aposentado continue recebendo. Esse debate precisa ser feito de forma correta. O que vamos defender é que ela [reforma] tem que preservar os direitos adquiridos pelas pessoas”, destacou o deputado.

A favor de empresas autossuficientes

No período em que Fernando Filho foi Ministro de Minas e Energia foi instituída a política de preços da Petrobras onde os reajustes acontecem com maior frequência, inclusive diariamente, refletindo sobretudo o preço internacional e o câmbio. Desde o início da nova metodologia, o preço da gasolina nas refinarias acumula alta de 69,62%. Em contrapartida, o político defende o lucro alcançado pela estatal sob sua gestão à frente do Ministério de Minas e energia. Entretanto, para ele, é preciso que as empresas sejam autossuficientes e que o Governo se preocupe com outras prioridades do país. “Eu defendo empresa estatal que possa se virar sozinha. Papel do Governo não é cuidar de empresa de energia, de empresa de exploração. Papel do governo é cuidar da saúde e educação. Eu defendo um estado eficiente”, explicou.

'Disciplinamento do Governo'

Como Deputado Federal, Fernando Filho votou a favor da chamada “PEC do congelamento”, a PEC 241 (proposta de emenda a constituição), que impõe limite ao gasto público. Segundo o político, a medida não vai desdobrar-se em resultados negativos e que esta é uma forma de “disciplinar [os gastos] do Governo”. “Tem muito gasto dentro do Governo e a gente está procurando crescer os investimentos dentro da realidade porque uma hora a conta chega. É preciso disciplinar o governo”, enalteceu.


Pesquisa Datafolha em PE: Paulo Câmara, 35%; Armando Monteiro, 31%

por Gabriela Canário 20 de Setembro de 2018 às 08:58
categoria: Eleições 2018

Pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira (20) aponta os seguintes percentuais de intenção de voto para o governo de Pernambuco: 

Os candidatos Paulo Câmara e Armando Monteiro estão empatados tecnicamente.

A pesquisa foi encomendada pela TV Globo e pelo jornal "Folha de S.Paulo”. É o terceiro levantamento Datafolha realizado depois da oficialização das candidaturas na Justiça Eleitoral.

No levantamento anterior, feito de 4 a 6 de setembro, os percentuais de intenção de votos eram os seguintes:


  • Paulo Câmara (PSB): 34%

  • Armando Monteiro (PTB): 25%

  • Julio Lossio (Rede): 2%

  • Maurício Rands (PROS): 2%

  • Ana Patrícia Alves (PCO): 1%

  • Simone Fontana (PSTU): 1%

  • Dani Portela (PSOL): 1%

  • Branco/nulo: 26%

  • Não sabe: 6%

Sobre a pesquisa desta quinta-feira, 20


  • Margem de erro: 3 pontos percentuais para mais ou para menos

  • Quem foi ouvido: 1.232 eleitores de 50 municípios de Pernambuco, com 16 anos ou mais

  • Quando a pesquisa foi feita: 18 e 19 de setembro

  • Registro no TSE: PE-09351/2018

  • O nível de confiança utilizado é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral, considerando a margem de erro

Espontânea

Na modalidade espontânea da pesquisa Datafolha (em que o pesquisador somente pergunta ao eleitor em quem ele pretende votar, sem apresentar a relação de candidatos), o resultado foi o seguinte:


  • Paulo Câmara (PSB): 19%

  • Armando Monteiro (PTB): 13%

  • Outros: 10%

  • Branco/nulo/nenhum: 19%

  • Não sabe: 39%

Rejeição

A Datafolha também mediu a taxa de rejeição (o eleitor deve dizer em qual dos candidatos não votaria de jeito nenhum). Nesse item, os entrevistados puderam escolher mais de um nome, por isso, os resultados somam mais de 100%. Veja os índices:


  • Simone Fontana (PSTU): 33%

  • Dani Portela (PSOL): 32%

  • Paulo Câmara (PSB): 31%

  • Julio Lossio (Rede): 31%

  • Ana Patrícia Alves (PCO): 30%

  • Maurício Rands (PROS): 29%

  • Armando Monteiro (PTB): 23%

  • Rejeita todos/não votaria em nenhum: 10%

  • Votaria em qualquer um/não rejeita nenhum: 1%

  • Não sabe: 9%

Simulações de segundo turno

• Paulo Câmara (PSB): 42% x 39% Armando Monteiro (PTB) (branco/nulo: 15%; não sabe: 4%)

A Datafolha também ouviu eleitores em Pernambuco a respeito da disputa para o Senado.

G1 PE


Rede decide nesta quinta-feira se Julio Lóssio será expulso do partido

por Gabriela Canário 20 de Setembro de 2018 às 07:50
categoria: Eleições 2018

Comandado por Marina Silva, a Rede Sustentabilidade deu um prazo de 24 horas para que o candidato ao governo pelo partido em Pernambuco, Julio Lóssio, apresente defesa e explique porque fez aliança com pessoas ligadas ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), que tem as propostas contestadas por Marina. Segundo o coordenador geral e porta-voz nacional da Rede, Pedro Ivo, há indícios de que Lóssio cometeu infidelidade partidária e, por isso, pode ser expulso da legenda e ter o registro de candidatura cancelado. Pedro Ivo é considerado braço direito de Marina Silva e falou com o Diario de Pernambucopor telefone. Ele ressaltou que há material publicitário de Lóssio - nas redes sociais, na imprensa, em vídeos e carros – que mostram o postulante ao cargo de governador ao lado de Bolsonaro.  



Questionado se a eventual expulsão não prejudicaria o palanque de Marina em Pernambuco, Pedro Ivo respondeu: “Tem coisas que estão acima da eleição. Se vai ter candidato não, vamos ver depois da defesa dele. Mas a Rede segue a democracia. Além dele descumprir a legislação eleitoral, não é cabível uma aliança com um grupo com o qual a Rede não está coligado e que não defende como princípio a democracia. Mas não posso antecipar a decisão porque ele vai apresentar a defesa dele”, declarou. Pedro Ivo frisou que a reunião da executiva será na noite de hoje, a partir das 20h, e deve reunir cerca de 25 pessoas.   



A notificação enviada pela Rede a Lóssio leva também a assinatura da coordenadora geral e porta-voz da Rede nacionalmente, Laís Alves Garcia. Tanto ela como Pedro Ivo consideraram um retrocesso democrático o apoio recebido por Lóssio por bolsonaristas, como o coronel Luiz Meira, que faz dobradinha com a esposa do candidato, Andrea Lóssio (Rede), para concorrer a uma vaga de deputado federal, enquanto ela vai disputar um cargo para a Assembleia Legislativa.  



Um trecho da nota diz o seguinte: “A Executiva Nacional da Rede Sustentabilidade solicita a V.Sa. manifestação, no prazo de 24 (vite e quatro) horas sobre os fatos mencionados, que configuram possível violação do Estatuto da Rede Sustentabilidade, em que há indícios de infidelidade partidária. Esclarecemos que a não manifestação pode ensejar abertura de processo disciplinar e consequente expulsão do quatro partidário e o cancelamento do registro de candidatura ao governo do estado de Pernambuco”. 



No lançamento da candidatura de Luiz Meira, Lóssio disse que, na Rede, há infiltrados que defendem a candidatura do governador Paulo Câmara e querem voltar ao governo. De acordo com ele, no PT, quem fazia jogo duplo era chamado de queijo do reino. Na rede, é “laranja-lima”. Em texto, Lossio desafabou e a reportagem mostra alguns trechos. “Infelizmente, parte dos integrantes da Rede gostariam que nossa campanha fosse algo apenas para fazer papel coadjuvante e servir ao projeto do PSB. Eles tinham cargos no governo e parecem querer voltar aos braços do Palácio das Princesas (…) Infelizmente, eles perceberam que esse apoio do Coronel Meira e simpatizantes dele e da candidatura de Bolsonaro podem nos levar ao segundo turno e eles têm pavor em contrariar o Palácio das Princesas”. Em outro momento, o candidato critica. “Não aceito ser cabresto. No Rio, a Rede pode apoiar Romário que tem outro presidente. No Acre, nosso senador Randolfe caminha com o DEM que vota em Alckmin. Aqui em Pernambuco, eu, que voto em Marina não, posso receber apoio?”

Diário de PE 


Bolsonaro, 28%; Haddad, 16%; Ciro, 13%; Alckmin, 9%; Marina, 7%

por Gabriela Canário 20 de Setembro de 2018 às 07:17
categoria: Eleições 2018

O Datafolha divulgou nesta quinta-feira (20) o resultado da mais recente pesquisa de intenção de voto na eleição presidencial. A pesquisa ouviu 8.601 eleitores na terça-feira (18) e na quarta-feira (19).

O nível de confiança da pesquisa é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem a realidade, considerando a margem de erro, que é de 2 pontos, para mais ou para menos.

Os resultados foram os seguintes:

 

Datafolha - 20 de setembro - evolução da intenção de voto para presidente — Foto: Arte/G1

Datafolha - 20 de setembro - evolução da intenção de voto para presidente — Foto: Arte/G1

Em relação ao levantamento anterior do instituto, divulgado na sexta-feira (14):

Jair Bolsonaro foi de 26% para 28%;

Haddad passou de 13% para 16%;

Ciro se manteve em 13%;

(Haddad e Ciro estão empatados dentro da margem de erro)

Alckmin se manteve com 9%;

Marina foi de 8% para 7%.

Rejeição

O Instituto também perguntou: "Em quais desses candidatos... você não votaria de jeito nenhum no primeiro turno da eleição para presidente deste ano?"

Neste levantamento, portanto, os entrevistados podem citar mais de um candidato. Por isso, os resultados somam mais de 100%.

Os resultados foram:


  • Bolsonaro: 43%

  • Marina: 32%

  • Haddad: 29%

  • Alckmin: 24%

  • Ciro: 22%

  • Vera: 19%

  • Cabo Daciolo: 19%

  • Boulos: 18%

  • Eymael: 17%

  • Meirelles: 17%

  • João Goulart Filho: 15%

  • Alvaro Dias: 15%

  • Amoêdo: 15%

  • Rejeita todos/não votaria em nenhum: 4%

  • Votaria em qualquer um/não rejeita nenhum: 2%

  • Não sabe: 5%

 

Datafolha - 20 de setembro - evolução da rejeição na intenção de voto para presidente — Foto: Arte/G1

Datafolha - 20 de setembro - evolução da rejeição na intenção de voto para presidente — Foto: Arte/G1

Simulações de segundo turno

 


  • Bolsonaro 42% x 41% Marina (branco/nulo: 16%; não sabe: 2%)

 

Datafolha - 20 de setembro - simulação de segundo turno entre Bolsonaro e Marina — Foto: Arte/G1

Datafolha - 20 de setembro - simulação de segundo turno entre Bolsonaro e Marina — Foto: Arte/G1


  • Ciro 41% x 34% Alckmin (branco/nulo: 22%; não sabe: 2%)

 

Datafolha - 20 de setembro - simulação de segundo turno entre Ciro e Alckmin — Foto: Arte/G1

Datafolha - 20 de setembro - simulação de segundo turno entre Ciro e Alckmin — Foto: Arte/G1


  • Alckmin 40% x 39% Bolsonaro (branco/nulo: 19%; não sabe: 2%)

 

Datafolha - 20 de setembro - simulação de segundo turno entre Alckmin e Bolsonaro — Foto: Arte/G1

Datafolha - 20 de setembro - simulação de segundo turno entre Alckmin e Bolsonaro — Foto: Arte/G1


  • Alckmin 39% x 36% Marina (branco/nulo: 23%; não sabe: 2%)

 

Datafolha - 20 de setembro - simulação de segundo turno entre Alckmin e Marina — Foto: Arte/G1

Datafolha - 20 de setembro - simulação de segundo turno entre Alckmin e Marina — Foto: Arte/G1


  • Ciro 45% x 39% Bolsonaro (branco/nulo: 14%; não sabe: 2%)

 

Datafolha - 20 de setembro - simulação de segundo turno entre Ciro e Bolsonaro — Foto: Arte/G1

Datafolha - 20 de setembro - simulação de segundo turno entre Ciro e Bolsonaro — Foto: Arte/G1

 


  • Alckmin 39% x 35% Haddad (branco/nulo: 24%; não sabe: 3%)

 

Datafolha - 20 de setembro - simulação de segundo turno entre Alckmin e Haddad — Foto: Arte/G1

Datafolha - 20 de setembro - simulação de segundo turno entre Alckmin e Haddad — Foto: Arte/G1

 


  • Haddad 41% x 41% Bolsonaro (branco/nulo: 15%; não sabe: 2%)

Datafolha - 20 de setembro - simulação de segundo turno entre Haddad e Bolsonaro — Foto: Arte/G1

Datafolha - 20 de setembro - simulação de segundo turno entre Haddad e Bolsonaro — Foto: Arte/G1

 


  • Ciro 45% x 31% Marina (branco/nulo: 22%; não sabe: 2%)

 

Datafolha - 20 de setembro - simulação de segundo turno entre Ciro e Marina — Foto: Arte/G1

Datafolha - 20 de setembro - simulação de segundo turno entre Ciro e Marina — Foto: Arte/G1


  • Marina 37% x 37% Haddad (branco/nulo: 24%; não sabe: 2%)

 

Datafolha - 20 de setembro - simulação de segundo turno entre Marina e Haddad — Foto: Arte/G1

Datafolha - 20 de setembro - simulação de segundo turno entre Marina e Haddad — Foto: Arte/G1


  • Ciro 42% x 31% Haddad (branco/nulo: 25%; não sabe: 3%)

 

Datafolha - 20 de setembro - simulação de segundo turno entre Ciro e Haddad — Foto: Arte/G1

Datafolha - 20 de setembro - simulação de segundo turno entre Ciro e Haddad — Foto: Arte/G1

Sobre a pesquisa


  • Margem de erro: 2 pontos percentuais para mais ou para menos

  • Entrevistados: 8.601 eleitores em 323 municípios

  • Quando a pesquisa foi feita: 18 e 19 de setembro

  • Registro no TSE: BR-06919/2018

  • Nível de confiança: 95%

  • Contratantes da pesquisa: TV Globo e "Folha de S.Paulo"


Marco Aurélio diz que Rodovia Cabrobó / Terra Nova será uma de suas prioridades

por Mário Souza 19 de Setembro de 2018 às 15:49
categoria: Eleições 2018

O vereador recifense Marco Aurélio (PRTB), abriu a Rodada de Entrevistas com os Candidatos a Deputado Estadual na Grande Rio FM Cabrobó.

Em suas primeiras declarações o candidato fez questão de mencionar o que entende ser as principais necessidades da população de Cabrobó e de cidades da região. “Temos eme Cabrobó, algumas coisas que não deveriam acontecer. Um exemplo é a rodovia Cabrobó Terra Nova, que ate hoje só tem promessa. Seria uma importante obra para ageração de emprego e ecoamento da produção. Viajar nesse trecho com mais segurança , com mais rapidez isso seria um avanço grande para a região. Outra pendência, são os atrasos de pagamentos dos pipeiros. Queremos lutar para que esse povo receba. Não tem sentido que essas pessoas que levam a agua para as pessoas que estão sofrendo recebam esse líquido precioso. São essas algumas das lutam que quero encampar logo de cara se formos eleitos para assembleia” defendeu.

Outro ponto da sabatina tratou na geração de emprego e renda. Nesse quesito o candidato evitou fazer promessas, mas sinalizou que pretende se juntar a aliados políticos em Brasília, para viabilizar oportunidades para a região. “Podemos nos juntar com meu Deputado Federal, para viabilizar a vinda de indústrias para Cabrobó. Não quero fazer promessas, mas junto com lideranças podemos viabilizar ainda mas o comércio. Vou contar com meus parceiros, para que tragam as ideias e vamos tentar viabilizar coisas na área do comércio ou da indústria. Mas repito, essa estrada Cabrobó/Terra Nova, vai ajudar muito, pois assim podemos escoar a produção, diminuir o custo e assim gerar empregos”

A rodada de entrevistas continua nesta quinta-feira (20), com a participação do candidato Rodrigo Novaes (PSD). O programa começa as 12h30min. Os ouvintes podem participar, pelos telefones (87) 3875 – 2362 / 99650 – 0271 ou pelo whatsaap 9 8809 – 4276.


Candidato à reeleição, Adalberto justifica voto a favor de PEC que limita gasto público: 'orientação do partido'

por Gabriela Canário 19 de Setembro de 2018 às 10:43
categoria: Eleições 2018

Com 14 projetos tramitando na Câmara dos deputados, com boa parte deles protocolados em 2015, Adalberto Cavalcante (Avante) tenta a reeleição no Congresso Nacional. "Não tem um parlamentar aqui na região que colocou mais emenda do que eu. Eu fico preocupado porque tem muitas emendas que estão enganchadas. Eu tenho hoje 62 milhões em emendas liberadas para vários municípios", explicou. 

Adalberto enumerou ainda alguns benefícios da atuação dele no estado. "Petrolina recebeu nove milhões, mais três milhões do Hospital do Câncer. Foi liberado cinco postos de saúde para Petrolina e Miguel Coelho está lá enganchado. De 2016, ele [prefeito] recebeu a primeira parcela agora de 154 mil. Foram liberados 40 pontos de ônibus, eu tenho mais de 20 ruas. Mais 300 mil para custeios de cirurgias. É isso que a gente tem martelado. No estado de Pernambuco, colocou 60 tratores, dezesseis ambulâncias",disse. 

Troca de Partidos

Eleito pelo PHS, o político migrou para o PMB, Partido da Mulher Brasileira, deixou a legenda filiando-se para o PTB de Armando Monteiro, e agora está filiado ao Avante. “Eu mudei de partido e mudo de novo se não me senti bem. Eu fico onde me sinto bem. Se o Avante não cumprir o que foi acordado, eu saio também. Eu não voto no partido, eu voto nas pessoas”, afirmou o Deputado.

O atual partido, inclusive, destinou para a campanha de Adalberto Cavalcanti o valor de R$ 969 mil. Porém, fazendo uma pesquisa junto aos demais candidatos que pleteiam o mesmo cargo e fazem parte do mesmo partido, foi possível constatar que alguns deles receberam valores muito menores, a exemplo de Eveline Marques que recebeu do Avante R$ 2.700 e o candidato Fábio Lira não recebeu nada do partido. De acordo com o político o maior valor para ele não é um privilégio, mas não soube explicar os critérios utilizados na divisão. “Não é privilégio. Se eu recebi 960 mil é de acordo com o fundo partidário, principalmente o parlamentar. O partido tem as normas. Isso é de acordo com a condição de cada um. O presidente [do partido] sabe como administrar os recursos. Eu não sei quais são os critérios, mas isso é de acordo com os critérios”, limitou-se.

PEC 241

Questionado ainda sobre ter votado a favor da aprovação na Câmara dos Deputados da chamada PEC do 241 (proposta de emenda a constituição) que impõe limite ao gasto público, o que a oposição garante que tal medida retira recursos destinados a saúde e educação, Adalberto disse ter seguido uma orientação do partido e que a medida não deve prejudicar a população. “Essa PEC foi votada e eu tenho certeza absoluta que não vá diminuir [os recursos] da saúde. O partido convocou os deputados e a gente votou lá. Isso foi de acordo com o partido, mas eu não tô sabendo que vinha prejudicar a população, que vinha prejudicar na saúde. Quando você pega um projeto são muitos critérios, quando você vai para a votação, normalmente, o parlamentar acompanha a orientação do partido”, explicou. 


Fernando Haddad fará campanha em Caruaru e Petrolina no próximo sábado

por Gabriela Canário 19 de Setembro de 2018 às 09:03
categoria: Eleições 2018

Petrolina recebe a visita do candidato  a  presidência da república, Fernando Haddad, neste sábado (22). Segundo as informações,Haddad desembarca em Petrolina acompanhado de Paulo Câmara, que vem combatendo as políticas do governo Michel Temer por onde passa.

Haddad chega ao Recife, às 9h do sábado (22), onde pode realizar uma caminhada no centro da cidade. A agenda ainda está sendo fechada. Da capital, ele segue para Caruaru à tarde. Na sequência, vai  a Petrolina, onde fica até o domingo (23). Quem deve acompanhar  a comitiva é a candidata a  vice do PC do B, Manuela D’Ávila.


Haddad lidera com classe mais pobre e Bolsonaro entre os mais ricos

por Gabriela Canário 19 de Setembro de 2018 às 08:56
categoria: Eleições 2018

Pesquisa Ibope divulgada nesta terça-feira (18) apurou os percentuais de intenção de voto para presidente da República.

Confira os números da pesquisa por segmento:

Sexo

 

 — Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

— Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

 — Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

— Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

Idade

 

 — Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

— Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

 — Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

— Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

 — Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

— Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

 — Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

— Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

 — Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

— Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

Escolaridade

 

 — Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

— Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

 — Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

— Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

 — Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

— Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

 — Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

— Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

Renda familiar (em salários mínimos)

 

 — Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

— Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

 — Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

— Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

 — Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

— Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

 — Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

— Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

Região

 

 — Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

— Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

 — Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

— Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

 — Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

— Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

 — Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

— Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

Religião

 

 — Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

— Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

 — Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

— Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

 — Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

— Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

Raça/Cor:

 

 — Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

— Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

 — Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

— Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

 — Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

— Foto: Alexandre Mauro, Betta Jaworski, Igor Estrella / G1 Arte

Sobre a pesquisa


  • Margem de erro: 2 pontos percentuais para mais ou para menos

  • Entrevistados: 2.506 eleitores em 177 municípios

  • Quando a pesquisa foi feita: 16 e 18 de setembro

  • Registro no TSE: BR-09678/2018

  • Contratantes da pesquisa: TV Globo e "O Estado de S.Paulo".

  • O nível de confiança utilizado é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral, considerando a margem de erro.

  • 0% significa que o candidato não atingiu 1%; traço significa que o candidato não foi citado por nenhum entrevistado.

Do G1