asdasdasdasd

No Nordeste, Haddad promete limitar preço do gás de cozinha

por Karine Paixão 22 de Outubro de 2018 às 09:44
categoria: Eleições 2018

O candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad, disse hoje (21) em São Luís, capital do Maranhão, que se eleito, vai editar uma medida estabelecendo o preço máximo do gás de cozinha em R$ 49. Ele também afirmou que aumentará o valor do Bolsa Família em 20%.

Segundo o candidato, as medidas estão entre as suas prioridades e devem ser colocadas em prática logo em janeiro. De acordo com Haddad, com o aumento do preço do gás de cozinha, famílias pobres têm optado por usar o álcool - o que não é recomendado para uso doméstico e tem causado diversos acidentes. O anúncio foi feito após caminhada pelas ruas do Anil, bairro popular localizado na região central da capital maranhense.

Acompanhado por aliados e simpatizantes, Haddad caminhou ao lado do governador reeleito Flávio Dino (PC do B). O petista conversou com as pessoas que o paravam. Em seguida, ele seguiu para um hotel, no centro da capital maranhense para conceder uma entrevista à imprensa.

Haddad encerra em São Luís a viagem ao Nordeste que começou na sexta-feira (19), quando desembarcou em Fortaleza. Ele passou pelas capitais do Ceará e Maranhão, foi também a Picos, no Piauí, Crato e Juazeiro do Norte, no interior cearense. (Agência Brasil)


A partir desta terça, eleitores só poderão ser presos em flagrante

por Karine Paixão 22 de Outubro de 2018 às 09:41
categoria: Eleições 2018

A partir de amanhã (23), cinco dias antes do segundo turno das eleições 2018, nenhum eleitor poderá ser preso ou detido. A exceção ocorre apenas em casos de flagrante delito e ainda se houver sentença criminal condenatória por crime inafiançável ou desrespeito a salvo-conduto. A determinação está prevista no artigo 236 do Código Eleitoral.

A terça-feira também é o prazo final para que os representantes dos partidos políticos e coligações, a Ordem dos Advogados do Brasil e o Ministério Público peçam verificação das assinaturas digitais do Sistema de Transporte de Arquivos da Urna Eletrônica, do Subsistema de Instalação e Segurança e da Solução JE-Connect, instalados nos equipamentos da Justiça Eleitoral que serão utilizados no segundo turno.

Os tribunais regionais eleitorais também têm até essa data para divulgar, na internet, os pontos de transmissão de dados que funcionarão em pontos distintos do local de funcionamento da Junta Eleitoral.

O segundo turno das eleições ocorre no próximo dia 28 de outubro em todo o Brasil e mais 99 países, para a escolha do próximo presidente da República. Em 13 estados e no Distrito Federal, os eleitores também terão que definir o governador que irá comandar os Executivos locais nos próximos quatro anos. Em 19 municípios serão realizadas as chamadas eleições suplementares para a escolha de novos prefeitos e vice-prefeitos. (Agência Brasil)


PT pedirá investigação e cassação da chapa de Bolsonaro ao TSE, afirma Humberto Costa

por Neya Gonçalves 18 de Outubro de 2018 às 15:59
categoria: Eleições 2018

Em reunião com dirigentes e parlamentares eleitos do PT e do PSOL nesta quinta (18), na Casa Marielle Franco (comitê do PSOL), no Derby, o senador reeleito Humberto Costa (PT) comentou sobre uma denúncia publicada pela Folha de S.Paulo de que empresas estariam comprando pacotes de disparos em massa de mensagens contra o PT no WhatsApp e preparando uma grande ação para a próxima semana, que antecede o segundo turno. Humberto disse que o partido não só vai pedir investigação ao TSE como também a cassação da chapa do presidenciável do PSL.



A prática denunciada pela reportagem é considerada ilegal, já que se trata de doação de campanha por empresas, o que é proibido por lei, com o agravante de não ter sido declarada. "Isso é muito grave, não somente a contratação de empresas que representa doação não declarada, caixa dois, que está proibido terminantemente nesta campanha, principalmente a questão da participação de empresas na doação para as campanhas eleitorais. Outra questão importante é que está se divulgando a partir desses disparos mentiras e notícias falsas, assim como aconteceu na Inglaterra (Brexit), nos Estados Unidos (Trump), assim como aconteceu em várias outras eleições", disse Humberto.



Segundo o senador, o PT entrará com um pedido formal ainda hoje no TSE, cobrando investigação e também solicitando a impugnação da chapa de Jair Bolonaro (PSL). "Nós estamos entrando hoje no TSE para apuração e investigação e creio até que uma proposta de cassação da chapa desse cidadão que está utilizando esse método", informou. (Folhape)


Hospital Dom Malan: Ronaldo Cancão reafirma trabalho de comissão e diz que Cremepe é omisso

por Karine Paixão 17 de Outubro de 2018 às 10:21
categoria: Eleições 2018

Ainda de luto pela perda do bebê, morto na barriga após a demora na realização do parto no Hospital Dom Malan, Taís Alves dos Santos, 27 anos, esteve na Câmara de Petrolina e seu caso foi tema de pronunciamentos entre os parlamentares na sessão desta terça-feira (16). No dia 30 de setembro a jovem deu entrada naquela unidade de saúde com fortes dores mas não teria condição para parto normal. Segundo o relato da jovem, o bebê apresentava batimentos cardíacos e por seu histórico de duas cesarianas anteriores, solicitou a médica que tal procedimento fosse repetido. Os profissionais determinaram que Taís esperasse. Houve troca de plantão e quando ela voltou a ser examinada foi descoberto que a criança havia morrido ainda na barriga da mãe. 

O caso foi destacado pela vereadora Maria Elena que questionou a política de atendimento do IMIP, responsável pela administração do Hospital Dom Malan e se mostrou indignada com a falta de providências adotadas para impedir que novos casos aconteçam. “As pessoas se arvoram em dizer que são contra ao aborto, contra isso ou contra aquilo e as coisas acontecendo na nossa cara e ninguém toma uma iniciativa? É como se fosse uma coisa natural. Eu me recuso a considerar e a conviver com essa realidade como se isso fosse uma coisa natural”. 

Integrante da comissão  instaurada pela Câmara de Vereadores de Petrolina para investigar os casos de mortes de gestantes e bebês, Ronaldo Cancão apontou o Cremepe como omisso por não investigar os profissionais envolvidos nos casos denunciados pela população e cobrou do Ministério Público Federal um posicionamento firme. “Confesso a vossas excelências que estou perplexo, estarrecido com as instituições de Petrolina. Ministério Público Estadual, Federal, Cremepe... A omissão é o pior erro de um ser humano, não tem uma investigação do Cremepe no IMIP Dom Malan. Não tem uma ação do Ministério Federal em relação ao Dom Malan. E por que Ministério Público Federal? Porque o recurso é do SUS, é federal. É estarrecedor”, classificou. 

Cancão também garantiu que até o dia 30 de outubro a comissão vai encaminhar para a Justiça os relatórios com depoimentos  e materiais colhidos durante a investigação. “ O trabalho dessa comissão não será em vão. Nós vamos provocar um debate nessa cidade, vamos provocar o Judiciário da esfera federal. Ouvimos, pegamos relatórios, ouvimos pessoas, famílias, o diretor do Hospital Dom Malan e o Cremepe se ausentou por duas vezes de estar aqui nesta casa. O Cremepe é quem investiga os médicos ou os erros hospitalares. E cadê o Ministério Público Federal? Eu não tenho medo de Justiça porque a vida da gente é pautada de Justiça. Nós vamos sim até o dia 30 de outubro entregar ao juiz federal protocolado todo o inquérito, todas as escutas que nós ouvimos das pessoas e das autoridades. Nós vamos buscar a verdade para a sociedade de Petrolina, doa em quem doer”. 


Isolado no PSL, Domingos de Cristália nega voto em Bolsonaro e não teme punição: “Vou deixar o partido à vontade”

por Karine Paixão 16 de Outubro de 2018 às 11:36
categoria: Eleições 2018

Mesmo integrando o Partido Social Liberdade, o vereador Domingos de Cristália fez questão de destacar que não votará no candidato da legenda, Jair Bolsonaro. Crendo na máxima popular que diz que “antiguidade é posto”, o parlamentar garante estar filiado ao PSL há mais tempo que o presidenciável e revela nunca ter simpatizado com suas propostas. Mas ao detalhar os motivos que o levaram a rechaçar o voto em Bolsonaro, Domingos revela a falta de apoio do partido à manutenção do seu mandato como vereador. 

“Na verdade, quando ele falou em ser candidato, quando ele não estava nem no PSL, eu já disse que não votava nele. Bolsonaro não me representa, não representa o meu povo que são aquelas pessoas humildes. E aí eu comecei a analisar, ele é do meu partido, não fui eu quem fui, foi ele quem veio e eu não vou votar nele”, argumentou.

Ao responder se não teme ser expulso da legenda, Domingos de Cristália parece até torcer para isso aconteça. “Vou deixar o partido à vontade. Fui candidato pelo PSL que me deu a legenda para eu ser candidato. Eu só não seria vereador hoje se eu fosse filiado ao PSB, em qualquer outro partido eu teria sido eleito. O PSL nunca fez uma ligação para mim, nunca me ouviu em momento nenhum, me deu a legenda e pronto. Você sabe os processos que passei em Petrolina e o partido nunca ligou para mim para perguntar se eu precisava de um advogado. Então se eu não sirvo para ser vereador, eu não sirvo para votar no candidato deles também”. 

Visivelmente decepcionado com a falta de apoio, o vereador de Petrolina revelou ainda que espera apenas a janela partidária para se desfiliar do PSL. “Eu já tive pessoas dentro do partido que disseram que vão montar um partido para 2020 sem nenhum vereador. Eu vou ficar fazendo lá o que? Eles não querem pessoas com mandato, eu vou procurar no tempo certo um outro partido para eu me filiar. Eu não vou falar mal de Júlio Costa, não vou falar mal do meu colega, Gabriel Menezes, eu só acho que faltou interesse do partido na minha permanência dentro dele e vou permanecer até que abra a janela partidária para eu sair”. 


Retratos de uma eleição: Na busca por visibilidade, Lóssio expõe base esfacelada em Petrolina

por Karine Paixão 15 de Outubro de 2018 às 11:38
categoria: Eleições 2018



Abarcando apenas 4,67% dos votos válidos na busca pelo Governo de Pernambuco, o médico e ex-prefeito de Petrolina, Júlio Lóssio (Rede) buscou visibilidade num processo polarizado entre duas coligações e não conseguiu. 

O oftalmologista deixou o MDB em meio a disputa pelo comando da legenda protagonizado pelo senador Fernando Bezerra Coelho e deputado federal e senador eleito Jarbas Vasconcelos e acreditou ter encontrado na Rede Sustentabilidade o partido ideal para suas estratégias pouco ortodoxas. 

Equivocado com a passividade dos correligionários de Marina Silva (Rede), Lóssio recebeu como punição a expulsão da legenda e até o pedido de cancelamento do registro de candidatura. Ao recorrer de tal decisão, o então candidato pode se manter na disputa, mas com um resultado abaixo do esperado, quarto colocado, e em Petrolina, sua base eleitoral, ficou em terceiro atrás de Paulo Câmara (PSB) e Armando Monteiro (PTB). Apenas 21,48% dos votos válidos foram destinados ao ex-prefeito da cidade. Esposa, candidata a deputada estadual, Andréa Lóssio (Rede), também não logrou êxito. 

Buscando a sobrevivência, fez dobradinha com candidatos a deputado federal da base de Paulo Câmara e conseguiu a votação total de 23.954 votos e destes, apenas 9.478 vieram de Petrolina. Júlio Lóssio, depois de derrotado nas eleições de 2016 quando não elegeu sucessor à Prefeitura Municipal, não transferiu votos para a esposa e nem foi majoritário  na cidade que o elegeu duas vezes prefeito. 

Que lição vai tirar desse processo? Que estratégia usará para 2020? Tão presente nas redes sócias durante a campanha, Lóssio não emitiu nota oficial ou fez qualquer transmissão avaliando o resultado das eleições. Limitou-se a agradecer os votos recebidos dando pistas de que não vai desistir da política partidária. “Muito obrigado, Pernambuco! Foram mais de 176 mil votos de confiança. Não vamos desistir do nosso estado. A luta continua!”, afirmou a postagem feita às 23h05 de 07 de outubro, dia da votação no primeiro turno. 


Maioria se diz indiferente ao apoio de outros candidatos no 2º turno, diz Datafolha

por Adriana Rodrigues 12 de Outubro de 2018 às 07:00
categoria: Eleições 2018

Em uma disputa polarizada no segundo turno entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT), boa parte dos eleitores brasileiros se mostra indiferente em relação a hipotéticos apoios dos candidatos derrotados no primeiro turno da eleição para a Presidência da República.

Pesquisa Datafolha divulgada nessa quarta (10) mostra que, do total de eleitores, 72% se dizem indiferentes em relação a um possível apoio de Marina Silva (Rede) a qualquer um dos candidatos que seguem na disputa. Cenário semelhante se repete em relação a hipotético apoio de Geraldo Alckmin (PSDB), considerado irrelevante por 69% dos entrevistados. Um apoio de Ciro Gomes (PDT) também não teria influência para 63% dos eleitores.

Mesmo entre quem votou nesses candidatos derrotados no primeiro turno, os posicionamentos deles no segundo turno têm influência restrita. Quando a pergunta sobre o apoio de Ciro é direcionada aos que declararam voto no pedetista no primeiro turno, seus eleitores se dividem. Enquanto 48% deles consideram a possibilidade de optar pelo candidato que ele apoiar, 44% se dizem indiferentes. Terceiro colocado no primeiro turno, com mais de 13 milhões de votos (12,47% do total), Ciro anunciou oposição completa a Bolsonaro e "apoio crítico" a Haddad.

Entre os eleitores de Marina, 50% mostraram indiferença quanto à influência de um eventual apoio seu para definição do voto no segundo turno, enquanto 36% cogitariam votar em quem ela apoiar. A candidata da Rede, que recebeu pouco mais de 1 milhão de votos e ficou em oitavo, diz que "será oposição a qualquer governo" -em 2014, apoiou Aécio Neves (PSDB) contra Dilma Rousseff (PT).

Para os eleitores de Alckmin, apenas 29% disseram que poderiam votar em um candidato que o tucano viesse a apoiar no segundo turno -o candidato declarou neutralidade. Novamente os que se dizem indiferentes foi maior (57%).

Na primeira pesquisa do Datafolha sobre o segundo turno das eleições presidenciais, Bolsonaro aparece com 58% dos votos válidos, enquanto o ex-prefeito paulistano conta com o apoio de 42% dos ouvidos.

O levantamento foi feito na quarta com 3.235 entrevistas presenciais em 227 municípios. A margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%. A pesquisa está registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) com o número BR-00214/2018.


Gonzaga Patriota prega continuidade e assume articulação para Paulo Câmara ser majoritário em Petrolina

por Karine Paixão 9 de Outubro de 2018 às 12:01
categoria: Eleições 2018

Segundo o deputado federal Gonzaga Patriota, a sua reeleição será importante para que os seus projetos que tramitam na Câmara não sejam engavetados. Zona Franca do Semiárido, continuidade da Ferrovia Transnordestina e a integração dos rios Tocantins e São Francisco o motivaram a continuar na vida pública. Eleito com mais de 80.498 votos, mais de 20 mil a menos que em 2014, Patriota cita as abstenções como grande fator dessa redução.

“O povo brasileiro mesmo triste com esses problemas que vem acontecendo no país, mas é um povo politizado, porque se em um outro determinado país do planeta talvez não tivessem ido nem votar. Tivemos abstenções grandes, mas que houve essa votação e que a gente elegeu alguns governadores, elegeu e reelegeu senadores, deputados estaduais e federais e eu estou no meio deles para trabalhar como tenho feito há 36 anos”, alegou em entrevista ao Nossa Voz.

Com uma lista de projetos que espera aprovar nessa legislatura, Gonzaga pretende alinhar forças dobrar as atenções para a região, que perdeu um dos seus deputados federal com a não reeleição de Adalberto Cavalcanti. “Essa minha candidatura foi exatamente porque eu tenho importantes projetos ainda tramitando no parlamento e eu temia que se não me candidatasse mais eles poderiam parar. A gente tem uma zona franca do Semiárido que eu fui o relator e sou autor do substitutivo e Pernambuco vai ser em ponto em Salgueiro. Com certeza essa zona franca vai atrair pra Pernambuco empresas do Brasil inteiro e do país. Tem um outro projeto que é o concluir essa Transnordestina que está paralisada em rezão do não cumprimento da PPP pela empresa. Está para lisada depois de R$ 2 bilhões em investimentos. E um projeto também muito importante que é de minha autoria que é interligação da bacia do Tocantins com o Rio São Francisco”.

Sobre a vitória de Paulo Câmara, sobretudo em Petrolina onde o prefeito Miguel Coelho é opositor, Gonzaga Patriota aponta o trabalho feito em parceria com o deputado estadual Lucas Ramos. “Atribuo aos petrolinenses que fizeram uma análise do que é o governo Paulo Câmara. Fiquei muito feliz em ver Paulo Câmara majoritário em Petrolina, que foi um trabalho em que eu me juntei com Lucas Ramos como parlamentares, com muito amigos e amigas, políticos da Frente Popular. A gente tem dentre esse povo aí uma Anete Ferraz na educação, tem o pessoal da saúde, o Alessandro, o Clésio da segurança pública e a gente junta todo mundo e faz um trabalho modesto e de convencimento”.

“Não tenho nada contra dr. Armando Monteiro, tenho por ele um grande respeito, nada contra Fernando Bezerra, tenho por ele também um grande respeito, mas o Paulo Câmara pra governar Pernambuco fez com que a gente pudesse convencer muita gente, não apenas em Petrolina mas no grande Sertão onde não estava bem a votar nele, votaram e ele obviamente vai ter que retribuir”, completou.

E a retribuição, segundo Patriota virá só forma de investimentos. “A gente vai ter que olhar uma Compesa e chegar com mais recursos para Petrolina, temos que ver parcerias do FEM com o prefeito Miguel para pavimentar e calçar várias ruas, a gente tem que ver esse problema junto com Ministério de Integração nacional pois muitos bairros onde a lama passa pelo meio da rua, os esgotos no meio da rua e quando eu falo Petrolina falo também sobre toda essa região onde fui votado”.


Gabriel Menezes chora ao agradecer votos, prega eleição limpa, mas não entrega 2020

por Karine Paixão 8 de Outubro de 2018 às 12:03
categoria: Eleições 2018

Emocionado, o vereador Gabriel Menezes participou do Programa Nossa Voz desta segunda-feira (08) para agradecer os votos recebidos pela campanha a deputado estadual. Listando dificuldades em desempenhar uma campanha sem altos recursos financeiros, Menezes relembrou os dias que não conseguiu sair para fazer visitas nos bairros por falta de combustível.

“Estou muito feliz apesar de não ter logrado êxito, não ter conseguido a eleição, a gente precisa se orgulhar, a gente precisa agradecer a Deus e a todas as pessoas que de forma limpa, verdadeira, nos deram quase 15 mil votos. Uma campanha com extremas dificuldades. Quem me conhece de perto sabe que em muitos dias a gente deixou de rodar por não ter o próprio combustível. Mas a gente se orgulha por saber que Petrolina e essas cidades sertanejas que nos deram um pouco mais de 2.134 votos que tivemos fora da cidade, que essas cidades acreditam sim que é possível mudar esse quadro nefasto em que se encontra a política do nosso país”, relatou com a voz embargada.

O vereador de Petrolina foi o quarto mais votado em Petrolina e parabenizou os demais postulantes radicados na cidade, destacando Lucinha Mota (PSOL), que dispunha de uma estrutura de campanha semelhante a sua. “Parabéns aos demais, em especial Lucinha Mota. Foi guerreira, mostrou uma votação expressiva e eu sei que a luta dela é por justiça, não só pela elucidadação desse caso ocorrido com a sua filha Beatriz mas, pelos tantos não elucidados, pleos tantos que infelizmente só vemos o crescimento ocorrendo no Estado, os crimes não elucidados”.

Ao agradecer a confiança do eleitorado, Gabriel destacou ainda as comunidades em que foi majoritário e citou a compra de votos como um dos fatores que atrapalharam a sua eleição. “Estou muito feliz, agradeço a Deus. Dormi pouco essa noite, mas o pouco que dormi com a consciência tranquila de não ter me utilizado da prática suja da compra de votos, não pressionei e tenho certeza de que a nossa luta vai continuar por Petrolina, pelo povo sertanejo. Infelizmente a gente sabe ainda como é lutar contra a força imperiosa do sistema, contra a famigerada compra de voto. Mas quero agradecer, fui líder em várias comunidades como Uruás, que quero agradecer onde fui o mais votado e onde a gente vai ter a oportunidade de pessoalmente agradecer”.

Ainda segundo o parlamentar, faltaram pouco mais de 170 votos para que ele alcançasse a suplência. Questionado se esse cenário desenharia uma oportunidade a concorrer a prefeitura de Petrolina em 2020, Gabriel Menezes desconversou. “A hora é da gente realmente tentar reorganizar a vida, como eu disse há alguns dias aqui mesmo no Nossa Voz, a minha esposa está gestante, estamos preste a receber nosso terceiro filho. Agora dia 20 mais ou menos deve estar chegando o nosso Davi, e cada eleição tem suas particularidades. A gente fica muito feliz com a votação expressiva Petrolina nos concedeu e continuo com meu posicionamento contra a reeleição. Que 2020 seja pensado no momento oportuno. Agora é o momento de agradecer a Deus, agradecer Petrolina, ao povo pernambucano por ter me dado essa alegria tão grande de receber esse 14633 votos”.


Promotor nega que Prefeito de Cabrobó tenha sido preso por compra de votos

por Mário Souza 7 de Outubro de 2018 às 12:01
categoria: Eleições 2018

O Prefeito de Cabrobó Marcílio Cavalcante (PMDB) foi convidada a comparecer a 25ª Delegacia Seccional de Cabrobó na manhã deste domingo (7). O convite partiu do Promotor Eleitoral Thiago Gonzales, pelo fato do gestor ser testemunha de uma suspeita de venda de voto por parte de um eleitor.

Durante entrevista concedida a Repórter Mário Souza da Radio Grande Rio Fm Cabrobó, o Promotor fez questão de refutar informações que circularam em Blogs da região, de que Marcilio teria sido preso por compra votos. “Quero esclarecer o que aconteceu diante das informações erradas que foram divulgadas em alguns veículos da região de que o Prefeito Marcílio teria sido preso. A verdade é que ele foi ate a delegacia, convidado na condição de testemunha, diante de uma suspeita da prática de venda de voto por parte de um cidadão. Tanto que ele foi ouvido por mim e pelo Delegado e logo em seguida liberado para suas atividades normais” explicou

O Promotor também explicou a participação da forma Policial no momento da condução do suspeito e da ida do Prefeito a Delegacia. “Foi necessário o auxílio da Polícia Militar, porque não sabíamos qual era a situação do suspeito, se estava armado ou se era perigoso ou não. No caso dele, foi ouvido pelo Delegado e agora a Polícia Civil vai analisar as circunstancias para saber se ele vai ficar detido ou ser liberado com ou sem fiança” ressaltou.

Após deixar a Delegacia o Prefeito Marcílio Cavalcante conversou com a Reportagem da Grande Rio FM e explicou sua presença na unidade policial. “Fui convidado pelo Promotor, para explicar um abordagem de um eleitor. Ele me pediu para pagar um caldo , mas eu neguei, ai o Promotor me convidou para vir aqui, aceitei prontamente, expliquei os fatos e agora vou voltar para acompanhar o processo eleitoral na cidade” disse.