asdasdasdasd

Petrolina elege três deputados estaduais e dois federais

por Gabriela Canário 7 de Outubro de 2018 às 22:20
categoria: Eleições 2018

Cinco deputados petrolinenses foram agraciados nas Eleições 2018. Antônio Coelho (DEM), Dulcicleide Amorim (PT) e Lucas Ramos (PSB) conseguiram o total de votos necessário pelas legendas e garantiram as posições na Assembleia Legislativa de Pernambuco. Os deputados Gonzaga Patriota (PSB) e Fernando Filho (DEM) garantiram a reeleição para a Câmara Federal. A cidade possuia 17 candidatos à Alepe, 11 ao Congresso Nacional e um ao Governo do Estado. O Deputado Adalberti Cavalcanti não foi reeleito como Deputado federal, obtendo apenas 37.296 votos. Odacy Amorim (PT), que é atual Deputado estadual, não conseguiu uma vaga na Câmara Federal. 

Lucas Ramos

Filho do ex-deputado estadual por três mandatos e atual Conselheiro do Tribunal de Contas de Pernambuco, Ranilson Ramos, o deputado estadual Lucas Ramos (PSB) fez campanha em cerca de 30 cidades do estado buscando a reeleição. Em entrevista ao Nossa Voz, ele enfatizou que fez a escolha pela vida pública naquele momento porque acreditava que era um período de renovação. Entre as principais bandeiras defendidas pelo parlamentar, destacam-se as propostas nas áreas de educação, acesso à água e agricultura, com foco na interiorização do desenvolvimento.

Ducicleide Amorim

A eleita Ducicleide é esposa do atual Deputado Estadual e candidato não-eleito à Câmara Federal, Odacy Amorim (PT). Sabatinada na Rodada de Entrevistas promovida pelo Jornalismo da Grande Rio FM, ela afirmou que apoiava a reeleição de Paulo Câmara ao Governo do Estado e reconheceu adjetivos do gestor. “Porque não [apoiar]? Ele foi uma pessoa comprometida em deixar o estado em situação confortável. A crise foi no Brasil então em Pernambuco”, explicou. Paulo Câmara foi reeleito com mais de 50% dos votos válidos.

Antônio Coelho

Eleito pelo Democratas, Antônio Coelho, é filho do atual senador da República Fernando Bezerra Coelho (MDB) e irmão do Prefeito de Petrolina, Miguel Coelho, e do Deputado Federal, Fernando Filho, ele tem 22 anos e possui dupla graduação em Economia e Ciências Políticas pela Universidade de Nova York (NYU), nos Estados Unidos. Em entrevista ao Nossa Voz, ao discorrer sobre as propostas dele, o candidato afirmou que pretende dar continuidade ao legado da 'velha guarda' da sua família em prol dos pernambucanos.

Gonzaga Patriota

Atuando há 36 anos como parlamentar, Gonzaga Patriota (PSB) apresentou mais de 150 projetos de Leis, entretanto destaca dois os quais estão em tramitação e ele considera de extrema importância para o momento: a criação da Zona Franca do Semiárido Nordestino (PEC 19/11); e o Projeto de Lei n° 6.569/13 compensando o suprimento hídrico do Velho Chico. O primeiro, prevê que a zona, na cidade de Salgueiro-PE, terá características de área de livre comércio, para exportação e importação, com incentivos fiscais pelo prazo de 30 anos. A outra proposta, deve melhorar o volume de água no Lago do Sobradinho, aumentando a disponibilidade aquática no semiárido, gerando energia a partir da queda d’água na divisa de Tocantins com a Bahia. De acordo com a proposta de Patriota, a captação será feita diretamente do Rio Tocantins, depois pelo Rio do Sono, terá transposição pela Lagoa Três Rios(TO), destinando-se ao Rio São Francisco pelo Rio Sapão (BA) e, depois, pelo Rio Preto.

Fernando Filho

Filho do atual senador da República, Fernando Bezerra Coelho (MDB); do deputado eleito, Antônio Coelho (DEM); e do atual prefeito de Petrolina, Miguel Coelho; Fernando Filho foi Ministro de Minas e Energia no Governo do atual presidente, Michel Temer (MDB). Como Deputado Federal, Fernando Filho votou a favor da chamada “PEC do congelamento”, a PEC 241 (proposta de emenda a constituição), que impõe limite ao gasto público. Segundo o político, a medida não vai desdobrar-se em resultados negativos e que esta é uma forma de “disciplinar [os gastos] do Governo”. Como Deputado Federal, Fernando Filho votou a favor da chamada “PEC do congelamento”, a PEC 241 (proposta de emenda a constituição), que impõe limite ao gasto público. Segundo o político, a medida não vai desdobrar-se em resultados negativos e que esta é uma forma de “disciplinar [os gastos] do Governo”.