Marcelinho Carioca se emociona ao detalhar pânico durante sequestro: “A todo momento aquele apavoro”

0
131

Reprodução/TV Globo

Ex-jogador e um dos maiores ídolos do Corinthians conversou com o Fantástico sobre as 36 horas em que ficou preso dentro de um quarto recebendo ameaças


O ex-jogador de futbol Marcelinho Carioca conversou com o Fantástico sobre os momentos de pânico vividos por ele e uma amiga durante um sequestro na Grande São Paulo. Ao todo, o ídolo do Corinthians ficou 36 horas preso dentro de um quarto recebendo ameaças.

O Fantástico também teve acesso com exclusividade às imagens que mostram o momento em que o ex-jogador foi resgatado do cativeiro (veja no vídeo abaixo).Compartilhar vídeoPonto do vídeo, 0 minuto e 0 segundo.

Fantástico mostra, com exclusividade, o resgate de Marcelinho Carioca.

O que aconteceu?

No sábado passado, dia 16 de dezembro, Marcelinho tinha um compromisso: o show do cantor Thiaguinho. O evento foi no estádio do Corinthians, em Itaquera, na Zona Leste de São Paulo.

Durante a volta para casa, uma parada: Itaquaquecetuba. Marcelinho foi deixar ingressos para a amiga Taís Alcântara ir ao mesmo show, no domingo.

Os dois se conheceram quando ele era secretário de Esportes da cidade.

Marcelinho Carioca se emociona durante entrevista ao Fantástico — Foto: Reprodução

Marcelinho Carioca se emociona durante entrevista ao Fantástico — Foto: Reprodução

Era madrugada, e o carro importado chamou a atenção.

– Passaram quatro pessoas, cinco pessoas. Quando voltei para ver, fui encapuzado, e o cara já veio apontando (a arma). E eu, desesperado. Eu disse: “Não, por favor, eu sou o Marcelinho Carioca” – contou.

Marcelinho Carioca coletiva sequestro — Foto: Reprodução/TV Globo

Marcelinho Carioca coletiva sequestro — Foto: Reprodução/TV Globo

De acordo com o ex-jogador, a amiga, Taís, estava no banco de trás do carro.

– Me deram uma coronhada – relatou Marcelinho Carioca, lembrando que os criminosos estavam “nervosos”.

Ainda segundo o ídolo do Corinthians, a quadrilha pediu cartões e senhas, além do desbloqueio do telefone e do acesso ao PIX. Foi, então, que levaram o ex-jogador e a amiga para um cativeiro.

– A todo momento aquele apavoro. “A gente quer dinheiro. Impossível não ter dinheiro nessa conta. Jogador tem grana” – lembrou Marcelinho.

O ex-atleta também relembra as intimidações com arma:

– “Já brincou de roleta-russa?” E girava. Você ouvia girando, não via nada. Aí colocaram uma arma por baixo da toalha. Ninguém se falava. Não trocava ideia, com medo – relatou Marcelinho.

Os bandidos conseguiram fazer alguns saques nas contas de Marcelinho.

O resgate

O carro importado que motivou o sequestro também foi chamariz para a polícia.

Pouco antes das 9h da manhã de segunda-feira (18), após mais de 24 horas em cativeiro, o cabo Charles, da Polícia Militar, encontrou o carro e mandou uma mensagem para o telefone que constava na documentação. Do outro lado, o advogado de Marcelinho, Eduardo Pinheiro Rodriguez.

Marcelinho Carioca grava vídeo em cativeiro — Foto: Reprodução

Marcelinho Carioca grava vídeo em cativeiro — Foto: Reprodução

– No primeiro momento, eu mandei uma mensagem para o Marcelo. Ele não respondeu. Eu liguei na sequência para o Marcelo, e esperei alguns minutos. Ele acabou retornando por mensagem. O Marcelo sempre me trata como ‘doutor’, e ele falou: ‘Irmão, estou em uma reunião’. Ali eu já tinha desconfiado 100% que não era ele – disse o advogado do ex-jogador.

O Fantástico teve acesso com exclusividade às imagens do resgate de Marcelinho e Taís (veja no vídeo acima).

– A gente começou a escutar o helicóptero (da polícia). Aí alguém já chegou e falou: ‘A casa caiu’. Veio um policial sozinho. Ele chegou no portão e falou: ‘Eu vou entrar. Abre'”. Eu não sabia o que estava vindo. O que ia vir. Eu falei: vão atirar na gente, vão matar a gente. Eu abaixei a cabeça: Senhor, não deixa, não deixa – falou o ex-jogador.

– Ele (o cabo Ribeiro, da PM) falou: ‘Vem. Vem que você está livre’. Eu abracei ele como meu pai, meu irmão, meu amigo. Porque ele arriscou a vida dele – disse, emocionado.

A amiga, Taís, também relembra a cena:

– Quando o policial chegou, eu estava em choque de ver que aquilo estava realmente acontecendo, porque não são todos que conseguem sair vivos de uma situação dessa.

Agora, Marcelinho Carioca vai se dedicar às comemorações que tem pela frente. Natal, Ano Novo e aniversário de 52 anos, exatamente no Réveillon.

Quatro pessoas foram presas.

Segundo a polícia, Thauanatta dos Santos tomava conta das vítimas no cativeiro. Eliane de Amorim, Wadson Fernandes Santos e Jones Ferreira teriam usado contas bancárias para receber o dinheiro da extorsão. Os quatro estão presos, e a polícia ainda busca outros seis integrantes da quadrilha.

Outro lado

O advogado de Jones Ferreira reconhece que ele conseguia as contas bancárias para a movimentação do dinheiro.

– Ele, de fato, entende ali que havia uma origem ilícita, mas que era um estelionato – disse o advogado Anderson Caio.

Ele também representa Eliane.

– A Eliane é amiga de Jones. Ela simplesmente emprestou a conta para ele sacar os valores. Eles não participaram do sequestro – continuou.

O Fantástico não conseguiu contato com a defesa dos outros presos. Em depoimento, Wadson admite que emprestou a conta, mas diz que não sabia que era dinheiro de sequestro.

Já Thauannata disse que não estava no cativeiro e que não teve participação no crime.

O grupo é investigado por sequestro, associação criminosa e receptação.

(GE)