asdasdasdasd

Vereadora cobra políticas públicas para mulheres e critica assédio de cargos de confiança a manifestantes

por Adriana Rodrigues 15 de Maio de 2018 às 11:30
categoria: Polêmica

Durante a sessão, desta terça-feira (15), no plenário da Câmara Municipal, a vereadora Maria Elena (PRTB), cobrou o Poder Público, políticas voltadas para as mulheres, principalmente, para o enfrentamento da violência. Elena afirmou que o número de casos de violência contra a mulher cresce a cada dia, e que essa violência já ultrapassou classe social e nível econômico. "Essa onda de desconstrução das políticas avançadas no Brasil não pode afetar Pernambuco e não pode afetar Petrolina. Os prefeitos que por aqui passaram antes de Fernando Bezerra Coelho, criaram Secretaria da Mulher, Conselho da Mulher e hoje está adormecido. Essa discussão dos direitos da mulher, agora no governo Temer achando que é coisa esquecida, mas nós não vamos esquecer não. Precisamos fazer esse enfrentamento, doa em quem doer. Se as ouvidas que estamos fazendo realmente procederem, nós vamos tornar público aquilo que hoje está motivando os movimentos de mulheres. Precisamos alertar e voltar a discutir, fazer com que o prefeito Miguel Coelho através dos seus assessores não deixem adormecer esse assunto, pelo contrário, passem a dar a atenção devida sob pena de estarem prejudicando uma gestão que tem tudo para ser de sucesso e ela não pode jamais fraquejar".

Maria Elena conclui sua fala, fazendo referência ao IMIP que tem sido alvo de muitas polêmicas, pela morosidade do atendimento às mulheres. Ela foi enfática ao criticar cargos de confiança que segundo ela, tem negligenciado e assediado essas manifestações. "Com nossa mobilização o IMIP vai pensar duas vezes em colocar as nossas mães a passarem mais de 24h sem atendimento. Eu quero dizer e chamar atenção para uma coisa que nós estamos apenas alertando mas que daqui a quinze dias pode ser materializada; denúncias contra canalhas, imorais que estão aí nos bastidores achando que um cargo de confiança ou de outras pessoas vão calar diante de seus assédios".