Travessia: Núbia vai expor mentira de Ari na frente de Guerra; entenda o porquê

0
227

A maranhense comentará que não recebeu as ações prometidas pelo filho, sem saber que a história não passou de invenção para enganar Chiara


Em TravessiaAri (Chay Suede) inventou para Chiara (Jade Picon) que estava passando umas ações para Núbia (Drica Moraes), quando a namorada o flagrou fazendo uma operação financeira – na verdade, ele estava era roubando a moça. Crédula, a filha de Guerra (Humberto Martins) contará a novidade para a sogra, que, como não recebeu, irá tirar a limpo a história com o filho na frente do empresário.

Núbia vai expor mentir do filho, em Travessia — Foto: TV Globo

Núbia vai expor mentir do filho, em Travessia — Foto: TV Globo

“Ari, que transferência de ação foi essa que Chiara disse que tu passaste para mim? Acabei de falar com o contador lá de Mandacaru… chegou nada para mim lá, não!”, informará Núbia.

Guerra estranhará a conversa de imediato e perguntará de que ações se tratam. Cínico, o genro dirá que as comprou na época em que era estudante.

“Uma bobagem! Juntei um dinheirinho quando ainda estudava em São Luís e fiz uma aplicação. Coisa pequena… nem me lembrava mais que tinha feito”, mentirá Ari.

Ari convencerá Guerra

Núbia, então, reclamará de o filho nunca ter comentado nada sobre as ações. E ele seguirá mentindo… “Era surpresa que eu ia fazer para a senhora”, justificará. Ainda assim, Guerra vai questionar o fato de a maranhense não ter recebido o valor transferido.

Ari enganará Guerra mais uma vez, em Travessia — Foto: Globo/Manoella Mello e Fábio Rocha

Ari enganará Guerra mais uma vez, em Travessia — Foto: Globo/Manoella Mello e Fábio Rocha

A mãe do golpista ficará toda animada com a possibilidade de receber o investimento, mas ele logo dirá que “é coisa pouca”. E Guerra, então, não só acreditará na versão mentirosa do genro como oferecerá o contador da empresa para cuidar da transferência. “Amanhã eu mesmo falo com ele”, prometerá o empresário.

Veja a trajetória de Ari: de ativista cultural a CEO golpista