asdasdasdasd

Bolsonaro chama de 'analfabeto' quem critica seu plano de governo

por Gabriela Canário 17 de Agosto de 2018 às 13:53

O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, disse nesta sexta-feira (17), ao ser questionado sobre as críticas ao seu plano de governo, que quem critica é “analfabeto” e não sabe interpretar. O presidenciável não se referiu a ninguém em específico.

Bolsonaro deu a declaração na chegada à cerimônia de formatura de sargentos da Polícia Militar de São Paulo, no Anhembi, zona norte da capital paulista. Esse é o primeiro evento a que ele comparece após o início do período de campanha eleitoral nas ruas, na quinta-feira (16).

“Eu não posso responder a esse analfabeto que falou isso. Se o cara não sabe interpretar, eu não posso fazer nada”, afirmou.

Segundo o candidato, “as pessoas que realmente estão preocupadas com a política e o futuro do Brasil gostaram do plano”.

Ele disse ainda que o plano é uma “diretriz”, uma “intenção”. “O plano é uma diretriz, é uma intenção. Vocês nunca cobraram plano de ninguém, de quem se elegeu. Nunca deram atenção a isso. Eu botei claramente o que nós pretendemos fazer. Mostramos um norte ali”, disse.

Pose e foto

Bolsonaro acompanhou a solenidade no palanque ao lado de outras autoridades, entre elas o governador de São Paulo, Márcio França (PSB).

Durante o evento, Bolsonaro e os demais políticos desceram do local para cumprimentar os PMs formandos e houve um alvoroço.

Formandos e parentes deles se aproximaram para tietá-lo e fazer fotos. Sorridente, o candidato fazia pose, ora de braços cruzados ora imitando o gesto de uma arma com as mãos, inclusive ao lado de crianças fardadas. Para conseguir retornar ao palanque, ele precisou ser escoltado. Bolsonaro foi o único candidato a presidente que solicitou escolta da Polícia Federal.

Governo de SP

Em discurso dirigido aos formandos, Márcio França, que disputa a reeleição ao governo, disse que a profissão de policial militar "exige diálogo", mas também "pulso firme".

"Tenho dito que a farda é uma extensão da bandeira de São Paulo, tem que ser respeitada. Mas, para isso, é preciso que exerçam a função como fizeram até agora: com disciplina, ordem e respeito. A tarefa que vocês vão exercer agora exige diálogo e generosidade, mas também pulso firme", afirmou.


Em Petrolina, Antonio Coelho inicia campanha com Armando em defesa de mais investimentos para o interior

por Gabriela Canário 16 de Agosto de 2018 às 16:51

O primeiro ato oficial da campanha eleitoral do candidato a governador Armando Monteiro ocorreu, na manhã desta quinta (16), em Petrolina, capital da fruticultura irrigada. O senador foi acompanhado pelo candidato a deputado estadual Antonio Coelho num encontro com produtores de frutas na zona rural. Na ocasião, Armando e Antonio  defenderam mais investimentos para a infraestrutura, abastecimento de água e desenvolvimento econômico do Sertão.



O candidato ao Governo do Estado se comprometeu a ajudar as lideranças políticas sertanejas a recuperarem a região, que sofre com a carência de investimentos em vários setores estratégicos. “O Governo do Estado, hoje, anda devagar, não entrega, não trabalha. Precisamos colocar Pernambuco no mesmo ritmo do povo que trabalha e decidimos começar essa caminhada aqui em Petrolina para dizer que temos muita vontade de fazer por aqueles que mais precisam. E tenho certeza que Antonio Coelho, que tanto amor tem por essa terra, poderá se juntar a esse time para trabalhar mais por Pernambuco”, destacou Armando.  



Antonio Coelho reforçou as críticas sobre a falta de investimentos e defendeu a presença maior do Governo do Estado para elevar os indicadores econômicos e sociais nos municípios do Sertão. “Hoje temos força em Brasília, na Câmara de Deputados e no Senado, mas o Governo do Estado abandonou nossa região. Tenho certeza que se Petrolina e o Sertão tiverem pessoas comprometidas como Armando, no Recife, teremos ainda mais orgulho de nossa região”, garantiu Antonio.



A agenda foi acompanhada em Petrolina também pelo prefeito Miguel Coelho, o senador Fernando Bezerra e os candidatos ao Senado, Mendonça Filho e Bruno Araújo. Após a visita aos produtores, a comitiva seguiu viagem para Caruaru, onde os candidatos cumprem agenda de campanha.


Do mesmo partido, Gilmar Santos acusa Odacy Amorim de dívida de 15 milhões e deputado rebate: 'não dialoga muito comigo'

por Gabriela Canário 16 de Agosto de 2018 às 08:55

O Projeto de Lei de nº 051/2018 que convalida o parcelamento de dívida contraída com a Companhia Pernambucana de Saneamento, de autoria do executivo, também foi motivo de discussão, na sessão da última terça-feira, dia 14. Quem surpreendeu a todos com suas declarações foi Gilmar santos, quando destacou que a dívida foi contraída na época de gestão de um companheiro de partido.

“Em 2007, o então prefeito Odacy Amorim, contraiu quase 15 milhões, junto à Compesa, de dívidas. O detalhe é que ela vem sendo paga, quase cinco milhões, tem 10 milhões pendentes, e nós não temos água tratada. Quem é que culpa diante desse possível crime?”, questionou. De acordo com o Deputado Estadual, em entrevista ao Nossa Voz, ele assumiu a gestão, haviam “cinco parcelas acumuladas”, mas que não se trata de dívidas em Caixa Econômica e sim pelo Governo do Estado e que negociou a dívida.

“Eu acho que o vereador precisam se explicar melhor sobre isso. Gilmar não diáloga muito comigo dentro do partido, mas como vereador ele precisa saber mais sobre o assunto. Eu paguei uma boa parte da dívida em dois anos. Eu passei a pagar mais de 200 mil por mês, não deixei nenhum mês atrasado”, finalizou.


Mais de mil servidores municipais serão beneficiados com Projeto que muda nomenclatura das categorias

por Gabriela Canário 16 de Agosto de 2018 às 08:32

O Projeto de lei nº 053/2018 que cria os cargos de Assistente Técnico Administrativo, Auxiliar Técnico Administrativo, Assistente Operacional 1, de autoria do Poder Executivo, que era pra ter entrado em pauta na sessão passada, foi discutida na última terça-feira (14), na Câmara de vereadores.

O relator da Comissão de Justiça e redação, Ronaldo Silva (PSDB), estava viajando, na sessão passada e não pôde assinar o projeto. Os Servidores Municipais, que foram assistir a votação comemoraram a aprovação do projeto, pelos 22 vereadores. Mais de 1.200 servidores serão beneficiados com a matéria que agora segue para sanção municipal.

Rose Soares, presidente da Associação dos Técnicos em Administração, emocionada falou da conquista. Ela ressalta que é um momento histórico para todas essas categorias. “Isso é uma valorização para qualquer servidor. Só pelo nome (Serviços Gerais) muitas pessoas olhavam para a gente distorcido. Nós temos competência para estar onde estamos. Eu estou muito emocionada. As pessoas ficavam me rotulando, mas eu nunca perdi a esperança”, explicou.


Cabrobó : Secretario é exonerado e reempossado em menos de 48 horas

por Mário Souza 2 de Agosto de 2018 às 15:50

Foto / Didi Galvão

A eleição da mesa diretora da Câmara de Vereadores de Cabrobó ainda repercute nos bastidores da politica local. Nem os mais hábeis estrategistas poderiam prever as engenharias articuladas pelo gestor no município Marcílio Cavalcante (PMDB), para garantir a vitória do seu candidato a Presidência da Casa Legislativa.

Menos de 48 horas depois de exonerar o Secretário de Ação Social Paulo Gonçalves (PT) e empossar a servidora pública Acivera Angelim no cargo, o que indicou que alguns parlamentares da oposição teriam espaço no governo. Eis que Cavalcante reverte o processo e traz Gonçalves de volta ao cargo na manhã desta quarta-feira (02).

A reviravolta que foi confirmada na manhã seguinte após a Eleição da Câmara , deixou uma interrogação na mente daqueles que acompanham a politica. Como ficam os virtuais compromissos assumidos pelo gestor com os parlamentares que apoiaram Dim Saraiva ? Ou será que o grupo composto pelos vereadores Nílson Gonçalves (SD), Tony Rocha (SD) e Karla Amando (PRP) que chegaram a ser contatos como possíveis eleitores do Presidente Ramsés Sobreira (PSB), mas acabaram apoiando Dim Saraiva ? Esse espaço seria em outra pasta ? Respostas que só o Prefeito Marcílio Cavalcante pode dar.


PT retira candidatura em Pernambuco em busca da neutralidade do PSB

por Gabriela Canário 2 de Agosto de 2018 às 08:52

A vereadora de Recife Marília Arraes prometeu discutir até as "últimas instâncias" a decisão da executiva nacional do PT de retirar a sua candidatura ao governo de Pernambuco. Um grupo de oitos dirigentes nacionais da legenda que votou contra a aprovação do acordo apresentou recurso para que o diretório nacional reverta a decisão.

— É uma candidatura da base do PT, que hoje tem o apoio massivo da sociedade de Pernambuco. Não é assim. Marília Arraes não tem o direto de recuar e colocar a esperança das pessoas em uma mesa como moeda de troca a preço de banana. Por considerarmos que não depende só da vontade de uma pessoa, optamos por apoiar o recurso dos companheiros e essa questão vai ser discutida até as últimas instâncias — afirmou a pré-candidata.

Marília destacou que "para tirar o PT do isolamento" no plano nacional havia aceitado desistir da disputa se houvesse um apoio formal à candidatura do ex-presidente Lula. Mas, na sua opinião, em troca da neutralidade do PSB não há sentido em deixar de disputar a eleição.

— Nós discordamos dessa tática.

A vereadora disse que está mantido para esta quinta-feira o encontro sobre tática eleitoral em que delegados do PT no estado vão decidir pela candidatura própria ou pela aliança com o governador Paulo Câmara (PSB).

Marília afirmou ainda não acreditar que Lula tenha referendado a retirada de sua candidatura. Ela lembrou que o PSB, com participação de Câmara, apoiou o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

— Os sinais do presidente Lula (em favor da candidatura do PT em Pernambuco) foram claros. Temos as condições políticas de fazer a defesa de Lula. Paulo Câmara, que articilou para ser liberado para votar pelo impeachment e votou em Aécio Neves (PSDB), não tem as condições política de fazer a defesa do presidente Lula.

Mais cedo, quando surgiram as primeiras informações sobre o acordo, mas ainda não havia uma posição oficial da executiva nacional, Marília disse ser vítima de um "ataque especulativo" contra a sua candidatura.

executiva nacional do PT aprovou nesta quarta-feira por 17 votos a 8 resolução para apoiar os candidatos do PSB em Pernambuco, Amazonas, Amapá e Paraíba.

No recurso apresentado, os oito diregentes de correntes de esquerda que votaram contra a resolução alegam que a "candidatura de Marília Arraes encontra-se empatada com os demais concorrentes e, pelas pesquisas, pode ser vitoriosa no primeiro e no segundo turno".

Dizem ainda que o "resultado concreto das negociações com o PSB resultaram no não apoio formal nacional e, portanto, não está dentro do que pode ser considerado dentro dos interesses partidários para vencer as eleições 2018". 



— Os delegados e delegadas aos encontros têm soberania para decidir. A executiva nao pode e nao deve intervir previamente — afirmou o secretário de comunicação do PT Carlos Árabe, um dos que votaram contra a resolução.

O ex-governador Tarso Genro também criticou a retirada de Marília. "Peço a Deus e às forças do além, que eu não esteja entendendo bem que foi feito um acordo PT-PSB, que descarta a candidatura da Marília Arraes ao Governo de Pernambuco, o grande quadro renovador da esquerda do nordeste", escreveu no Twitter.

O Globo 


Atual ministro, Edson Duarte descarta continuidade na política: 'nessa encarnação, não'

por Gabriela Canário 31 de Julho de 2018 às 09:29

Atual Ministro do Meio Ambiente no Governo de Michel Temer (MDB), o juazeirense e Deputado Federal pelo Partido Verde, Edson Duarte, descarta qualquer possibilidade de dar continuidade aos trabalhos na vida política. Vereador por Juazeiro, Deputado Estadual por dois mandatos e Federal também por dois mandatos, ele já passou ainda pela Secretaria institucional e Executiva do Ministério do Meio Ambiente, antes de assumir o comando da pasta.

“Nessa encarnação, não. Eu acho que tudo é cíclico e política não é profissão eterna. Eu dei minha contribuição como cidadão e é preciso renovar como as folhas de uma planta, que ela vai e chega no topo como eu cheguei. Aí ela cai e volta para a terra para continuar contribuindo com a vida”, enfatizou Edson Duarte sobre a possibilidade de tentar a reeleição.

Para o ministro, a renovação da política é fundamental para mantê-la viva e próxima da sociedade. “O problema é que a política se distanciou muito do pensamento e do comportamento da sociedade. Criou-se um vácuo por conta da renovação. Renovação de pensamento, nós precisamos mudar. Eu não sou candidato, estou saindo da política. Não fui indicação partidária e estou feliz por ocupar o posto mais alto para a área ambiental no Brasil”, finalizou.


Novo Presidente do PRP em Petrolina, Gaturiano Cigano desconversa sobre apoio a Armando Monteiro

por Gabriela Canário 27 de Julho de 2018 às 10:51

Depois de assumir a presidência do Partido republicano Progressista, em Petrolina, o vereador Gaturiano Cigano enfrenta, agora, o primeiro desafio relacionado às eleições 2018. Na semana passada, ele esteve na capital pernambucana, Recife, onde conversou com o presidente estadual do PRP, Ernesto de Paula, sobre quem o partido apoiará ao Governo do Estado.

Até ai tudo bem, se não fosse por um único detalhe: naturalmente, o PRP apoia o pré-candidato Armando Monteiro (PTB), cujo o vereador não tem muita simpatia, mesmo sem o conhecer pessoalmente. “Está para fechar certamente como pré-candidato Armando Monteiro e eu disse que jamais poderia deixar de apoiar aos candidatos aqui da minha região como Fernando Filho e Antônio Coelho e ele disse que aqui eu poderia ficar tranquilo”, desviou-se.

Entretanto, questionado se ele seguirá a trajetória do partido e apoiar Armando Monteiro, o vereador assumiu a admiração política que tem pela neta de Miguel Arraes, Marília, que também é pré-candidata ao Governo do Estado pelo Partido dos Trabalhadores. “Aparentemente, não tenho carisma com Armando Monteiro. Tenho carinho por Marília Arraes. Já meu voto não será dito. Voto é secreto”, finalizou Gaturiano.


Após rusgas, Armando Monteiro e Bruno Araújo desconsideram racha no grupo: 'episódios superados'

por Gabriela Canário 24 de Julho de 2018 às 15:49

Com os rumores da saída do PSDB da base do Senador Armando Monteiro (PTB), que encabeça a Chapa das Oposições em Pernambuco, o político encontrou-se com o Deputado Bruno Araújo na manhã desta terça-feira e dois decidiram por não concretizar o racha dentro do grupo. Em nota, Armando afirmou que “agora, quando nos encaminhamos para a conclusão do processo de composição de nossa chapa, não serão episódicas e pontuais divergências que nos afastarão dos objetivos maiores que inspiraram este movimento”.

O pré-candidato aprimora o discurso e enfatiza apoio ao presidenciável Geraldo Alckimin (PSDB), diferente da semana passado, quando afirmou e até mesmo realizou uma vista ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). “O nosso palanque, tendo em vista o apoio majoritário que recebe dos partidos dessa frente, estará sempre aberto para que o candidato Geraldo Alckmin possa trazer aos pernambucanos as suas propostas, neste momento tão importante e desafiador para o nosso País”.

Por fim, ele confirma que manterá o projeto junto ao PSDB. “Reafirmo finalmente a minha firme disposição de manter a unidade e a coesão da nossa frente política, através da plena integração de todas as nossas lideranças, condição essencial para o êxito desse projeto que, estou seguro, conduzirá Pernambuco a importantes conquistas no futuro”, concluiu.

Também em nota, o Deputado Bruno Araújo garantiu que considera “os episódios recentes superados”, limitou-se.


Betinho Gomes diz que grupo avalia afastamento do PSDB com Armando Monteiro após petebista declarar apoio a Lula

por Gabriela Canário 24 de Julho de 2018 às 10:39

Com os rumores da saída do PSDB da base do Senador Armando Monteiro (PTB), que encabeça a Chapa das Oposições em Pernambuco, o Nossa Voz conversou com o secretário-geral do partido no estado, o Deputado Betinho Gomes, que não confirmou a concretização do racha. “Nós não tivemos ainda uma posição definitivo de afastamento dessa aliança. Estamos avaliando. Mas não podemos confirmar que há um rompimento”, limitou-se.

No estado, o grupo avalia o rompimento depois que Armando Monteiro declarou apoio ao presidenciável do PT, Luis Inácio Lula da Silva. “Causa desconforto. O ex-presidente não será candidato a presidente da República. Lula não será candidato. Isso é inconveniente e não nos ajuda em nada”, explicou Betinho Gomes. O PSDB apoia a candidatura própria tendo como representante Geraldo Alckimin.

Como o deputado federal e presidente estadual do PSDB, Bruno Araújo, retirou o próprio nome de uma possível candidatura ao Senado, pode-se provocar uma aproximação de Armando Monteiro com Alckmin. Armando Monteiro afirmou que apoiaria, mas caso o ex-presidente não fosse o candidato apoiaria, no caso, Geraldo Alckmin.