asdasdasdasd

Vice-pres. do Simepe alerta sobre risco de paralisação dos médicos em Ouricuri

por Redação Nossa Voz 14 de Fevereiro de 2019 às 15:41
categoria: Saúde

Há alguns meses os médicos que atendem no Hospital Regional Fernando Bezerra em Ouricuri-PE reclamam de salários atrasados. De acordo com profissionais, a Santa Casa de Misericórdia do Recife não estaria repassando os valores para hospital. Por outro lado, segundo a Santa Casa, é o que o governo do estado que está devendo três meses de repasse e a categoria já sinalizou que pode acontecer uma demissão em massa. 

Em entrevista ao programa Nossa Voz desta quinta-feira (14), a vice-presidente do Sindicato dos Médicos de Pernambuco, Cláudia Beatriz informou que o Simepe já tem conhecimento da situação e já está tomando providências. De acordo com a médica, o atrasado dos salários não é um problema generalizado. "Lá temos médicos concursados que não estão com salários atrasados, e os médicos pessoas jurídicas, e são essas empresas que estão sem receber os repasses. Em 2016 solicitamos o vínculo desses médicos com o hospital, mas o governo do estado não aceitou", explicou a representante Simepe.

Ainda de acordo com a médica Cláudia Beatriz, o Simepe já encaminhou uma orientação não-judicial ao hospital e à Secretaria de Saúde do estado. "Nossa preocupação é que isso pode descambar em paralisação. Existe uma possibilidade real disso", finalizou a vice-presidente do Simepe.


Telemedicina: Tecnologia pode colaborar, mas não substituir a relação médica, diz vice-pres. do Simepe

por Redação Nossa Voz 14 de Fevereiro de 2019 às 14:24
categoria: Saúde

O Sindicato dos Médicos de Pernambuco entrou com um pedido de liminar com o objetivo de suspender os efeitos da resolução 2227 do Conselho Federal de Medicina (CFM). O documento, publicado no Diário Oficial da União do dia 6 de fevereiro, trata do uso da Telemedicina como forma de prestação de serviços médicos.

Em entrevista ao programa Nossa Voz de hoje (14), a vice-presidente do Sindicato, Cláudia Beatriz,  disse que para o Simepe, o exame presencial do paciente é fundamental e insubstituível. "A gente não pode levar a medicina para um campo onde só se veja a doença. (...) A gente sabe da importância da relação médico peciente. Tanto que em casos tratamento de câncer, por exemplo, O vínculo afetivo é tão grande que os resultados medicamentosos crescem", justificou a médica.  

A vice-presidente do sindicato reconheceu que os avanços tecnológicos são válidos e podem ajudar a medicina, mas com cautela. "A tecnologia pode colaborar, mas não ser um modelo que possa substituir a relação médica", declarou Cláudia Beatriz.

Alguns problemas do uso da telemedicina apontados pelo Simepe são: o aumento na incidência de erros de diagnóstico e tratamento, além das dificuldades de levar o serviço até áreas onde o serviço de internet é precário. "Não entendemos como a telemedina vai atuar em locais onde falta internet. (...) O que nós defendemos é que levem os médicos para as áreas mais distantes", explicou Cláudia Beatriz, acrescentando que esse modelo vai apenas beneficiar as operadoras de planos de saúde a reduzir custos.

A resolução garante que o atendimento só pode ser feito em pacientes que autorizem formalmente o serviço, mas o Simepe quer impedir que essa prática entre em atuação no Brasil. "Nós saímos na frente e formos os primeiros a entrar com uma ação. Pedimos uma revogação e uma liminar pra não entrar em prática. Além de Pernambuco, o Ceará também acinou a justiça pra impedir a prática e outros estados também estão se articulando", contou a vice-presidente do sindicato.

Na avaliação da médica, não há ganhos com essa prática. "Não consigo ver esses ganhos. A medicina é uma ciência humana. Nos Estados Unidos (onde existe a telemedicina) eles já estão buscando o resgate da relação médico-paciente e o Brasil está na contra mão", afirmou. Se a justiça não intervir, a prática de Telemedicina deve passar a funcionar a partir do mês de maio em todo o país.

Foto: Milena Pacheco


Liminar assegura atendimento dos pacientes da Rede PE/BA no Hospital SOTE de Juazeiro

por Redação Nossa Voz 8 de Fevereiro de 2019 às 19:00
categoria: Saúde

O Ministério Público Federal (MPF) em Petrolina/Juazeiro conseguiu uma liminar que determina ao Estado da Bahia mantenha o credenciamento do Hospital de Serviço de Ortopedia e Traumatologia Especializada (SOTE), de Juazeiro-BA, à Rede Interestadual de Saúde do Vale do Médio São Francisco Pernambuco-Bahia (Rede PE/BA). Com a desição, até 15 pacientes do Hospital Universitário (HU) de Petrolina-PE podem ser transferidos para o SOTE. 

A Justiça Federal acatou os argumentos do MPF e entendeu que a descontinuidade do credenciamento deveria ter sido discutida na Comissão de co-gestão da Rede PEBA, integrada por representantes dos 55 municípios do Vale do Médio São Francisco, e não realizada de forma unilateral. Segundo o MPF, ao adotar essa medida a Sesab desobedeceu o que prevê a Lei 8.080/90, que trata da organização dos serviços de saúde, e o regimento interno da própria Comissão de Cogestão da Rede PEBA.

Na ação, o MPF defendeu que o descredenciamento do SOTE causaria impacto significativo ao HU, que já enfrenta superlotação. O MPF também reforçou que tomou conhecimento do descredenciamento apenas informalmente, pois a decisão não foi submetida à Comissão de Cogestão da Rede PEBA.

Multa

A decisão liminar da Justiça Federal é válida até o julgamento final da ação ou deliberação da Comissão de Cogestão da Rede PEBA sobre outra forma de resolução da questão. Em caso de descumprimento, o Estado da Bahia estará sujeito ao pagamento de multa diária no valor de R$ 1 mil, bem como às sanções legais cabíveis.


"Cadê o dinheiro da Apami?", cobra Antônio Coelho do governo estadual

por Simone Marques 8 de Fevereiro de 2019 às 11:07
categoria: Saúde

Nesta semana o deputado estadual Antônio Coelho (DEM) usou a tribuna da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) para cobrar do governo mais atenção para a saúde do Vale do São Francisco. Entre as cobranças, destaque para os recursos da Apami que estão travados e para a situação preocupante do Hospital Dom Malan/IMIP de Petrolina.  

Questionando os índices de satisfação, o deputado alfinetou o governo Paulo Câmara e disse que era preciso perguntar aos pacientes do HDM/IMIP para medir essa satisfação. "Onde as mães passam dias esperando por um tratamento digno e que várias vezes acontece tragédia. (...) Na Apami, onde emendas parlamentares de quase R$6 milhões estão nos cofres da Secretaria (Estadual) de Saúde. Desde 2006, a Secretaria de Saúde não dignifica o exímio senhor Augusto Coelho nem sequer com uma resposta. Cadê o dinheiro da Apami? Porque o secretário não diz onde está esse dinheiro?, questionou o deputado.

E teve mais cobrança do democrata. "Cadê o Hospital de Mulher que o governador prometeu construir no seu primero mandato e que desafogaria o Hospital Dom Malan. Eu queria até convidar pra gente fazer esse debate em Petrolina pra ver se o governo vai ter os aplausos", finalizou o deputado. 

Foto: Reprodução TV Alepe  


Demanda do Hospital Sote de Juazeiro pode sobrecarregar HU de Petrolina

por Redação Nossa Voz 4 de Fevereiro de 2019 às 15:52
categoria: Saúde

Depois do anúncio de que o Sanatório de Juazeiro-BA não vai mais atender demanda espontânea de outros municípios, agora o Hospital Sote Juazeiro comunicou que não vai mais prestar serviços de atendimento das cirurgias ortopédicas encaminhadas pela Central de Regulação da Rede

PE/BA(Pernambuco/Bahia).

De acordo com a nota divulgada pelo hospital, o Governo do Estado da Bahia encerrou a relação de formalidade entre o Sote e a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia-SESAB. Mesmo sem atender novos pacientes, o hospital se comprometeu a fazer as revisões e as reabordagens à todos os pacientes que realizaram procedimentos cirúrgicos na Unidade. 

A grande preocupação agora é sobre a possbilidade do Hospital Universitário de Petrolina-PE ficar ainda mais sobrecarregado. Como a unidade é referência em traumatologia, a demanda do Sote da rede PE/BA deve ser absorvida pelo HU. Resta saber junto com os pacientes vai ter incremento de verbas para a unidade. 


Sanatório de Juazeiro deixa de atender demanda espontânea

por Redação Nossa Voz 1 de Fevereiro de 2019 às 08:20
categoria: Saúde

A Secretaria de Saúde de Juazeiro convovou uma reunião para esclarecer como vai ser o novo fluxo de atendimento a pacientes que necessitam dos serviços do Sanatório Nossa Senhora de Fátima. Agora o Sanatório passa a receber somente pacientes com indicação médica de internação, regulados através da Central de Regulação Interestadual de Leitos (CRIL). 

A partir de hoje (01), o equipamento não atenderá mais através de demanda espontânea. Os pacientes em crise psiquiátrica deverão ser encaminhados para os serviços de urgência do seu município. Após estabilização e avaliação médica, caso a internação não seja necessária, o paciente será encaminhado às demais unidades da rede de Atenção Psicossocial (RAPS), como CAPS, Unidade Básica ou Ambulatório de Psiquiatria na Policlínica Municipal.

De acordo com a diretora de Atenção Especializada, Ana Célia Almeida, o novo fluxo vem para potencializar o trabalho dos Centros de Atenção Psicossocial do município. “Nos últimos dois anos, a gente vem conseguindo valorizar os cuidados com a saúde mental dos usuários dos serviços dos três CAPSs, justamente para que não seja necessário o internamento no sanatório. Vamos continuar com o trabalho de estruturação da Rede Psicossocial de forma ainda melhor com a inauguração em breve da nova sede do CAPS AD III e com a construção em andamento do CAPS II”, explica.

A reunião contou com a presença da Secretária de Saúde de Juazeiro, Fabíola Ribeiro e equipe, além da Diretora de Atenção Especializada da Secretaria de Saúde de Petrolina, Ana Célia Almeida, acompanhada de representantes do SAMU, UPA 24 horas, Hopsital Universitário (HU), Hospital Dom Malan /IMIP e equipe de saúde mental de Petrolina. 

Foto: Reprodução internet


Pernambuco bate recorde de transplantes de rim e fígado; Mas 46% das famílias disseram "não"

por Redação Nossa Voz 30 de Janeiro de 2019 às 14:00
categoria: Saúde

Pelo segundo ano consecutivo, Pernambuco bate o seu recorde de transplantes de rim. Em 2017, foram realizados 404, enquanto que em 2018 foram 463, um aumento de 15%, além de 5 procedimentos duplos de rim e fígado e 5 de rim e pâncreas. Anteriormente, o ano com maior número de transplante tinha sido 2015 (344). Esse é o órgão mais demandado no Estado, possuindo, hoje, uma fila de espera com 852 pessoas.

“Esse aumento no número de transplantes de rim demonstra que a população tem se conscientizado da importância desse ato de solidariedade que é a doação de órgãos e tecidos. Além disso, ratifica o empenho da Central de Transplantes e de todos os profissionais envolvidos no processo para que os procedimentos se tornem realidade. Temos equipe de referência para captação de órgãos e de transplante de rim que estão à disposição todos os dias do ano para que as pessoas em fila de espera possam ganhar essa qualidade de vida”, afirma a coordenadora da Central de Transplantes de Pernambuco (CT-PE), Noemy Gomes.

Além de rim, Pernambuco também bateu o recorde de transplantes de fígado. Ao todo, foram 137 procedimentos, um aumento de 6% em relação a 2017 (129). O recorde anterior tinha sido alcançado em 2012, com 134 transplantes. “O paciente em fila por um rim tem na hemodiálise uma alternativa de tratamento para continuar vivendo. Já quem espera por um fígado tem mais pressa, por não ter uma terapia substitutiva. Precisamos comemorar o aumento e continuar trabalhando para ampliar ainda mais o número de doações e, consequentemente, de transplantes”, frisa Noemy Gomes.

BALANÇO GERAL – Na análise apenas dos órgãos sólidos (coração, fígado, rim e pâncreas), Pernambuco obteve um aumento de 9,6% nostransplantes (652), comparado com 2017 (595). Além dos 463 de rim e os 137 de fígado, foram realizados 42 de coração (54 em 2017 / - 22%), 5 de rim/pâncreas (6 em 2017 / -17%) e 5 de fígado/rim (2 em 2017 / + 150%).

Somado os transplantes de tecidos (córnea e medula óssea), totalizam 1.652 procedimentos em 2018, uma diminuição de 7,7% em relação a 2017 (1.790). De medula óssea foram 225, mesmo quantitativo de 2017, e 775 de córnea (969 em 2017 / - 20%).

A coordenadora da CT-PE lembra que a diminuição nos transplantes de córnea, quando comparados os dados de 2017 e 2018, é decorrente da fila zerada para esse tecido em 2017. “Desde junho de 2017 estamos com o status de córnea zero. Isso significa que todo paciente com indicativo para o procedimento, com os exames realizados, bem de saúde e inscrito na lista, fará o transplante em até 30 dias. Isso é um grande avanço que vem sendo mantido há 1 ano e meio e que diminuiu consideravelmente o número de pacientes que precisam de córnea”, pontua Noemy. 

 

Fila de espera

Atualmente, 1.128 pessoas estão em fila de espera por um órgão e tecido em Pernambuco. A maior lista é a de rim, com 852 pacientes, seguida de fígado (124), córnea (116), medula óssea (16), coração (13) e rim/pâncreas (7).

Negativa familiar

Em 2018, as Organizações de Procura de Órgãos (OPO) realizaram 339 entrevistas com familiares de pacientes com morte encefálica. Desse total, 183 autorizaram a doação e 156 negaram. Isso significa que 46% das potenciais doações não puderam ser efetivadas.

A morte encefálica acontece quando o cérebro perde a capacidade de comandar as funções do corpo, como consequência de uma lesão conhecida e comprovada. No caso da morte encefálica, o paciente é um potencial doador de órgãos sólidos (coração, rins, pâncreas e fígado) e tecido (córnea). No caso da morte do coração, o paciente pode doar apenas as córneas.

“A população ainda tem muitas dúvidas e mitos relacionados à morte encefálica. Nas unidades hospitalares, os profissionais de saúde esclarecem aos familiares dos potenciais doadores, mas precisamos difundir esse tipo de informação para que cada pessoa possa decidir em vida se quer ser doador de órgãos e tecidos. Todos precisam ficar cientes que o diagnóstico de morte encefálica segue um rígido protocolo na sua confirmação e que a família receberá o corpo do ente querido íntegro para realizar todas as cerimônias de despedida. Como a doação só ocorre com a autorização de um familiar de até segundo grau, de acordo com a legislação brasileira, precisamos difundir esse tema; tirar dúvidas, mitos e preconceitos; e saber que esse ato pode salvar muitas vidas”, pontua a coordenadora da CT-PE.

Foto: Monique Renne/CB


Governo altera cronograma da seleção do programa Mais Médicos

por Redação Nossa Voz 22 de Janeiro de 2019 às 13:00
categoria: Saúde

Brasileiros formados no exterior e estrangeiros inscritos no Programa Mais Médicos têm novas datas para selecionar os municípios que ainda têm vagas abertas. O primeiro grupo tem os dias 7 e 8 de fevereiro para escolher a localidade no site do programa. Nos dias 18 e 19 do mesmo mês, será a vez de estrangeiros terem acesso ao sistema para optar pelas vagas.

De acordo com o Ministério da Saúde, a alteração no cronograma se deu por conta do período de carnaval, que seria durante o acolhimento dos médicos. Com a mudança, a validação dos médicos brasileiros que estão com a documentação correta está prevista para ser divulgada no dia 31 de janeiro. No dia 12 de fevereiro, será divulgado o resultado dos médicos estrangeiros, que terão a mesma oportunidade, conforme o novo cronograma.

Após a escolha desses profissionais, o governo federal deve publicar, nos dias 13 e 21 de fevereiro, a lista com os nomes de brasileiros e estrangeiros respectivamente alocados nas cidades selecionadas. Ao todo, 10.205 profissionais brasileiros e estrangeiros com habilitação para exercício da medicina no exterior (sem registro no Brasil) completaram a inscrição no Mais Médicos.

As inscrições para o atual edital começaram com profissionais com registro no Brasil escolhendo as cidades disponíveis. Balanço divulgado no último dia 15 pela pasta mostra que 82% das vagas já foram preenchidas. Os postos que estiverem em aberto serão disponibilizados nesta próxima etapa.

Confira o cronograma completo:

31/01 - Publicação da validação dos documentos dos brasileiros formados no exterior.

07/02 - Publicação da relação dos municípios com vagas remanescentes.

07 e 08/02 - Brasileiros formados no exterior escolhem vagas disponíveis.

12/02 - Publicação da validação dos documentos dos estrangeiros formados no exterior.

18/02 - Publicação da relação dos municípios com vagas remanescentes.

18 e 19/02 – Estrangeiros formados no exterior escolhem vagas disponíveis.

Fonte: Agência Brasil / Foto: Karina Zambrana


Hanseníase: Pernambuco teve redução de 10% entre 2017 e 2018

por Redação Nossa Voz 21 de Janeiro de 2019 às 15:00
categoria: Saúde

Dados parciais de 2018 divulgados nesta segunda-feira (21) pela Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco apontam que em Pernambuco foram diagnosticados 2.157 casos novos de hanseníase. Isso representa uma redução de 10% em relação a 2017, com 2.410 novos diagnósticos.  

Apesar da redução, a Coordenação de Controle da Hanseníase da Secretaria Estadual de Saúde (SES) reforça a importância do diagnóstico precoce e de dar o seguimento correto para o tratamento, evitando a disseminação de ocorrências.  O tratamento recomendando pela Organização Mundial de Saúde (OMS) é baseado na poliquimioterapia, ou seja, com o uso de várias drogas para a intervenção terapêutica.

em Pernmabuco, parte do tratamento é realizada nos postos de saúde, necessitando que o paciente compareça à unidade uma vez por mês para tomar a medicação (dose supervisionada). O restante dos remédios o paciente toma em casa. Vale reforçar que toda a medicação para hanseníase é gratuita e fornecida pelo Ministério da Saúde (MS). A distribuição dos medicamentos trata a doença e impede a sua transmissibilidade.

Sobre a doença

A hanseníase é uma doença infecciosa, crônica e com alto poder incapacitante. Causada pelo bacilo Mycobacterium leprae, acomete, principalmente, a pele e os nervos periféricos. Também pode manifestar-se como uma doença sistêmica, comprometendo articulações, olhos, testículos, gânglios e outros órgãos. Sua transmissão ocorre quando uma pessoa infectada, e que não recebe o tratamento, elimina o bacilo para o meio exterior, infectando outras pessoas. A principal via de eliminação e entrada do bacilo são as vias aéreas superiores (mucosa nasal e orofaringe), através de contato íntimo e prolongo. 

Os principais sinais e sintomas da doença são: manchas esbranquiçadas, acastanhadas ou avermelhadas, com alterações de sensibilidade (a pessoa pode sentir choques, câimbras e formigamentos que evoluem para dormência); pápulas, infiltrações, tubérculos e nódulos; diminuição ou queda de pelos localizada ou difusa (especialmente sobrancelhas) e ausência de sudorese no local (pele seca).

Foto: Reprodução/G1


Terapia Intensiva é tema de simpósio do HU-Univasf

por Redação Nossa Voz 15 de Janeiro de 2019 às 09:30
categoria: Saúde

Entre nos dia 22 e 23 de janeiro o auditório da biblioteca da Univasf campus Petrolina-PE sedia o “I Simpósio de Terapia Intensiva do HU-Univasf”. O objetivo do evento é qualificar profissionais de saúde para a assistência ao paciente internado em terapia intensiva.

Na programação estão previstas palestras e mesas-redondas que abordarão diversos temas referentes à assistência na Unidade de Terapia Intensiva, como: “Desafio dos Cuidados Centrados no Paciente”, “Assistência Psicológica ao Paciente e Família na UTI”, “Suporte Nutricional”, entre outros.

São 200 vagas destinadas a profissionais e estudantes da área da saúde de toda a região. Os

interessados poderão verificar a programação e efetuar suas inscrições, gratuitamente, acessando o site: www.huunivasf.ebserh.gov.br.

Foto: Shutterstock