asdasdasdasd

Infectado pelo coronavírus pode não ter sintoma, aponta estudo

por Karine Paixão 28 de Janeiro de 2020 às 11:45
categoria: Saúde

 

As infecções pelo novo coronavírus, geralmente associadas a quadros de pneumonia, podem ocorrer também sem que o infectado apresente sintomas, o que pode dificultar a contenção do surto. É o que indica um estudo de pesquisadores chineses publicado na sexta-feira 24, no periódico científico The Lancet.

A conclusão vem da análise de uma família chinesa que teve seis integrantes infectados. Eles foram diagnosticados na cidade de Shenzen, onde moram, mas haviam viajado a Wuhan, epicentro do surto, dias antes da detecção da doença. Segundo o artigo, um dos integrantes da família, um menino de 10 anos, foi infectado pelo vírus, mas não teve manifestação da doença, enquanto os outros cinco apresentaram sintomas.

O diagnóstico surpreendeu os médicos, que inicialmente não pensavam em submeter o garoto a exames. Os testes só foram feitos por insistência da família, que estranhou o fato de o garoto ter viajado a Wuhan e não apresentar a doença.

Os autores do estudo destacam que esse achado indica mais uma dificuldade para conter o surto, já que o paciente pode carregar e transmitir o vírus sem apresentar sinal da doença. "Esses casos enigmáticos de pneumonia ambulante podem servir como uma possível fonte para propagar o surto", destacam os especialistas

Eles também ressaltam que, no caso dos pacientes com sintomas, as manifestações podem mudar de paciente para paciente. Embora a maioria relate febre, tosse e dificuldade para respirar, dois membros da família estudada tiveram como primeiro sintoma uma diarreia.


Cientistas descobrem formas de eliminar HIV totalmente das células

por Adriana Rodrigues 27 de Janeiro de 2020 às 12:09
categoria: Saúde

Uma das características do vírus HIV é que ele consegue “fugir” do sistema imunológico, escondendo-se de forma inativa nas células infectadas (a chamada latência viral), o que é o maior obstáculo para sua eliminação completa dos organismos infectados. Dois estudos divulgados nesta quarta-feira (22) pela revista científica Nature trazem descobertas que podem mudar esse cenário.

Cientistas das universidades da Carolina do Norte e Emory descobriram formas de reativar o vírus latente, potencialmente tornando-o vulnerável para ser eliminado pelo sistema imunológico.

Atualmente, o tratamento para portadores de HIV se baseia na chamada terapia antirretroviral, que limita a infecção e deixa o vírus “escondido” nas células T CD4 +, não podendo ser detectado pelo sistema imunológico.

A teoria por trás das novas pesquisas se baseia no uso de medicamentos que invertem essa latência e podem aumentar a expressão do gene viral, tornando as células virais vulneráveis ​​à eliminação pelo  sistema imunológico. Os testes foram feitos em camundongos e macacos que recebiam terapia antirretroviral.

No primeiro estudo, foi usado um medicamento chamado AZD5582, inicialmente criado para tratar o câncer e é capaz de ativar o vírus HIV latente.

No segundo estudo, foi usada uma abordagem  diferente, combinando duas intervenções imunológicas. Os cientistas injetaram um anticorpo para limpar as células T CD8 +, importantes para controlar a infecção. Em seguida, aplicaram uma versão alterada da citocina IL-15 para mostrar que essa combinação fez com que o RNA viral aparecesse no sangue e nos tecidos onde anteriormente não havia sido detectado.

“Esta é uma conquista científica emocionante, e esperamos que seja um passo importante para um dia erradicar o vírus em pessoas vivendo com HIV”, disse Ann Chahroudi, uma das pesquisadoras da Universidade de Emory.

Ainda não se sabe se os resultados podem ser replicados em humanos, mas as pesquisas reprsentam um importante avanço no conhecimento sobre o HIV e as formas como o vírus pode ser manuipulado. (R7)


Contaminações do coronavírus ultrapassam 2 mil em todo o mundo

por Adriana Rodrigues 27 de Janeiro de 2020 às 12:01
categoria: Saúde

O coronavírus, surgido na cidade de Wuhan, na China, já atingiu mais de 2.116 pessoas em todo o mundo e 300 estão em estado grave. Segundo oficiais da província de Hubei, 52 de todas as mortes foram registradas na região. A capital, Wuhan, onde o surto teve início, é a cidade mais afetada pelo vírus.

Somente na China foram registrados 2.062 casos. Além da China, Hong Kong (8 casos), Tailândia (8), Macau (5), Austrália (4), Japão (4), Malásia (4), Cingapura (4), Taiwan (4), Coreia do Sul (3), Vietnã (2) e Nepal (1) também tiveram casos confirmados. O coronavírus também chegou na Europa, com três casos confirmados na França. Já na América do Norte, são três casos nos Estados Unidos e um no Canadá. Até o momento não há registro de casos na América do Sul. As informações são do Centro de Ciência e Engenharia da universidade Johns Hopkins, de Baltimore (EUA).

O surto tem afetado planos da população chinesa em meio ao feriadão do Ano Novo Lunar. A imprensa estatal afirma que agências de turismo cancelaram todas as excursões para o exterior a partir de segunda-feira. Segundo a Televisão Central da China, a medida teria sido resultado de uma ordem do governo chinês.

A doença também continua a se alastrar pelo mundo, com 44 casos registrados em 13 nações, além da China. A maioria dos infectados são turistas de Wuhan ou pessoas que visitaram a cidade. É o caso do terceiro paciente identificado na Coreia do Sul, um homem sul-coreano que vive em Wuhan e que havia retornado de férias ao país natal. (com informações Agência Brasil)


Governo descarta febre Amarela em macacos encontrados mortos em PE

por Adriana Rodrigues 23 de Janeiro de 2020 às 12:35
categoria: Saúde

(Foto: divulgação)

A Secretaria Estadual de Saúde informou que os macacos (saguis) encontrados mortos em dois condomínios em Aldeia, no município de Camaragibe, Região Metropolitana do Recife (RMR), não estavam infectados com o vírus da febre amarela. Os materiais biológicos dos animais recolhidos foram analisados pelo Instituto Evandro Chagas (IEC), no Pará, e pelo Laboratório Central de Saúde Pública de Pernambuco (Lacen-PE) em parceria com o Instituto Aggeu Magalhães/Fiocruz-PE.

Todos deram negativo para febre amarela. Com isso, a Secretaria Estadual de Saúde continua investigando outras causas possíveis para os óbitos.

Entre 26 de dezembro de 2019 e 07 de janeiro de 2020, a SES-PE foi notificada da ocorrência de 17 macacos mortos em dois condomínios de Aldeia, em Camaragibe. Do total de animais notificados, em 6 houve condições de coleta de material biológico para análise em dois laboratórios. No Instituto Evandro Chagas, no Pará, referência nacional para febre amarela, todas as amostras deram negativas para a doença em dois tipos de exame (PCR e imunoistoquímico).

Já pelo Lacen-PE/Fiocruz-PE, todos deram negativo para febre amarela (técnica PCR). Outras doenças foram analisadas. Das amostras, três foram positivadas apenas para zika, duas para zika e herpes e uma apenas para herpes. Destaca-se que a presença dos vírus não significa que essa foi a causa da morte dos primatas.

A SES-PE ressalta que deu todo o apoio técnico e de infraestrutura ao município de Camaragibe, auxiliando na coleta dos animais; realizando treinamento e palestras educativas com os profissionais da cidade e com a população da área afetada; e apoiando a vacinação na localidade. Também foram realizadas coletas de mosquitos para análise.

Não são registrados casos autóctones de febre amarela desde 1938 em Pernambuco. Ou seja, desde então, não há a circulação da doença no Estado. Destaca-se também que os macacos não transmitem a doença para os humanos, sendo apenas vítimas do vírus e servindo como importantes agentes sentinelas, que alertam as autoridades sanitárias sobre a circulação do vírus.

Vale ressaltar que Pernambuco realiza, desde 2017, a vigilância em epizootia para monitorar o adoecimento ou a mortalidade de primatas não humanos e, desde então, não há nenhum óbito desses animais no Estado relacionado à febre amarela. Não se deve alimentar animais silvestres e, de forma alguma, maltratá-los. Importante frisar que matar macaco é um crime previsto em lei, com sanções como prisão e pagamento de multa.

Vacinação

Neste mês de janeiro, a vacinação contra a febre amarela entrou na rotina de imunização de 43 cidades que compõem a III e V Gerências Regionais de Saúde (Geres), com sede em Palmares, na Mata Sul, e Garanhuns, no Agreste Meridional de Pernambuco, respectivamente. A determinação de ampliar e incluir a vacina de forma rotineira é uma proposta do Ministério da Saúde (MS) para todo o Brasil. A proteção é voltada para crianças de 9 meses até adultos de 59 anos.

Neste primeiro momento, mais de 1 milhão de pessoas já podem se vacinar contra a febre amarela. A partir de março de 2020, a expansão acontecerá para todo o estado de Pernambuco, totalizando 8,4 milhões de pessoas beneficiadas. Essa ação busca manter a população protegida contra a doença e, com isso, evitar a reintrodução do vírus em solo pernambucano.

Desde janeiro deste ano, mais de 8 mil pessoas foram vacinadas contra febre amarela entre os municípios da III Geres e 18 mil na V Geres. Em Camaragibe, que disponibilizou postos para imunizar moradores de Aldeia, além de ação em um dos condomínios onde foram encontrados os macacos, 2,3 mil pessoas foram imunizadas.


Petrolina: HDM/IMIP alerta pais e responsáveis sobre aumento de acidentes domésticos nas férias

por Adriana Rodrigues 23 de Janeiro de 2020 às 12:26
categoria: Saúde



(Foto: Divulgação)



De acordo com dados do Ministério da Saúde, ao ano, 110 mil crianças são hospitalizadas em razão de acidentes domésticos, sendo o período de férias responsável pelo aumento de 25% no total. Em geral isso acontece porque as crianças tendem a ficar mais agitadas e cheias de energia devido ao maior tempo livre em casa.

Então, para prevenir situações de perigo (como queimaduras, quedas, fraturas, asfixias e afogamentos) durante as férias e garantir a diversão é preciso seguir algumas recomendações.

É claro que não dá para evitar todos os incidentes, mas há maneiras e atitudes que ajudam na prevenção dessas eventualidades, como adotar protetores de tomadas para evitar choques elétricos – assim como manter ocultos os fios dos aparelhos eletrodomésticos.

Janelas devem sempre estar protegidas por grades ou telas, sem móveis próximos, para evitar as quedas. A cozinha é o lugar mais perigoso da casa, por isso, a criançada deve manter distância do fogão e do forno. Os cabos das panelas devem estar virados para dentro e o gás desligado quando não estiver em uso.

Os armários têm que ser fixados à parede e os objetos cortantes, como os talheres, devem ficar fora do alcance das crianças. No banheiro, é aconselhável que o piso seja antiderrapante para evitar queda, que o vaso sanitário fique com a tampa abaixada e os produtos de higiene/limpeza em lugares altos. É importante lembrar-se de nunca usar embalagens, como garrafas de refrigerante, para armazenar produtos não alimentícios.

O banho de chuva, comum no verão, também deve ser evitado, pois apesar de ser uma das atividades mais divertidas e irresistíveis que existe para qualquer criança, muitas vezes representa perigo. Além dos raios, é preciso estar atento ao poder das rajadas de vento, inundações e doenças ocasionadas pelas águas contaminadas.

Há, ainda, muitas outras pequenas atitudes que previnem acidentes, como adotar calçados anatômicos com solado antiderrapante, verificar os brinquedos para certificar-se de que não há partes que podem ser engolidas e retirar os tapetes e outros objetos que provocariam escorregões ou tropeções. Além disso, é recomendável estabelecer um bom diálogo com as crianças, buscando explicar os perigos de algumas situações.

Se o acidente não puder ser evitado saiba o que fazer em situações como:

Sufocamento e asfixia:

Se, ao engolir um alimento ou algum outro item, a criança estiver tossindo, a orientação é ficar perto e esperar até que ela consiga expelir sozinha o objeto estranho. Caso isso não aconteça e o pequeno fique pálido, é preciso chamar o resgate o mais rápido possível e procurar alguém que saiba fazer as devidas manobras de desengasgo e desobstrução das vias aéreas. Cuidado ao tentar tirar o objeto da boca da criança, pois existe o risco de empurrá-lo ainda mais.

Queda

Primeiro, segure a criança até que ela pare de chorar e observe sintomas diferentes do usual. Entre eles estão perda de consciência, palidez, vômitos, choro prolongado, alterações no comportamento (sonolência ou agitação excessivas) e dor no pescoço ou nas costas. Se houver algum sintoma mais importante ou uma parada respiratória deve-se imediatamente chamar o socorro. Se tiver no ambiente alguém apto, as manobras de ressuscitação devem ser iniciadas.

Afogamento:

Remova a criança o quanto antes do local e deixe-a deitada. Chame o socorro imediatamente. É importante manter a criança aquecida, porque a hipotermia, que é a baixa temperatura, agrava os sintomas do afogamento.

Queimaduras

Na queimadura com fogo, a orientação é rolar a criança no chão para tentar apagar as chamas e, assim que estiver controlado, lavar com água e levar para o hospital. No caso da queimadura por escaldamento, enquanto busca a ajuda de um profissional da saúde, lave a área com bastante água corrente. Já em quadros de queimadura elétrica, o primeiro passo é desligar o interruptor da chave e, depois, afastar a vítima da corrente elétrica. O ideal é não encostar nela, porque você pode levar um choque também. Em seguida, chame socorro e certifique-se de que a criança está respirando – se não estiver, inicie as manobras de ressuscitação ou procure alguém que esteja apto a fazê-las.

Intoxicação

A primeira coisa que deve ser feita é ligar para o Centro de Controle de Intoxicação mais próximo de onde você estiver e descrever o que foi ingerido, em que quantidade e o horário em que o fato aconteceu. Enquanto a ajuda não chega, evite que o pequeno pule ou fique muito agitado. A criança de pé favorece que o agente tóxico desça mais rápido.

Cortes:

Cortes de pequena proporção devem ser lavados com água e sabão. Se houver sangramento, pressione a área o máximo que puder e procure atendimento médico o mais rápido possível.

Mordidas de animais

Lave o local com água e sabão e procure atendimento médico. Se possível, observe o animal para ver se ele não tem alguma doença.(Com informações: Ministério da Saúde)


Com menos doses, vacinas DTP e Pentavalente são distribuídas só em alguns postos de Juazeiro

por Adriana Rodrigues 21 de Janeiro de 2020 às 11:21
categoria: Saúde

(Foto: reprodução)



A Secretaria de Saúde de Juazeiro recebeu doses da vacina Pentavalente e a Tríplice bacteriana (DTP). No entanto, devido à demanda, as doses serão disponibilizadas nos postos de saúde dos bairros Angari, Argemiro, Dom Tomás e João Paulo II.

Já a vacina DTP foi enviada para os postos dos bairros Novo Encontro, Argemiro, Alto da Aliança e João Paulo II. A dose protege contra a difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e contra a bactéria haemophilus influenza tipo b, responsável por infecções no nariz, meninge e na garganta.

As crianças devem tomar três doses da vacina: aos dois, aos quatro e aos seis meses de vida. A vacina DTP previne contra doenças como difteria, tétano e coqueluche e deve ser tomada como reforço da pentavalente aos 15 meses de vida.

O município também recebeu novas doses de vacina para prevenção da poliomielite e todas as unidades de saúde foram abastecidas. A aplicação dela é via oral, sendo uma dose aos seis meses, primeiro reforço aos 15 meses de vida e o segundo reforço aos quatro anos, duas gotas por criança.


Primeiro levantamento do ano aponta médio risco de infestação do Aedes aegypti em Petrolina

por Adriana Rodrigues 17 de Janeiro de 2020 às 12:38
categoria: Saúde

(Foto: Divulgação)



A Prefeitura de Petrolina divulgou nesta quinta-feira (16) o resultado do primeiro Levantamento de Índice Rápido de Infestação do Aedes aegypti (LIRAa) de 2020. A pesquisa foi realizada entre os dias 6 e 10 de janeiro e identificou um índice de infestação de 1,0%, valor que deixa a cidade em situação de médio risco de acordo com o Ministério da Saúde. Em 2019, o último LIRAa – divulgado em novembro – apontou uma infestação de 0,7%, colocando Petrolina em situação satisfatória.

Os dados deste ano mostram que os bairros com maior infestação foram Dom Avelar, Padre Cícero, Loteamento Padre Cícero, São Joaquim e São Jorge, com índice de 3%. Em segundo lugar, com 1,8%, aparecem as comunidades do Terras do Sul, José e Maria, Vila Marcela, Residencial Vivendas, Loteamento Recife, Loteamento Nova York, Vila Eduardo e Residencial Monsenhor Bernardino.

Segundo a secretária executiva de Vigilância em Saúde, Marlene Leandro, já era esperado esse resultado, pois as chuvas que caíram na cidade no final do ano passado contribuíram para essa pequena elevação nos números. “Apesar desse pequeno aumento no índice, nossas equipes vêm intensificando as visitas e teremos o reforço de 45 novos agentes de endemias convocados através de concurso público e que estarão em campo já neste início de ano, o que nos possibilitará fortalecer ainda mais os nossos trabalhos, principalmente, nessas áreas onde os dados foram maiores”, afirma.        

A secretária executiva alerta a população que as medidas de prevenção contra a proliferação do mosquito, devem seguir o ano todo. “Trata-se de um trabalho intenso e ininterrupto da prefeitura, mas podemos agradecer à população petrolinense, que vem dando ótimo exemplo, abraçando a causa e a luta contra a infestação do mosquito, através do cuidado dentro de casa, nos quintais, ralos e calhas, vasos e lixo, além do empenho em conscientizar os vizinhos a tomarem também essa atitude”, conclui Marlene, destacando que o LIRAa é feito a cada dois meses, através da coleta de amostral com vistorias realizadas em estabelecimentos residenciais e comerciais, em diversos bairros da cidade. (Com informações: Ascom/ PMP)


Campanha Janeiro Branco contará com mais de 100 profissionais de saúde em Petrolina

por Adriana Rodrigues 10 de Janeiro de 2020 às 11:35
categoria: Saúde

(Foto: Divulgação)



A primeira edição do Janeiro Branco, em Petrolina acontecerá no dia 26 de janeiro, das 8h às 12h, na sede do Transforma Petrolina e também em outras áreas do Parque Municipal Josepha Coelho, e contará com mais de 100 profissionais de saúde para realização de atendimentos gratuitos a toda a população.

Dentre os profissionais, estarão disponíveis psiquiatras, psicanalistas, psicólogos, especialista em ThetaHealing, Reiki, massoterapia, auriculoterapia, biomagnetismo, microfisioterapia, barras de access, medicina vibracional, meditação, entre outros. Os interessados em receber atendimento devem comparecer ao local e levar 1kg de alimento não perecível.

O Janeiro Branco é uma iniciativa do Instituto Eliana Sicsú, em parceria com o Transforma Petrolina, que visa conscientizar as pessoas da importância da saúde mental e emocional como um estado de equilíbrio. Essa campanha foi criada em 2014 e vem ganhando cada dia mais visibilidade, já que vários estudos indicam a relevância desse tipo de cuidado com a saúde com a crescente epidemia de depressão, ansiedade e outras doenças de caráter psicológico e emocional, atualmente conhecidas como o mal do século.

Para a psicanalista Eliana Sicsú “saúde mental não está somente ligada ausência de transtornos mentais, como muita gente pensa, significa também ter equilíbrio emocional para saber lidar com as instabilidades cotidianas, viver com propósito e evitar a insatisfação na vida pessoal, profissional e relacional”.

Segundo a coordenadora do programa Transforma Petrolina, Lara Secchi Coelho, parcerias com profissionais como a Eliana Sicsú e a realização de campanhas voltadas para esse tema são de grande importância para que a população petrolinense adote mentalidade e hábitos mais saudáveis, em favor de um melhor convívio social. (Ascom)


Ministério da Saúde quer zerar filas de cirurgias eletivas no país

por Adriana Rodrigues 8 de Janeiro de 2020 às 13:03
categoria: Saúde

(Foto: Divulgação/ Site MDS)

O Ministério da Saúde reservou R$ 250 milhões a mais para a ampliação do acesso de pacientes às cirurgias eletivas realizadas no SUS. O incentivo aos municípios é para zerar a fila de espera de cirurgias eletivas de média complexidade e diminuir o tempo de espera daqueles que aguardam por procedimentos agendados. São 53 tipos de procedimentos cirúrgicos que estão na lista, como catarata, varizes, hérnia, vasectomia e laqueadura, além da cirurgia de astroplastia (quadril e joelho) entre outras com grande demanda reprimida identificada.

Em 2018, foram realizadas pelo SUS cerca de 2,4 milhões de cirurgias eletivas em todo o país. Esses procedimentos cirúrgicos são os que não precisam ser realizados em caráter de urgência, podendo assim serem agendados. Em 2019, até outubro, foram registrados no sistema de informação do SUS 2 milhões de cirurgias em todos os estados brasileiros. Confira aqui o valor do repasse por estado.

Os procedimentos de cirurgias eletivas fazem parte da rotina dos atendimentos oferecidos à população nos hospitais de todo o país, de forma integral e gratuita, por meio do SUS. As três cirurgias mais demandadas são oftalmológicas (para tratamento de catarata e de suas consequências e para tratamento de doenças da retina). Além dessas, também estão na lista cirurgias tais como aquelas para correção de hérnias e retirada da vesícula biliar.

Com o valor extra de R$ 250 milhões mais cirurgias eletivas poderão ser realizadas em 2020. Os gestores estaduais, municipais e do Distrito Federal, responsáveis pela organização e a definição dos critérios regulatórios que garantam o acesso do paciente aos procedimentos cirúrgicos eletivos, podem contar e se programar para utilização dos recursos de acordo com a população per capita de cada estado.

O valor total será disponibilizado no orçamento por meio do componente Fundo de Ações Estratégicas e Compensação (FAEC). O incentivo somente será liberado para os gestores após a apresentação de produção executada no sistema de informação do SUS e para aqueles que ultrapassarem o teto MAC (Média e Alta Complexidade) do município.

Do período de janeiro de 2017 a outubro de 2019, foram disponibilizados por meio de recursos do FAEC, o valor aproximado de R$ 1,1 bilhão para cirurgias eletivas. Além disso, as unidades federativas contam também com o valor do teto MAC (Média e Alta Complexidade) para realização das cirurgias nos municípios. (Fonte: Ministério da Saúde)


Pernambuco tem aumento de 161% de casos suspeitos de dengue, zika e chikungunya

por Adriana Rodrigues 7 de Janeiro de 2020 às 16:00
categoria: Saúde

(foto: reprodução)

Entre 30 de dezembro de 2018 e 28 de dezembro de 2019, Pernambuco registrou 73.745 casos suspeitos de arboviroses em todo o estado. O número equivale a um aumento de 161% nas notificações de dengue, zika e chikungunya, em comparação com as 28.257 registradas ao longo de 2018.

Divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde (SES) nesta segunda-feira (6), o boletim mostra que foram contabilizados 61.451 casos suspeitos de dengue, 8.467 de chikungunya e 3.827 de zika em Pernambuco ao longo de 2019.

Isso equivale, respectivamente, a aumentos de 163%, 145% e 153% nas notificações das doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti, no comparativo com os casos suspeitos registrados em 2018.

Confirmações e mortes

Dentro dos casos notificados, foram confirmados 20.448 casos de dengue nos 184 municípios pernambucanos e em Fernando de Noronha, 186% a mais do que os 7.141 casos confirmados em 2018. Outros 23.307 casos da mesma doença foram descartados ao longo de 2019.

No caso da chikungunya, foram 990 confirmações, 48% a mais do que os 668 casos confirmados no ano anterior. Houve, ainda, 5.432 casos descartados em 2019, em 150 municípios do estado.

Já para zika, foram 108 confirmações, um aumento de 83% em relação aos 59 casos confirmados em 2018. Em 2019, foram 2.677 casos descartados em 133 municípios.

Ao longo de 2019, também foram confirmadas 13 mortes causadas por arboviroses, sendo 12 por dengue e uma por chikungunya. As 127 notificações registradas no período superaram os 80 casos suspeitos registrados no ano anterior. (com informações G1 PE)