asdasdasdasd

Petrolina deve ganhar faculdade de Medicina em 2020

por Gabriela Canário 13 de Dezembro de 2018 às 08:55
categoria: Educação

Petrolina deve contar com a primeira faculdade municipal de Medicina de Pernambuco até 2020. O primeiro passo para isso será dado na próxima semana, quando o projeto pedagógico do curso será entregue no Conselho Estadual de Educação. Os detalhes de todo o processo foram discutidos, nesta quarta-feira (12), entre o prefeito Miguel Coelho e Antonio Habib, presidente da Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina (Facape), autarquia que abrigará o novo curso.

A proposta da nova entidade de ensino é oferecer entre 50 e 60 vagas numa turma anual. Todos esses estudantes terão formação com um perfil voltado para o atendimento na saúde básica para serem absorvidos, inclusive, na rede municipal. De acordo com o prefeito, a Prefeitura pretende também criar um programa para utilizar os estudantes e profissionais nos postos de saúde do município. “Vamos destinar um investimento importante para a criação desse curso e queremos que esses futuros médicos trabalhem na rede municipal pelo menos um ano, ampliando a oferta de mão de obra de qualidade e melhorando o atendimento ao povo de Petrolina”, explica o gestor.

Segundo o presidente da Facape, o projeto pedagógico deve ser entregue já na próxima segunda-feira (17) ao Conselho de Educação. Após a aprovação, a Facape iniciará junto com a prefeitura a construção de laboratórios, salas de aula e a aquisição de equipamentos para estruturar o curso. “Já visitei autarquias municipais com o curso de Medicina em outros estados e Petrolina será a primeira cidade de Pernambuco a ter uma faculdade dessa municipalizada. Existe a possibilidade de lançarmos o vestibular para o segundo semestre de 2019, mas nossa meta mais segura é conseguir abrir as vagas em 2020”, detalha Habib.

Fotos: Alexandre Justino


Rede municipal de ensino está com matrículas abertas para 2019 em Petrolina

por Gabriela Canário 10 de Dezembro de 2018 às 10:05
categoria: Educação

A Prefeitura de Petrolina, através da Secretaria de Educação (SEDU), divulgou o calendário de matrículas para estudantes da Rede Municipal de Ensino para o ano de 2019. As vagas são disponíveis para todos os segmentos atendidos pela Rede municipal de ensino: Educação Infantil, Ensino Fundamental I e II e EJA (Programa de Educação de Jovens e Adultos).

O período para renovação dos alunos que já estudam nas unidades e a matrículas para os estudantes novatos com necessidades educacionais especiais aconteceu nesta semana. 

Para realizar transferências dos estudantes oriundos da Rede Municipal e/ou conveniadas migrando de unidade escolar para outra, as datas começam na quinta-feira (20) e seguem até a sexta-feira (28) deste mês.

A partir do dia 7 de janeiro de 2019, a SEDU vai iniciar o período de matrícula destinado aos alunos novatos.  “A secretaria garante que todas as crianças terão vagas disponibilizadas para realizar as matrículas. Estamos trabalhando para cumprir as datas e prazos do calendário a fim de evitar transtornos aos pais e responsáveis”, esclarece a secretária executiva de Alfabetização, Ensino e Aprendizagem, Sônia Passos.

DOCUMENTAÇÃO

No ato da matrícula ou renovação os pais ou responsáveis devem apresentar o original e a xerox das seguintes documentações: histórico escolar - da escola de origem para o ingresso do estudante a partir do 2º ano do Ensino Fundamental (anos iniciais), 2ª, 3ª e 4ª fases da EJA (não devendo conter emendas e/ou rasuras), ou declaração provisória válida por 15 dias; certidão de nascimento ou casamento; comprovante de residência com CEP da rua; CPF e RG para todos os estudantes; carteira de vacinação para estudantes da Educação  Infantil; RG e CPF dos pais ou responsável pelo estudante; número do NIS/Bolsa Família do estudante e do responsável; cartão do SUS e 2 (duas) fotos recentes e iguais,  tamanho 3x4.


Estudantes têm até sexta-feira para renovar contrato do Fies

por Gabriela Canário 20 de Novembro de 2018 às 09:06
categoria: Educação

Estudantil (Fies) têm até sexta-feira (23) para renovar os contratos. Aqueles que contrataram o Fies até 31 de dezembro de 2017 devem fazer o aditamento. Neste semestre, cerca de 890 mil contratos devem ser renovados, de acordo com o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

A renovação do contrato é feita pelo sistema SisFies. Os contratos do Fies precisam ser renovados todo semestre. O pedido de aditamento é inicialmente feito pelas instituições de ensino para, depois, as informações serem validadas pelos estudantes no sistema.

Caso o aditamento tenha alguma alteração nas cláusulas do contrato, o estudante precisa levar a nova documentação ao agente financeiro, que é o Banco do Brasil ou a Caixa Econômica Federal, para finalizar a renovação. Já nos aditamentos simplificados, a renovação é formalizada a partir da validação do estudante no sistema.

Contratos de 2018

 

Os estudantes que aderiram ao Novo Fies e contrataram o financiamento em 2018 devem seguir o cronograma da Caixa, que é o agente operador do Novo Fies. Segundo a Caixa, aproximadamente 50 mil estudantes assinaram contratos do Novo Fies no primeiro semestre de 2018. O prazo para esses estudantes vai até 30 de novembro. O aditamento é feito no site da Caixa. O novo Fies, lançado no ano passado, tem modalidades de acordo com a renda familiar.

A modalidade Fies tem juro zero para os candidatos com renda mensal familiar per capita de até três salários mínimos. Nesse caso, o financiamento mínimo é de 50% do curso, enquanto o limite máximo semestral é de R$ 42 mil e é bancado pelo governo.

A modalidade chamada de P-Fies é para candidatos com renda familiar per capita entre 3 e 5 salários mínimos. Nesse caso, o financiamento é feito por condições definidas pelo agente financeiro operador de crédito, que pode ser um banco privado ou fundos constitucionais e de desenvolvimento.

Agência Brasil 


Prefeitura abre pré-inscrições para primeira turma de educação bilíngue de Petrolina

por Gabriela Canário 20 de Novembro de 2018 às 08:58
categoria: Educação

A partir desta segunda-feira (19), estão abertas as pré-matrículas para a primeira turma de educação bilíngue da Secretaria de Educação de Petrolina. Serão aulas em Português e em LIBRAS para os estudantes do 2º ano através de uma parceria com a Associação de Surdos.

Os interessados devem procurar a Escola Nossa Senhora Rainha dos Anjos (CAIC),  localizada no bairro COHAB Massangano, zona oeste da cidade. Serão 20 vagas para formação da turma com aulas sempre pela manhã. “A princípio será uma turma, mas a depender da demanda, isso pode mudar”, diz a diretora do Núcleo de apoio psicopedagógico (NAPPNE), Emiliana Freire.

Representantes da Secretaria de Educação estiveram reunidos na última quarta-feira (14) com a Associação de Surdos para informar aos pais sobre a implantação da Sala Bilíngue na Escola CAIC. De acordo com a recomendação do Ministério Nacional de Educação (MEC), a classe de educação bilíngue contará com a presença de tradutores e intérpretes de Libras – Língua Portuguesa.

Para Emiliana,  a proposta busca promover a inclusão social efetiva dos estudantes surdos. “Para os surdos, a primeira língua que aprendem é a LIBRAS. A partir daí podem começar a estudar o Português. Por isso, com apoio de profissionais capacitados em sala, o aprendizado desses jovens pode ser potencializado”, conclui a diretora.


Trukás voltam a ocupar a GRE em Petrolina: “Se não vai pagar para a gente não vai pagar pra ninguém”

por Karine Paixão 8 de Novembro de 2018 às 13:10
categoria: Educação

Os índios Trukás, oriundos de Cabrobó, ocupam desde a noite desta quarta-feira (08) a Gerência Regional de Educação em Petrolina. Na manhã de hoje (09), manifestantes liberaram apenas a entrada de alguns funcionários para manutenção de serviços classificados como essenciais. As demais funções estão barradas, inclusive a liberação da folha de pagamento dos trabalhadores da educação na rede estadual que dependem da GRE petrolinense para receber seus pagamentos. 

O cacique Neguinho Truká explicou a reportagem do Nossa Voz, que durante a última ocupação realizada em maio desse ano, foram prometidos o pagamento dos salários atrasados de funcionários das escolas indígenas e a quitação do débito com o transporte escolar. Nenhuma dessas pendências foram resolvidas, segundo a liderança. “Estivemos aqui em maio com este mesmo problema, atraso no pagamento de transporte e atraso nos salários de merendeiras, porteiros, auxiliares de serviços gerais. O governo pediu para a gente na época um prazo, estivemos aqui no dia 16 e ficou resolvido que até 21 de maio se resolvia, agora quase sete meses depois a gente volta com a mesma problemática. No transporte, por exemplo, temos menos de dois meses do ano letivo e temos quatro parcelas a serem pagas ainda. Duas parcelas em atraso e uma vence agora no dia 20. Os auxiliares de serviços gerais, porteiros, alguns  estão com salários em atraso sem receber inclusive os tíquetes de alimentação”

Neguinho ainda reforça as constantes dificuldades enfrentadas pela comunidade. “Na educação escolar indígena, anualmente, quando não enfrentamos problemas de transporte, enfrenta com salário de professor, com salário de outros trabalhadores, por falta de merendas. E a gente vem buscando junto a Secretaria de Educação, ao Governo do Estado uma solução que garanta a gente ao menos o básico para que a gente consiga um ano letivo com menos paradas”, destacou. Segundo Truká, em Cabrobó duas escolas dentro do território são mantidas pelo Governo de Pernambuco. No Estado, existem pelo menos 55 mil alunos indígenas. “Então todos estão passando por essa mesma dificuldade”, completou. 

O cacique garante que a ocupação será mantida “Até se resolver o problema”, com garantias de continuidade das aulas pela normalização dos pagamentos. “A GRE está parada. Ficou acertado com a professora Anete que abriríamos para alguns funcionários para tocarem as coisas urgentes. O motivo da gente fechar é simples, o Governo do Estado não tem a Educação Escolar Indígena como parte do seu quadro. Eles agora, é absurdo dizer, afirmaram que não podem gerar uma via de pagamento da oitava parcela nossa porque é semana de pagamento da folga do Estado. Então a gente é sequer considerado trabalhador da Secretaria de Educação do Estado. Estamos aqui para dizer que se não vai pagar para a gente não vai pagar pra ninguém”, garantiu. 


Enem: Número mais baixo de abstenções

por Gabriela Canário 5 de Novembro de 2018 às 11:10
categoria: Educação

Um em cada quatro inscritos para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2018 em Pernambuco faltaram às provas do primeiro dia. Dos cerca de 307 mil estudantes, cerca de 77 mil não compareceram, o que representou um índice de abstenção de 25,1%. Apesar disso, o percentual é menor do que o registrado no primeiro dia de provas do ano passado. Em todo o Brasil, dos 5,5 milhões de inscritos, 24,9% não realizaram o exame, o menor índice de abstenções desde 2009. O Enem, que começou a ser aplicado ontem, terá o segundo dia de provas no próximo domingo.

No estado, cerca de 230 mil alunos se submeteram ontem às provas de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, Ciências Humanas e suas Tecnologias e Redação, que teve como tema Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet. Assuntos como racismo, ditadura militar, democracia e feminismo foram discutidos nas questões. Pernambuco foi o sexto estado com mais participantes, com provas realizadas em 79 municípios e o arquipélago de Fernando de Noronha. Recife, com 71 mil inscritos, e Petrolina, com 17 mil, foram as cidades com mais participantes. No Brasil, foram 10,7 mil locais de aplicação e 11,5 milhões de provas impressas.

O exame foi aplicado em quatro fusos horários distintos, de acordo com o horário de Brasília. Os portões dos locais de prova foram fechados às 13h, e os estudantes tiveram cinco horas e meia para responder às questões. Na Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), no Centro do Recife, apenas um aluno se atrasou. Ele não quis falar com a imprensa. Dona de casa, Adriana Maria, de 38 anos, foi acompanhando a filha de 18 anos, Mariana Vieira. “A gente é do interior (Passira), mora aqui faz um tempo para ter oportunidades. Como ela quer essa chance, vim apoiar”, pontuou.

Em geral, os alunos e professores ressaltaram o caráter conteudista. “Foi uma prova mais trabalhosa, em que não necessitamos apenas interpretação de texto, mas de conhecer o conteúdo para resolver as questões. Achei a prova de linguagens um pouco mais difícil que a de humanas, mas dentro do esperado”, disse o estudante do Colégio Damas Guilherme Peixoto, 17 anos. Para a estudante do Damas Mariana Cyreno, 17 anos, que tenta uma vaga em Engenharia de Produção, foi difícil administrar o tempo para a realização das provas. “Compreendi errado os avisos e acabei me atrapalhando, mas deu para fazer tudo. Fiz a prova nos dois anos passados, como teste, e achei que estava no mesmo nível.”

Foram registradas 71 eliminações, das quais duas por uso de ponto eletrônico e duas por revista no detector de metais. No primeiro caso, em Minas Gerais, os candidatos foram presos. Em Pernambuco, uma aluna passou mal, em Jaboatão, e precisou ser socorrida. Também foi registrada uma queda de energia, mas nenhum caso relativo à segurança, informou a Polícia Militar. “Tivemos uma melhoria no processo de comunicação com o aluno, trazendo transparência e também a responsabilização que é necessária, pois se trata de dinheiro público”, disse o ministro da Educação, Rossieli Soares. 

Para a presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Maria Inês Fini, o baixo número de abstenções é decorrente de mudanças implementadas desde 2016. “Primeiro passamos a exigir mais dados dos participantes que solicitavam isenção, depois anunciamos a justificativa de ausência. Em 2018, concretizamos todo esse movimento com a criação de um período específico para solicitação de isenção da taxa de inscrição e para essa justificativa. Nesse mesmo período, ampliamos o perfil de participantes com direito a não pagar a taxa de inscrição”, explicou. 

Diário de Pernambuco


Enem 2018! Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na Internet é o tema da redação deste ano

por Neya Gonçalves 4 de Novembro de 2018 às 16:50
categoria: Educação



O tema da redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2018 é atual e foi trabalhado em muitas escolas, segundo professores de redação entrevistados pela Agência Brasil. O tema deste ano é Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet.



Para a professora de redação Carol Achutti, do curso online Descomplica, o assunto deste ano, dada a repercussão do Enem, atinge toda a sociedade e coloca em discussão o tema da manipulação intensamente vivido no Brasil no último processo eleitoral. “É uma inovação. Colocaram um dedinho na ferida. Por isso, achei importante levantar essa discussão”, disse.



Segundo Carol, a escolha tem um caráter diferente dos anos anteriores. “O recorte escolhido é quase político. Não é social como estamos acostumados. É perigoso o estudante confundir com fake news [divulgação de notícias falsas], que podem aparecer na argumentação, mas não é só isso”.



Abordagem delicada

Conforme a professora, o texto do aluno poderá tratar, dependendo dos textos de apoio da prova, de questões mundiais, envolvendo redes sociais, marketing dirigido, entre outras questões. "Quem for muito partidário e se inflamar pode ser parcial e tangenciar o tema", acrescenta.



“Achei o tema complexo. Acho que pode causar dúvida nos alunos, porque eles são muito inteirados. Quase todos sabem minimamente sobre segurança da rede, podem confundir um pouco. A abordagem, imagino, seja manipulação das notícias, cuidado que se deve ter”, ponderou Tatiana Nunes, professora de redação e língua portuguesa do Colégio Mopi, no Rio de Janeiro.



De acordo com Tatiana, o tema era “mais do que aguardado. A questão seria o tipo de abordagem”. Na avaliação da professora, a abordagem escolhida foi “muito bem feita, mas bastante delicada. O estudante terá de estar bem preparado para fazer essa leitura crítica do que está sendo pedido no tema”.



Coordenador pedagógico do Vetor Vestibulares, Rubens César Carnevale, que foi corretor da redação do Enem por três anos seguidos, de 2014 a 2016, disse acreditar que, ao escrever sobre o tema, os estudantes precisam tomar cuidado para não fugirem de discussões atuais e não usarem dados falsos na hora de argumentar.



“Os candidatos precisam tomar cuidado com aquilo que chama de coerência externa. O aluno que citar alguns dados, alguns fatos que não sejam pertinentes ao contexto e que não sejam verdadeiros poderá perder pontos”, acrescentou Carnevale.



Enem

Este domingo (4) é o primeiro dia de prova do Enem. Mais de 5,5 milhões de estudantes farão provas de linguagem, ciências humanas e redação em mais de 1,7 mil municípios. O exame segue no dia 11 de novembro, quando serão aplicadas as provas de ciências da natureza e matemática.



A nota do exame poderá ser usada para concorrer a vagas no ensino superior público pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu), a bolsas em instituições privadas, pelo Programa Universidade para Todos (ProUni), e para participar do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). Fonte: Folhape/ Foto: Divulgação

 


Miguel Coelho sanciona lei para criar novas escolas em tempo integral

por Gabriela Canário 31 de Outubro de 2018 às 07:48
categoria: Educação

Com a meta inicial de criar dez escolas até 2020, o projeto que institui o Programa Municipal de Educação Integral (ProMEI) foi sancionado pelo prefeito Miguel Coelho nesta segunda-feira (29). A iniciativa visa criar uma política pública permanente para manter as crianças por mais tempo nas salas de aula, com mais qualidade no aprendizado e redução na evasão escolar.

A Lei Municipal 3.108 estipula nessas novas escolas uma carga horária de 9 horas, divididas em aulas de 50 minutos, além dos períodos para refeição e descanso. O conteúdo de ensino seguirá a Base Nacional Comum Curricular. O ProMEI ainda pretende adotar nas salas de aulas novos métodos para facilitar o ensino com uso de tecnologia.

Segundo Miguel Coelho, a Prefeitura de Petrolina já deve implantar as duas primeiras escolas em tempo integral no próximo ano. “Já temos a melhor educação de Pernambuco entre as cidades com mais de 100 mil habitantes. Mas o petrolinense sempre exige mais e queremos ser referência nacional. Acredito que com esse programa municipal vamos avançar ainda mais, com duas escolas já no próximo ano e até 2020, dez unidades em vários bairros de Petrolina”, destaca o prefeito.

Atualmente, a rede municipal conta com 80 unidades escolares do ensino fundamental. Apenas uma delas é integral, a Escola Domingos Sávio, no bairro Gercino Coelho, que foi criada ainda gestão do ex-prefeito Fernando Bezerra.


Enem 2018: 10 temas de redação que podem cair na prova, segundo professores

por Gabriela Canário 23 de Outubro de 2018 às 14:35
categoria: Educação

Faltam poucos dias para o Enem 2018, que ocorre nos dias 4 e 11 de novembro, mas ainda dá tempo de revisar uma parte do que foi estudado ao longo do ano – inclusive os temas que poderão ser cobrados na redação.

Tão importante quanto ter domínio sobre o tema que poderá ser avaliado é saber qual o formato da redação. Maurício Soares Filho, professor de redação do Sistema Anglo de Ensino, diz que "a prova está completando 20 anos, é consolidada, tem mais de três milhões de inscritos e tem um formato previsível".

Segundo Filho, o texto pretende avaliar se o aluno tem condições de compreender o que chamou de "texto híbrido ou não verbal", ou seja, uma imagem, um texto, uma charge, um infográfico, uma tabela.

Além disso, a redação sempre precisa ter três elementos: a contextualização do tema, o apontamento de causas e consequências para o problema apresentado pela prova e a construção de uma proposta de intervenção, de solução.

O G1 ouviu professores e coordenadores de cursinhos para montar uma lista com dez temas que poderão ser cobrados na redação do Enem 2018. Veja abaixo:

1. Preconceito linguístico

O Brasil é um país extenso, formado por diferentes povos de diferentes origens – e que têm formas distintas de falar, se expressar. Por isso, Daniela Martins, coordenadora de Redação do Curso Poliedro de Campinas, aposta que este tema possa ser o escolhido para os alunos. Ela avalia que "o Brasil é um país miscigenado, extenso e diversificado. É um problema ético discriminar alguém em função de seu linguajar".

2. Bullying nas escolas

Este é um tema que sempre está em discussão nas salas de aula. Crianças e adolescentes praticam e são vítimas de agressões, xingamentos, ofensas que se travestem de brincadeira. Daniela Martins diz que "são registrados casos de agressão entre alunos e contra professores. É importante abordar na redação as causas de quem pratica o bullying, e trazer exemplos concretos, como o caso do menino de Goiás que atirou nos colegas, um assunto de relevância nacional e cronologicamente próximo", avalia Thiago Braga, professor e autor de Redação do Sistema de Ensino pH.



3. Envelhecimento populacional

As pessoas estão vivendo cada vez mais não só no Brasil, como em todo o mundo. Isso é consequência, entre outros fatores, do desenvolvimento da medicina e das famílias que optam por ter menos filhos. "A questão que se apresenta é: o país está preparado para essa inversão na pirâmide etária? O Estado preparou-se para atender a esse brasileiro?", questiona Daniela Martins, coordenadora de Redação do Poliedro.

4. Analfabetismo no Brasil

Segundo o IBGE, em 2017, 11,4 milhões de brasileiros não sabiam ler nem escrever no Brasil. A coordenadora de Redação do Poliedro coloca a questão: "Se o acesso à educação é um direito constitucional, como explicar essa situação?"

"É importante o candidato perceber e comentar em sua redação que tais números reforçam os índices de desigualdade no Brasil, que ultrapassam a questão da leitura e atingem outras fragilidades sociais", sugere Romulo Bolivar, professor de português e redação do ProEnem.

5. Legalização do aborto

O aborto vem sendo discutido há tempos por diversos setores da sociedade. Alguns especialistas acreditam que o aborto é uma questão de saúde pública. Neste ano, o Senado da Argentina chegou a votar a legalização do aborto, mas o Congresso do país decidiu que prática ainda deve ser considerada ilegal. Para Adriano Chan, professor de Redação da Oficina do Estudante, a prática "mata mulheres pobres sem condições de pagar pelo serviço em clínicas clandestinas".

6. Fake News na sociedade brasileira

Nunca o Brasil falou tanto sobre as chamadas "Fake News", ou melhor: relatos com informações falsas que circulam principalmente nas redes sociais. Thiago Braga, professor e autor de Redação do Sistema de Ensino pH, sugere que "o aluno pode falar sobre a irresponsabilidade de quem produz as Fake News".

Quais são as consequências causadas por quem espalha essas informações falsas? Romulo Bolivar, professor de português e de redação do ProEnem, diz que "uma boa possibilidade de abordagem do tema na redação é demonstrar como a baixa qualidade de leitura e interpretação aliada ao fácil acesso das Fake News por meio da tecnologia figuram como alguns dos principais fatores que motivam esse fenômeno".



7. Desmatamento da Amazônia

Entre agosto de 2017 e julho deste ano, o desmatamento cresceu 39% em relação ao período anterior segundo dados do Imazon, instituto que monitora a Amazônia. A área destruída chega a quase 4 mil quilômetros quadrados – 13 vezes o tamanho da cidade de Belo Horizonte. "Essa é uma discussão importante porque mostra que não há consciência ambiental no Brasil, tanto no governo quanto na população", avalia Thiago Braga, professor e autor de Redação do Sistema de Ensino pH.

8. Lixo, consumismo e sustentabilidade

Esse é outro tema relacionado ao meio ambiente. Para onde vai o lixo que produzimos, o que acontece com os produtos, o que consumimos cada vez em maior quantidade? "Essa questão envolve responsabilidade política e conscientização das esferas públicas e sociais. Na verdade, o lixo produzido não é apenas responsabilidade do Estado, mas também do cidadão", segundo o ponto de vista de Daniela Martins, coordenadora de Redação do Poliedro Campinas.

9. Mobilidade urbana no Brasil

Nas grandes cidades, ainda é muito forte a cultura do transporte individual. As ruas e avenidas estão cheias de carros que formam filas enormes de congestionamento. Por outro lado, a qualidade dos transportes coletivos é criticada por muitos usuários. Na opinião de Thiago Braga, professor e autor de Redação do Sistema de Ensino pH, pouco se investe em políticas de deslocamento no país. "As pessoas perdem tempo de vida dentro do transporte", explicou.

10. Vício em games e sua classificação como doença pela OMS

É muito comum ver crianças e adolescentes que passam horas na frente do computador ou do videogame. Muitos pais e mães sentem que precisam ser rígidos para controlar os filhos para que estudem, pratiquem esportes, leiam, durmam. O vício em jogos eletrônicos passou a ser considerado uma doença pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Romulo Bolivar, professor de português e redação do ProEnem, acredita que essa questão pode ser cobrada na redação do Enem 2018 porque "o uso da tecnologia para jogar protagonizou matérias e noticiários em 2018".



Bônus - quais as apostas em 2017?

No ano passado, o G1 também ouviu professores. Eles selecionaram 14 temas. Foram eles:

Ativismo nas redes sociais

Ciberbullying e outros crimes virtuais

Desafios da mobilidade urbana

Envelhecimento da população

Família no século 21

Força da juventude

Homofobia e criminalização no Brasil

Jovens e drogas

Onda anti-vacinação

Lixo e meio ambiente

Pessoas com deficiência

Poder transformador do trabalho

Saúde e o SUS

Sistema prisional brasileiro

G1 


Inscritos no Enem podem checar local de provas a partir de hoje

por Karine Paixão 22 de Outubro de 2018 às 09:49
categoria: Educação

Os estudantes que vão fazer o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2018 podem acessar a partir de hoje (22) os cartões de confirmação da inscrição. Para consultar o documento, é necessário acessar a página do participante, onde deve ser colocado o CPF e senha ou baixar em seu celular o aplicativo Enem 2018. A primeira etapa do exame será aplicada no domingo, dia 4 de novembro.

O cartão reúne os dados do estudante, o endereço do local, a data e hora da aplicação da prova, além das informações sobre a língua estrangeira escolhida e recursos de acessibilidade, se tiverem sido solicitados. Caso tenha problema com as informações do cartão ou dificuldade de acesso ao documento, o estudante pode entrar em contato com o MEC pelo telefone 0800616161 ou pelo link Fale Conosco, no site do Enem.

Com a entrada em vigor do horário de verão no mesmo dia da primeira etapa do Exame, em 4 de novembro, o Ministério da Educação recomenda que os inscritos fiquem atentos aos horários de abertura e fechamento dos portões dos locais de prova em cada estado.

O MEC recomenda também que o estudante faça antes o trajeto até o local da prova, organizando o planejamento. A sugestão é que os participantes comecem a ajustar o horário de sono e dormir mais cedo uma semana antes do dia da prova.

 

Confira os horários do fechamento dos portões

No Distrito Federal e nos estados do Espírito Santo, de Goiás, Minas Gerais, do Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, de Santa Catarina e São Paulo, os portões abrem às 12h e fecham às 13h.

Nos estados de Alagoas, do Amapá, da Bahia, do Ceará, Maranhão, de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, do Pará, da Paraíba, de Pernambuco, do Piauí, Rio Grande do Norte, de Sergipe, do Tocantins, os portões abrem às 11h e fecham às 12h.

No Amazonas, em Rondônia e Roraima, os portões abrem às 10h e fecham às 11h. No Acre, os portões abrem às 9h e fecham às 10h, no horário local. (Agência Brasil)