asdasdasdasd

Estudantes do Fies terão até 18 meses para quitar dívida com instituições

por Gabriela Canário 14 de Junho de 2018 às 07:19
categoria: Educação

Por: Agência Brasil











A resolução estabelece que a renegociação será operacionalizada pela internet. Foto: Luiza Bessa/Esp.DP  
A resolução estabelece que a renegociação será operacionalizada pela internet. Foto: Luiza Bessa/Esp.DP

Os estudantes beneficiados pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) que estiverem devendo às instituições de ensino nas quais estão matriculados poderão negociar o parcelamento da dívida em até 18 meses, de acordo com resolução publicada nesta quarta-feira (13) pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), no Diário Oficial da União.

Segundo o FNDE, até o ano passado, era preciso estar quite para fazer a renovação do contrato do Fies. Agora, o estudante terá que pelo menos ter feito a negociação do pagamento antes da renovação.

Além disso, o FNDE fixou em 30% da parcela o valor máximo que poderá ser cobrado por mês. Ou seja, se um aluno atrasou o pagamento de uma mensalidade de R$ 100, ele poderá pagar até R$ 30 junto com a próxima parcela mensal.

O Fies é um programa do governo que financia mensalidades em instituições privadas de ensino a condições especiais.

As regras publicadas hoje valem para os valores pagos para as instituições de ensino pelos estudantes que não têm financiamento de 100%. Eles devem pagar todos os meses uma parte da mensalidade às instituições.

A partir deste semestre, para evitar cobranças abusivas, o Ministério da Educação (MEC) determinou que os pagamentos passem pela Caixa Econômica Federal, antes de serem transferidos para as instituições privadas de ensino.

A resolução estabelece que a renegociação será operacionalizada pela internet. O agente financeiro terá 120 dias para criar e disponibilizar esse portal, por meio do qual o estudante poderá solicitar a renegociação e a instituição de ensino, validar o pedido.  O estudante que deixar de pagar uma mensalidade já é considerado inadimplente e deve buscar a renegociação. 

De acordo com o FNDE, a expectativa é que as renovações dos contratos do Fies sejam feitas a partir de agosto. Por ser um dado que cabe a cada instituição de ensino, a autarquia diz que não tem o número total de estudantes atualmente em atraso.

Financiamento máximo e mínimo

Também hoje foram publicadas as resoluções que tratam da garantia de pelo menos 50% de financiamento pelo Fies e do teto de R$ 42.983,70 por semestre. Ambas medidas foram anunciadas na semana passada pelo ministro da Educação, Rossieli Soares.

O limite foi estabelecido para que cursos com mensalidade de R$ 7 mil possam voltar a ser financiados pelo programa – que havia reduzido o teto para R$ 5 mil. Com isso, estudantes de medicina, por exemplo, que se enquadrem nas regras do Fies poderão contar com o benefício.

Segundo o ministro, o piso foi fixado para tornar o Fies mais atraente. Até o semestre, o sistema podia calcular o percentual da mensalidade que seria financiado conforme a renda do estudante e outros critérios. O financiamento poderia chegar a 8%, por exemplo.

As regras valem a partir do próximo semestre. Os estudantes que contrataram o Fies com porcentagem inferior a 50% poderão pedir para entrar na nova regra.

As mudanças foram feitas no chamado Fies público. Neste ano, 100 mil vagas serão ofertadas nessa modalidade, com juro zero e financiadas diretamente pelo governo. As vagas são destinadas a estudantes com renda familiar per capita de até três salários mínimos, ou R$ 2.862.


MEC anuncia 50% de financiamento mínimo de curso e amplia teto semestral do Novo Fies

por Gabriela Canário 7 de Junho de 2018 às 08:07
categoria: Educação

Os estudantes interessados em participar do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) no segundo semestre de 2018 podem contar com a garantia de percentual de financiamento mínimo de 50% do curso escolhido, além da ampliação do valor máximo do benefício por semestre. Antes, a quantia financiável era de até R$ 30 mil, referente a cada período de seis meses, e a partir de agora será de R$ 42.983. O anúncio dessas novidades foi feito pelo ministro da Educação, Rossieli Soares, em coletiva de imprensa nesta quarta-feira, 6, na sede do MEC, em Brasília.



“Essas mudanças foram realizadas ouvindo todas as partes envolvidas, alunos, instituições de ensino superior, comitê gestor do Fies e aqueles que participaram das avaliações do Fies, neste primeiro semestre”, disse Rossieli. “Com essas melhorias, entendemos que mais candidatos podem se beneficiar com o programa, sobretudo com a ampliação do teto”, observou, ao avaliar que as adaptações permitirão um fundo de financiamento mais sustentável, robusto e atrativo para os interessados.



As novas regras anunciadas para o financiamento estudantil serão válidas a partir da edição do segundo semestre deste ano. Os candidatos ao Novo Fies devem fazer suas inscrições, exclusivamente, pela internet, a partir do mês de julho. No total, estão sendo ofertadas 310 mil vagas em 2018, sendo 155 mil para os últimos seis meses do ano. O Novo Fies, sancionado em 7 de dezembro de 2017 pelo presidente da República, Michel Temer, é uma política pública sustentável, dirigida aos mais pobres, que preserva o equilíbrio financeiro.



Em 2016, o ônus fiscal do Fies foi de R$ 32 bilhões, valor 15 vezes superior ao custo apresentado em 2011. Tais números, juntamente com um fundo garantidor insuficiente, colocavam em risco a existência do programa e a manutenção do ritmo de cessão de bolsas. “No modelo anterior, tivemos um percentual de inadimplência bastante elevado, de 61%, o que gerou uma ausência de sustentabilidade para o programa”, afirmou Rossieli.



CG-Fies – Para formular a política de oferta de financiamento e supervisionar a execução das operações do Fies, foi criado, em setembro de 2017, o Comitê Gestor do Fundo de Financiamento Estudantil (CG-Fies), que, composto por representantes do MEC, do Ministério da Fazenda, do Ministério do Planejamento, Ministério da Integração Nacional e da Casa Civil, realiza encontros regulares a fim de garantir a sustentabilidade do programa a longo prazo.



Modalidades – Uma avaliação conjunta entre gestores do programa, instituições de ensino superior e financeiras apresentou pontos de melhoria no Fies. Um deles é na modelagem, com ajustes relevantes e sem prejudicar a sustentabilidade e a atratividade do fundo.



Do total de vagas, 100 mil têm juro zero e correspondem ao financiamento oferecido diretamente pelo governo para o estudante. São reservadas a candidatos com renda familiar per capita mensal de até três salários mínimos. Essa modalidade tem o Fundo Garantidor composto de recursos da União e aportes das instituições de ensino. Por esse sistema de financiamento, o aluno paga as prestações de acordo com sua capacidade de renda, o que faz com que os encargos a serem quitados diminuam consideravelmente.



As outras duas modalidades, chamadas de P-Fies, destinam-se a estudantes com renda familiar de até cinco salários mínimos. Para atender a essa parcela de candidatos, o Novo Fies tem recursos dos Fundos Constitucionais e de Desenvolvimento. O Fies 2, por exemplo, oferta 150 mil vagas e atende estudantes do Norte, Nordeste e Centro-Oeste, tendo como fonte de financiamento recursos de fundos constitucionais dessas regiões.



Dentro do Fies 3, são oferecidas 60 mil vagas para todo o Brasil, sendo os recursos oriundos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Em ambos os casos, a taxa de juros vai variar de acordo com a instituição financeira na qual foi fechado o financiamento.



Assessoria de Comunicação Social


Aulas asseguradas nas escolas e creches nesta quarta-feira em Petrolina

por Gabriela Canário 30 de Maio de 2018 às 07:55
categoria: Educação

As aulas da rede municipal de ensino de Petrolina foram retomadas na manhã desta terça-feira (29) após um levantamento  da prefeitura apontar que o serviço poderia continuar sem prejuízo pedagógico ou administrativo. As atividades haviam sido suspensas na segunda-feira (28) devido à crise dos combustíveis. 

Segundo a secretária interina de Educação, Larissa Soeiro, todas as medidas administrativas para garantir o pleno funcionamento das creches e escolas foram tomadas. “Em uma grande força-tarefa, capitaneada pelo nosso prefeito Miguel Coelho, conseguimos atender as escolas com o suprimento de gás de cozinha, merenda, material de higiene e limpeza, além de todos os ônibus escolares estarem rodando”, ressaltou.

A Secretaria de Educação (Sedu) garante que as unidades escolares continuarão funcionando nesta quarta-feira (30). “Mesmo com todas as questões de mobilidade de pais e profissionais, nossas equipes estão preparadas para cumprir o calendário letivo”, finaliza a gestora da pasta.


Servidores da UPE protestam por atrasos de salários e cortes de verbas

por Gabriela Canário 24 de Maio de 2018 às 10:54
categoria: Educação

Servidores da Universidade de Pernambuco (UPE), em Petrolina, realizaram um protesto na noite de quarta-feira, dia 23, no prédio da unidade, onde dialogaram sobre as adversidades encontradas no exercício de suas funções. De acordo com a classe, eles reivindicam contra corte de verbas, corte de bolsas, falta de pagamento de professores contratados e a precarização em geral da universidade.

No encontro, ficou acordado que será feito um abaixo assinado contra as contratações por convite e a criação do cargo de professor substituto, que, no caso, ganharia o mesmo que os efetivos. Um novo ato deve ser realizado na próxima semana fora do ambiente universitário.


MEC libera R$ 29,5 milhões para auxiliar municípios pernambucanos em questões emergenciais

por Gabriela Canário 23 de Maio de 2018 às 08:27
categoria: Educação

O Ministério da Educação disponibilizou um montante de R$ 29.544.570,46 para auxiliar as prefeituras municipais do estado de Pernambuco a superar dificuldades financeiras emergenciais. No total, R$ 600 milhões foram liberados para as mais de 5,5 mil cidades brasileiras que recebem o Fundo de Participação dos Municípios (FPM). O anúncio da liberação foi feito pelo presidente da República, Michel Temer, nesta terça-feira, 22, durante a abertura da 21ª Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios – Marcha dos Prefeitos. A resolução do Ministério da Educação que estabelece os critérios de distribuição dos recursos foi publicada no Diário Oficial da União de segunda-feira, 21.



O ministro da Educação, Rossieli Soares, destacou que esses recursos deverão ser utilizados pelas prefeituras com foco na melhoria da aprendizagem dos estudantes. “Cada gestor sabe da necessidade que é mais urgente em sua rede”, pontuou. “Aqui, pelo Ministério, esperamos que os gestores de cada município utilizem esse recurso sempre com foco na melhoria da aprendizagem dos nossos estudantes, seja investindo em programas como o Novo Mais Educação ou em outras necessidades – mas que o foco seja sempre o estudante”.



A parcela destinada a cada ente federativo foi calculada nas mesmas proporções aplicáveis ao FPM, que leva em consideração a população de cada município e a renda per capita de cada estado, a partir de dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os recursos distribuídos deverão cobrir despesas e custeio de ações na área educacional, e o MEC orienta que os gestores priorizem as iniciativas previstas no Programa Novo Mais Educação, com foco na melhoria da aprendizagem em língua portuguesa e matemática para alunos do ensino fundamental.



O uso dos recursos também deverá obedecer ao disposto no artigo 70 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) - Lei 9394/96, que prevê aplicação na manutenção e desenvolvimento do ensino; remuneração e aperfeiçoamento do pessoal; fechamento da folha de pagamento dos professores; aquisição, manutenção, construção e conservação de instalações e equipamentos; aquisição de material didático-escolar e manutenção do transporte escolar.



Educação – O montante anunciado faz parte dos R$ 2 bilhões destinados à saúde e à educação, conforme previsto na Medida Provisória nº 815, publicada em 29 de dezembro de 2017. A MP dispõe sobre a prestação de apoio financeiro da União aos entes federativos que recebem o FPM no exercício de 2018. A parcela destinada a cada um dos municípios foi calculada pela Secretaria do Tesouro Nacional com base nas mesmas proporções aplicáveis ao FPM.


Estudantes têm até esta sexta-feira para se inscrever no Enem

por Adriana Rodrigues 18 de Maio de 2018 às 10:10
categoria: Educação

Termina hoje (18) às 23h59 (horário de Brasília) o prazo para os estudantes se inscreverem no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2018. As inscrições são feitas pela internet, na página do participante.

Mesmo os candidatos que pediram a isenção da taxa do Enem devem fazer a inscrição para a prova. Para se inscrever, o participante deverá apresentar o número do CPF (Cadastro de Pessoa Física) e do documento de identidade e criar uma senha. O candidato precisa também informar um endereço de e-mail válido e um número de telefone fixo ou celular, que será usado para enviar informações sobre o exame.

O pagamento da taxa de inscrição para quem não conseguiu a isenção, no valor de R$ 82, deve ser feito até 23 de maio nas agências bancárias, casas lotéricas e agências dos Correios.

Com o fim do prazo de inscrição, também fica encerrada a possibilidade de alterar dados cadastrais, o município onde o estudante quer fazer a prova e a opção de língua estrangeira. Os candidatos que precisarem de atendimento especializado têm que fazer o pedido no ato da inscrição.

Para o uso do nome social na prova do Enem, o pedido poderá ser feito entre os dias 28 de maio e 3 de junho. As provas do Enem serão aplicadas em dois domingos, nos dias 4 e 11 de novembro. Os resultados serão divulgados em janeiro.


Creches de Petrolina registram recorde de matrículas

por Adriana Rodrigues 17 de Maio de 2018 às 08:54
categoria: Educação

As unidades dos Centros Municipais de Educação Infantil (CMEI) e do Programa Nova Semente alcançaram um número recorde de matrículas em 2018. Ao todo foram inscritas de 17.400 crianças neste ano na rede municipal de Petrolina. Esse número representa um crescimento de  2800 matrículas, quase 20% em relação a 2016.

O recorde não deve durar muito tempo, já que a Prefeitura de Petrolina está expandindo o número de creches de alto padrão do tipo CMEI. Quatro novas unidades já estão em construção nos bairros Vila Eulália, Antônio Cassimiro, Vila Marcela e Henrique Leite. Outros seis CMEI devem ter obras iniciadas até julho, o que ampliará em pelo menos 2 mil vagas ofertadas para as crianças petrolinenses.

Além de mais disponibilidade para matrículas, a Prefeitura de Petrolina investiu na melhoria do atendimento, infraestrutura e ensino nas creches. Pela primeira vez, todas as unidades da primeira infância contam com professores para iniciar o processo de aprendizagem antes de as crianças entrarem nas escolas municipais. Também foram adquiridos novos fardamentos, kits pedagógicos e implantado o programa  “Crescer Saudável” para incentivar o consumo de alimentos mais nutritivos  no público atendido na rede municipal.

Segundo o prefeito Miguel Coelho, a educação na primeira infância é uma das principais prioridades da gestão, mantendo os investimentos com uma entrega maior de serviços e alcance mais amplo. “Hoje, as creches tem mais qualidade, professores nas salas e um número maior de crianças atendidas. Essa melhoria toda ocorreu investindo de forma mais eficiente e responsável, sem que a população tenha que pagar mensalidade ou fazer rifa para garantir o atendimento nas creches como se fazia antes”, explica o prefeito.


Última semana para inscrições no Prêmio Itaú-Unicef

por Gabriela Canário 14 de Maio de 2018 às 17:05
categoria: Educação

Há 23 anos reconhecendo iniciativas de educação integral no País, o Prêmio Itaú-Unicef abre inscrições para sua 13ª edição. O objetivo da premiação é identificar, estimular e dar visibilidade aos projetos que contribuem para garantir o desenvolvimento integral de crianças e adolescentes entre 6 e 18 anos, em situação de vulnerabilidade social. Neste ano, apremiação terá um aporte 47,5% maior que de 2017, totalizando R$ 5,9 milhões.

O Prêmio, que até o ano passado reconhecia parcerias entre organizações da sociedade civil (OSCs) e escolas públicas, ganha uma nova categoria, dedicada a ações realizadas exclusivamente por OSCs. “O Prêmio procura dar visibilidade a boas práticas que são mobilizadoras e incentivam outras organizações a também desenvolverem ações que promovam o desenvolvimento integral de crianças e adolescentes. O novo formato visa ampliar o alcance do Prêmio e atingir um maior número de ações e localidades beneficiadas”, explica a gerente de Fomento do Itaú Social, Camila Feldberg.

"Cada criança e cada adolescente precisa de muitos espaços para aprender e desenvolver suas habilidades. Ao longo de sua história, o prêmio vem mostrando que é possível construir, junto com as organizações da sociedade civil, uma escola não para as crianças, mas das crianças, das famílias, das comunidades. Nessa nova edição vamos dar continuidade ao ciclo virtuoso que vem transformando a educação de meninas e meninos em todo o Brasil", explica Florence Bauer, Representante do UNICEF no Brasil.

As inscrições podem ser realizadas até a próxima segunda-feira, 21 de maio, no site premioitauunicef.org.br, onde está publicado também o regulamento. Dúvidas podem ser esclarecidas pelo telefone 0800-701-7104.

O Prêmio

O Prêmio Itaú-Unicef é uma iniciativa do Itaú Social e do Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), com coordenação técnica do Cenpec (Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária).

De acordo com a superintendente do Cenpec, Mônica Gardelli Franco, ao longo de toda sua trajetória, o Prêmio tem tido um papel fundamental na promoção da educação integral de qualidade e na superação das desigualdades sociais no Brasil. “Isso se deve ao fortalecimento de organizações da sociedade civil e de suas articulações com os projetos políticos pedagógicos das escolas públicas”, destaca. “Unindo a premiação de projetos a ações de formação dos diferentes atores educacionais, o Prêmio integra escolas, organizações e territórios, na perspectiva da garantia de direitos de nossas crianças, adolescentes e jovens”.

Na categoria OSC em Ação, deverão ser inscritos os projetos concebidos, planejados e executados pela organização e que sejam oferecidos diretamente para crianças e adolescentes. Na categoria Parceria em Ação, participam ações realizadas obrigatoriamente em parceria entre OSC e escola pública.

Etapas de seleção   

A avaliação dos projetos considera a forma como incorporam as oportunidades educativas existentes no município para potencializar suas ações, bem como o envolvimento dos participantes nos processos de planejamento, execução e monitoramento.

Em agosto, serão conhecidos os 100 projetos semifinalistas, sendo 60 na categoria OSC em Ação e 40 na categoria Parceria em Ação. Cada OSC semifinalista receberá o valor deR$ 20 mil, já as parcerias semifinalistas receberão R$ 40 mil, sendo R$ 20 mil para a OSC e R$ 20 mil para a escola. A partir deste grupo, haverá, em setembro, a seleção de 30 projetos finalistas, sendo 20 OSCs, que receberão mais R$ 40 mil cada, e 10 parcerias que serão premiadas com mais R$ 100 mil, sendo R$ 50 mil para a OSC e R$ 50 mil para a escola.

Os seis projetos vencedores nacionais serão anunciados em novembro. A categoria OSCs terá quatro premiadas por ordem de colocação (1º lugar R$ 150 mil, 2º lugar R$ 140 mil, 3º lugar R$ 130 mil e 4º lugar R$ 120 mil). Na categoria Parceria, serão duas vencedoras. O 1º lugar recebe mais R$ 400 mil e o 2º lugar, R$ 360 mil, valores divididos igualmente entre a organização e a escola.

A 12ª edição, realizada em 2017, recebeu 1.651 inscrições de parcerias formadas por organizações da sociedade civil e escolas públicas. Foram concedidos R$ 4 milhões em prêmios a 96 parcerias reconhecidas nas diversas fases, beneficiando mais de 19 mil crianças em todas as regiões do país. As quatro vencedoras nacionais receberam R$ 130 mil por organizações e escolas. Desde a primeira edição do Prêmio, foram registradas mais de 17 mil inscrições e 1.750 cidades tiveram ações contempladas.

Os projetos premiados no ano passado foram: Circulando a Cultura na Escola (Major Sales / RN); Aluno repórter – a imprensa na escola (Bragança / PA); Projeto Olho Vivo (Niterói / RJ); Cultura, Esporte e Cidadania (Criciúma / SC).


Garota de 11 anos transforma becos de comunidade no Recife em sala de aula para crianças

por Gabriela Canário 13 de Maio de 2018 às 12:00
categoria: Educação

Do G1 PE

Em meio aos incontáveis becos que dão acesso às vielas da comunidade de Roda de Fogo, na Zona Oeste do Recife, uma cena se destaca a cada noite. No chão de cimento batido, Stheffany Rafaela da Silva, de 11 anos, voluntariamente dá aulas de reforço escolar a outras crianças. Às vezes sem mais que um lápis na mão e um olhar atento, 15 meninos e meninas se reúnem diariamente para aprender com a garota.

As aulas começaram no ano passado como uma brincadeira, quando uma amiga da comunidade decidiu brincar de “escolinha”, dando a Stheffany a primeira experiência como professora. Pouco tempo depois, a amiga mudou-se da comunidade e, assim, coube a Stheffany o papel de transformar os becos e os quase inexistentes recursos em sala de aula.

“Dou aula de todas as matérias, todos os dias. Não escolho apenas um assunto para dar aula. Fazemos sempre todas as que temos nos livros, no tempo que dá. E todo mundo vem, raramente alguém falta. Exceto na sexta-feira”, conta.

Aos 11 anos, Stheffany quer ser professora de matemática (Foto: Aldo Carneiro/Pernambuco Press)

Aos 11 anos, Stheffany quer ser professora de matemática (Foto: Aldo Carneiro/Pernambuco Press)

Apesar de não escolher um único tema para lecionar, Stheffany elegeu a matemática como sua disciplina favorita, seja para estudar ou passar para as crianças a quem dá aula. Apesar da pouca idade, ela já tem a certeza da profissão que quer desempenhar no futuro.

 

“Quero fazer faculdade para ser professora, primeiro, para dar aula de tudo. Depois, só de matemática, porque é o que eu mais gosto”, afirma Stheffany.

 

A maioria dos estudantes de Stheffany tem menos de dez anos, mas a idade não é barreira para a desenvoltura da pequena professora. A garota chega a ter, inclusive, alunos mais velhos que ela, a exemplo de um de 12 anos, por exemplo.

Stheffany é estudante do 6º ano em uma escola particular do Recife (Foto: Aldo Carneiro/Pernambuco Press)

Stheffany é estudante do 6º ano em uma escola particular do Recife (Foto: Aldo Carneiro/Pernambuco Press)

No colégio onde estudava, a Escola Pintor Lauro Villares, a garota já era conhecida por das aulas nos becos da Roda de Fogo. Por causa disso, Stheffany ganhou uma bolsa em uma escola particular da região, onde começou a estudar no fim de abril deste ano, custeada por uma pessoa que se sensibilizou com a história da pequena professora.

Para incentivar as crianças a irem às aulas, sem muitos recursos, Stheffany pede na comunidade doces e materiais para cozinhar, com a mãe, guloseimas e oferecer aos estudantes. Sustentando a casa com o dinheiro do Bolsa Família, a mãe de Stheffany, Rafaela da Silva, de 29 anos, vê na filha a realização de seus sonhos. Segundo ela, desde muito nova, a garota demonstra gosto por estudar.

“Ela nunca deu trabalho com relação aos estudos, sempre foi uma menina muito calma, exceto, claro, pelos momentos de estresse, como toda criança tem. Todos os dias, à noite, ela dizia que ia brincar de escolinha. Eu sempre me preocupava para que ela não ficasse na casa dos outros, perturbando”, diz Rafaela.

Stheffany ganhou bolsa de estudos em uma escola particular (Foto: Aldo Carneiro/Pernambuco Press)

Stheffany ganhou bolsa de estudos em uma escola particular (Foto: Aldo Carneiro/Pernambuco Press)

Durante a semana, são raros os momentos em que o lazer de Stheffany não tem a ver com estudo. Após voltar da escola, ela passa as tardes no Centro Comunitário da Paz (Compaz) Escritor Ariano Suassuna, no bairro do Cordeiro, na Zona Oeste do Recife. No local, ela participa de aulas de dança, natação e da oficina de artesanato “Faça você mesmo”.

“Nos dias de hoje, está tão difícil fazer as crianças quererem estudar. Tenho muito orgulho dela. Eu saí da escola no 9º ano do ensino fundamental e sempre digo a ela que continue com essa sede por estudo. Quero que ela siga em frente e alcance todos os sonhos que tiver”, ressalta a mãe, orgulhosa.


Prefeitura de Petrolina inicia construção de nova creche na Vila Marcela

por Gabriela Canário 11 de Maio de 2018 às 15:00
categoria: Educação

As crianças das comunidades da Vila Marcela e Loteamento Recife II ganharão um espaço de aprendizagem de alta qualidade. O prefeito Miguel Coelho autorizou, na noite desta quinta (10), o início da construção de uma nova creche. O equipamento localizado na Vila Marcela teve os serviços oficialmente iniciados num ato simbólico com a presença do senador Fernando Bezerra, do deputado Fernando Filho, vereadores e moradores da comunidade.

A unidade de ensino é de alto padrão, com conceito especificado pelo Ministério da Educação. A estrutura será destinada a 250 crianças da Vila Marcela e Loteamento Recife II com seis salas, fraldário, espaço de amamentação, lactários, jardins, horta, área administrativa, sanitários entre outros equipamentos.

Para a construção do Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) da Vila Marcela, será investido R$ 1,2 milhão. A expectativa é de que em dez meses as obras sejam concluídas.

Além da creche da Vila Marcela, a Prefeitura iniciou a construção de CMEIs no Antonio Cassimiro, Henrique Leite e Vila Eulália. “Essas novas creches irão ampliar ainda mais a capacidade de atendimento na primeira infância. Saltamos de 14 mil matrículas para 17 mil alunos matriculados no CMEI e Nova Semente em apenas um ano. Isso mostra o compromisso de nosso governo com a formação das crianças de Petrolina”, enumerou o prefeito Miguel Coelho.