asdasdasdasd

Petrobras aprova acordo para encerrar ação judicial nos Estados Unidos

por Mônia Ramos 20 de Junho de 2017 às 07:02
categoria: Economia

O Conselho de Administração da Petrobras nesta segunda-feira (19) a celebração de um acordo para encerrar uma ação individual proposta perante a Corte Federal da Pensilvânia, nos Estados Unidos, por um grupo de afiliadas do The Vanguard Group. De acordo com a nota divulgada pela estatal, o Vanguard é um dos maiores acionistas da petroleira, após a União Federal e entidades relacionadas. As ações judiciais são de investidores que se sentiram prejudicados após as denúncias do esquema de corrupção apuradas pela Operação Lava Jato.

A companhia já havia concluído acordos, entre outubro de 2016 e fevereiro de 2017, para encerrar outras 19 ações individuais apresentadas perante a Corte Federal de Nova York, também nos Estados Unidos.

Ainda conforme a Petrobras, um total de 27 ações individuais foram consolidadas, para fins de julgamento, em conjunto com uma ação coletiva (class action) na Corte Federal de Nova York. A ação judicial do Vanguard era a única proposta fora daquela cidade.

Para cobrir os valores correspondentes aos acordos realizados e as negociações em curso, o total de provisões estimado atingiu US$ 445 milhões para o 2º trimestre de 2017. Desse valor, segundo a estatal, já tinham sido provisionados US$ 372 milhões no exercício de 2016.

A Petrobras informou que, no momento, não é possível fazer uma estimativa confiável sobre o desfecho da class action.

“Esses acordos, cujos termos são confidenciais, têm como objetivo eliminar incertezas, ônus e custos associados à continuidade dessas disputas e não constituem qualquer reconhecimento de responsabilidade por parte da Petrobras, que continuará se defendendo firmemente nas demais ações em andamento”, completou a empresa. (Com informações da Agência Brasil)


Inflação deve cair com redução de preços de combustíveis, diz presidente do BC

por Mônia Ramos 9 de Junho de 2017 às 16:16
categoria: Economia

A redução dos preços de combustíveis e a volta da bandeira verde nos preços da energia elétrica devem reduzir a inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), em 0,3 ponto percentual neste mês.

A estimativa é do presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, que participou de café da manhã promovido desta sexta-feira (9)  pela Câmara de Comércio França-Brasil (CCIFB), em São Paulo.

Entretanto, Goldfajn disse que “essas oscilações pontuais não têm implicação relevante” para as decisões sobre a taxa básica de juros, a Selic. O presidente do BC reforçou que uma redução moderada no ritmo de cortes na Selic é adequada.

Na última terça-feira, na ata do Comitê de Política Monetária (Copom), responsável por definir a Selic, o BC já deu a sinalização de que diminuirá o ritmo de cortes. No dia 31 de maio, o Copom reduziu a Selic em 1 ponto percentual para 10,25% ao ano.

Projeções de inflação

Segundo Goldfajn, com projeções de inflação em torno da meta para 2018 e um pouco abaixo em 2017 e “elevado grau de ociosidade na economia, o cenário prescreve a continuidade do ciclo” de cortes da Selic, já considerando os atuais riscos. A meta de inflação é 4,5% com limite inferior em 3%.

Goldfajjn disse que a crise política aumentou a incerteza dos agentes econômicos “quanto à velocidade de adoção das reformas e de ajustes na economia”.

“Mas a economia brasileira apresenta hoje uma maior capacidade de absorver eventual revés, devido à situação mais robusta de seu balanço de pagamentos e ao progresso no processo desinflacionário e na ancoragem das expectativas”, afirmou.

“A atividade econômica dá sinais de estabilização no curto prazo e perspectiva de recuperação, mas a retomada da economia pode ser mais ou menos demorada e gradual do que a antecipada. A manutenção, por tempo prolongado de níveis de incerteza elevados sobre a evolução do processo de reformas e ajustes na economia, pode ter impacto negativo sobre a atividade econômica”, finalizou.(Com informações da Agência Brasil)


Dólar dispara e chega a R$ 3,43, após denúncias envolvendo Temer

por Karine Paixão 18 de Maio de 2017 às 17:46
categoria: Economia



 

O dólar opera em forte alta em relação ao real nesta quinta-feira (18), com os mercados reagindo à forte turbulência política iniciada na noite de quarta-feira, quando o jornal "O Globo" publicou notícia de que o dono da empresa JBS gravou o presidente da república, Michel Temer, dando aval para comprar silêncio do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha.

Às 16h30, a moeda norte-americana subia 7,92%, cotada a R$ 3,3818 na venda, após chegar a operar a R$ 3,43 mais cedo. Veja a cotação do dólar hoje.

A alta desta quinta supera os picos de nervosismos da crise de 2008. Pela manhã, a moeda chegou a subir 9,45%.

O dia nos mercados de câmbio e juros do Brasil é típico de momentos de pânico, e nas mesas de operações predomina um clima de incerteza, pois o mercado não precificava tamanha crise política no país e, diante de uma reversão do cenário doméstico, os agentes financeiros buscam zerar suas posições no câmbio.

Os negócios no mercado à vista demoraram a acontecer pela manhã, com os investidores evitando tomar posições. Diante disso, o Banco Central anunciou nova intervenção no mercado, com 2 leilões de contratos de swaps tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares, e que não eram voltados para rolagem de contratos já existentes.

O economista Roberto Troster credita a forte alta desta quinta-feira não apenas às incertezas geradas pelas turbulências políticas, mas também ao chamado “efeito manada”. “Não existe nada mais covarde que o dinheiro, e há uma coisa que se chama comportamento em manada”, afirmou em entrevista ao G1.

Ele explica que a primeira reação dos investidores é comprar dólar. “Primeiro porque as pessoas buscam refúgio no dólar e segundo porque os investidores estrangeiros, que entendem menos de Brasil, estão vendendo suas ações. Essa saída de dólares da Bovespa afeta o câmbio.”

O economista chefe da Gradual Investimentos, André Perfeito, diz que o mercado já está precificando a saída de Temer da presidência, na espera apenas de detalhes de como será a transição. “A discussão do mercado agora é como vai se permitir um ciclo de transição que permita a continuidade das reformas econômicas no Brasil.”

O economista chefe da Infinity Asset, Jason Vieira, disse que o discurso de Michel Temer nesta tarde reforçou o clima de incertezas no mercado sobre o andamento das reformas econômicas. Em seu pronunciamento, Temer disse que não renunciaria ao cargo de presidente da República.

“Na verdade, nós estamos mais em dúvida do que antes. O mercado sentiu um posicionamento seguro no discurso, o que abre a primeira dúvida: ele está fazendo um movimento de autodefesa?”, diz Vieira. “O segundo ponto é: se ele [Temer] estiver certo, como é que vai ser no futuro com o PSDB pulando fora do barco rápido como pulou?”

Intervenção do BC

Em meio à forte turbulência, o Banco Central anunciou nova intervenção no mercado, com leilão de swaps tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares, e que não eram voltados para rolagem de contratos já existentes.

"Depois do pânico inicial, o mercado está aguardando novos desdobramentos. Os leilões do BC aliviaram suavemente as cotações", afirmou à Reuters o operador da Advanced Corretora, Alessandro Faganello.

Segundo a agência, o BC vendeu integralmente, em dois leilões, a oferta integral de até 40 mil swaps tradicionais. O BC também vendeu a oferta total de 8 mil swaps para a rolagem do vencimento de junho, no valor total de US$ 4,435 bilhões. (G1)

 


Dia das Mães deve injetar cerca de R$ 14 bi em comércio e serviços

por Karine Paixão 5 de Maio de 2017 às 06:40
categoria: Economia

 



O Dia das Mães deve injetar cerca de R$ 14 bilhões de reais nos setores de comércio e serviços, conforme pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) divulgada antecipadamente para o Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado. Segundo estimativas das instituições, 109 milhões de brasileiros devem comprar algum presente na segunda data mais importante para o comércio do ano.

O presidente da CNDL, Honório Pinheiro, diz que o Dia das Mães pode servir de termômetro para atividade varejista. "Há alguns sinais ainda incipientes de que o varejo deve iniciar uma trajetória lenta de recuperação a partir deste semestre. De modo geral, a pesquisa demonstra que o brasileiro está cauteloso, mas ainda disposto a não deixar a data passar em branco", afirma.

A pesquisa do SPC Brasil e da CNDL mostra ainda que 73% dos brasileiros devem comprar no Dia das Mães, mas apenas 10% disseram que pretendem gastar mais do que no ano passado. A maior parte (38%) planeja desembolsar a mesma quantia que em 2016, enquanto 27% pensam em diminuir. Os consumidores que não vão comprar presentes representam 25% da amostra e os indecisos são 2%.

A necessidade de economizar é a razão mais mencionada por aqueles que pretendem gastar menos no Dia das Mães (46%), mas as dificuldades financeiras também são citadas por 29% dos entrevistados. De acordo com a pesquisa, 28% dos entrevistados declararam ter atualmente alguma conta em atraso.

Dentre a minoria que quer comprar um presente mais caro este ano, o principal argumento é o desejo de adquirir um produto melhor (43%), seguido da percepção de que os itens estão com preços mais elevados (40%).

"Para evitar que uma data comemorativa leve o consumidor ao descontrole das finanças, ele precisa ser um consumidor planejado. A pesquisa de preços é uma grande aliada nesses momentos e será realizada por 75% dos compradores neste ano, pelo que apontou o nosso estudo", diz a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

Segundo o levantamento, o gasto médio com os presentes será de cerca de R$ 127 e a principal forma de pagamento será à vista (65%).

Pesquisa

As instituições informaram que foram ouvidos, pessoalmente, 849 consumidores de ambos os gêneros, acima de 18 anos e de todas as classes sociais nas 27 capitais do País. Para avaliar o perfil de compra, foram considerados 600 casos da amostra inicial que têm a intenção de comprar presentes. A margem de erro desta amostra é de no máximo 4 pontos porcentuais e a margem de confiança, de 95%. (Agência Brasil)


Embaixadora dos Emirados Árabes reconhece potenciais do desenvolvimento de Petrolina

por Karine Paixão 3 de Maio de 2017 às 19:44
categoria: Economia

Nesta quarta-feira (3) a embaixadora dos Emirados Árabes Unidos, Hafsa Abdullah Mohamed, desembarcou em Petrolina e conheceu vários setores da cidade. Com o prefeito Miguel Coelho (PSB) ela visitou sedes dos programas sociais desenvolvidos no município, em seguida seguiu para Universidade Federal do Vale do São Francisco e, por fim, visitou uma fazenda de uvas antes de retornar para Brasília.

A vinda da embaixadora foi uma articulação do deputado federal Guilherme Coelho, promovendo o conhecimento da diplomata acerca do desenvolvimento da cidade.

Em entrevista ao Nossa Voz, Hafsa Abdullah explicou que os Emirados Árabes funcionam como um distribuidor de produtos e considerou sua visita a Petrolina muito produtiva. “A ideia é que eu preciso sair de Brasília para conhecer as diferentes regiões do Brasil e identificar qual o potencial de colaboração entre esses dois países e saber tudo de que tem de interessante para trazer de relação entre esses dois países.

 Eles na verdade escolheram Petrolina porque a cidade tem tido um desenvolvimento muito grande no setor de fruticultura, principalmente em mangas e uvas e a empresa Labrunuer já tem um relacionamento de longa data com clientes nos Emirados Árabes Unidos e a gente vai intensificar e levar mais frutas do que já levam hoje”.

O gerente comercial da fazenda de uvas Áryan Schut destacou a importância de apresentar o modo de produção da propriedade e destacou a articulação feita por Guilherme Coelho, que poderá render a ampliação das exportações no Vale do São Francisco. “A gente está trabalhando para intensificar essa relação e uma visita da embaixadora aqui em uma das nossas fazendas é de extrema importância não só para estreitar as relações entre os dois países e não só para gente como para todo o setor de fruticultura mostrando qual trabalho está sendo feito, o nível de tecnologia que está sendo aplicada e a capacidade de abastecimento da nossa região para a deles. Para a gente continuar crescendo no Vale junto com todos os projetos de irrigação e com a exportação do Brasil é preciso esse trabalho de articulação com as embaixadas.


Termina amanhã prazo para declarar Imposto de Renda

por Adriana Rodrigues 27 de Abril de 2017 às 12:00
categoria: Economia

Nesta sexta-feira (28), às 23h59, termina o prazo para a entrega da declaração do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) 2017. Até 17h dessa quarta-feira (26), 7,5 milhões de 28,3 milhões de declarações que a Receita Federal projeta receber ainda não haviam sido entregues. Mas o superintendente do Imposto de Renda, Joaquim Adir, diz que a meta será cumprida “sem dúvida”.

Explica que já é esperado que boa parte dos contribuintes deixe a entrega para a última hora. No caso de pessoas que não poderão fazer a declaração completa em tempo hábil, ele diz que, na maioria dos casos, o melhor é entregar incompleta e fazer a retificação mais tarde.

No entanto, ele lembra que nem sempre a recomendação significa que o contribuinte não terá despesas. Caso, após a entrega, se constate na declaração retificadora que há imposto a pagar ou diferença de valor em relação à declaração original, por exemplo, o contribuinte deverá pagar multa sobre esse imposto.

A declaração é obrigatória para quem recebeu rendimentos tributáveis superiores a R$ 28.559,70 no ano passado. Precisa ainda declarar quem recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ 40 mil; quem obteve, em qualquer mês de 2016, ganho de capital na alienação de bens ou direitos sujeito à incidência do imposto ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias e de futuros.


Mais de 11,8 milhões ainda não entregaram declaração do Imposto de Renda

por Karine Paixão 24 de Abril de 2017 às 16:15
categoria: Economia

 



A Receita Federal recebeu 16,5 milhões de declarações de Imposto de Renda até às 11h de hoje (24). A expectativa é que 28,3 milhões de contribuintes entreguem o documento. O prazo de entrega, que começou no dia 2 de março, vai até às 23h59min59s da próxima sexta-feira (28).

A Receita alerta que os contribuintes que perderem o prazo estarão sujeitos ao pagamento de multa mínima de R$ 165,74 e máxima de 20% do imposto devido.

O programa gerador da declaração está disponível no site da Receita Federal. A declaração do Imposto de Renda é obrigatória para quem recebeu rendimentos tributáveis superiores a R$ 28.559,70 no ano passado.

Neste ano, a declaração do Imposto de Renda teve uma série de mudanças. As principais são a redução da idade mínima -  de 14 para 12 anos - na apresentação do CPF (Cadastro de Pessoa Física) de dependentes e a incorporação do Receitanet, programa usado para transmitir a declaração ao programa gerador do documento.

Declaração é indispensável

Precisa ainda declarar o Imposto de Renda quem recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ 40 mil; quem obteve, em qualquer mês de 2016, ganho de capital na alienação de bens ou direitos sujeito à incidência do imposto ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias e de futuros.

Quando se trata de atividade rural, é obrigado a declarar o contribuinte com renda bruta superior a R$ 142.798,50; quem pretende compensar prejuízos do ano-calendário 2016 ou posteriores ou quem teve, em 31 de dezembro do ano passado, a posse ou propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, com valor total superior a R$ 300 mil.

A Receita Federal pagará a restituição do Imposto de Renda Pessoa Física em sete lotes, entre junho e dezembro deste ano. O primeiro lote sairá em 16 de junho, o segundo em 17 de julho e o terceiro em 15 de agosto. O quarto, quinto e sexto lotes serão pagos, respectivamente, em 15 de setembro, 16 de outubro e 16 de novembro. O sétimo e último lote está previsto para ser pago em dezembro.

Ao fazer a declaração, o contribuinte deve indicar a agência e a conta bancária na qual deseja receber a restituição. Idosos, pessoas com deficiência física, mental ou doença grave têm prioridade para receber a restituição. (Agência Brasil)


Caixa abre mais cedo até quarta para saque de contas inativas do FGTS

por Adriana Rodrigues 10 de Abril de 2017 às 18:28
categoria: Economia



Desta segunda (10) a quarta-feira (12), todas as agências da Caixa abrirão duas horas mais cedo para o atendimento de trabalhadores que precisam sacar ou tirar dúvidas sobre as contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). As unidades que normalmente começam a funcionar para o público às 11h vão operar a partir das 9h. As que abrem às 10h, atenderão a partir das 8h. As que normalmente começam as atividades às 9h, vão funcionar a partir das 8h, com fechamento uma hora mais tarde.

A orientação do banco é de que o trabalhador, ao procurar a agência, leve a Carteira de Trabalho e o termo de rescisão do contrato. Os que vão sacar no autoatendimento devem prestar atenção à mensagem que aparece no terminal, para o caso de ter mais de uma conta inativa. Em todo o país, de acordo com a Caixa, são 3.412 agências com horário especial nestes primeiros dias da segunda etapa de pagamento. Não terão horários especiais os 837 postos de atendimento que ficam no interior de repartições públicas e as oito unidades móveis (caminhões), por não serem caracterizados como agência.Desde sábado (8), 7,7 milhões de brasileiros nascidos em março, abril e maio podem sacar os recursos das contas inativas do FGTS. O valor total disponível para essa segunda fase chega a R$ 11,2 bilhões e equivale a 26% do total disponível. Esses trabalhadores têm até 31 de julho para fazer o saque, caso não recebam automaticamente em conta.

A Caixa lembra que apenas o trabalhador que pediu demissão ou foi demitido por justa causa até o dia 31 de dezembro de 2015 tem contas inativas aptas a serem sacadas. (Fonte: Folha-PE)


Prazo para pagamento do IPTU com desconto termina na próxima segunda-feira em Petrolina

por Adriana Rodrigues 6 de Abril de 2017 às 10:07
categoria: Economia

Contribuintes do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), adimplentes com o fisco municipal, têm até o próximo dia 10 de abril para garantir o desconto de 10% da cota única. No mesmo dia também vence a primeira parcela do imposto para aqueles que optarem pelo pagamento parcelado e sem desconto.

A Prefeitura de Petrolina, por meio da Secretaria da Fazenda, iniciou a distribuição dos carnês do imposto no mês de março. No entanto, desde o início de janeiro o documento já estava disponível no site da Prefeitura para impressão da 2ª via. A entrega dos carnês nos domicílios residenciais e empresarial do município já está sendo feita, mas caso o contribuinte ainda não tenha recebido o carnê em sua casa, o mesmo ainda pode ser obtido diretamente no site da Prefeitura (http://www.petrolina.pe.gov.br). Outra opção é procurar o Expresso Cidadão ou a sede da Secretaria da Fazenda.

O dinheiro arrecadado, através do IPTU, será revertido em importantes benefícios e realizações para a manutenção do município, permitindo assim que a Prefeitura possa fazer investimentos em saúde, educação, infraestrutura e demais áreas visando a melhoria da qualidade de vida da população.


Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 36 milhões

por Adriana Rodrigues 6 de Abril de 2017 às 08:31
categoria: Economia

O concurso 1918 da Mega-sena acumulou. De acordo com a Caixa Econômica Federal, o prêmio acumulado para o próximo concurso deve ser de R$ 36 milhões. 

Os números sorteados nesta quarta-feira (5) no Cantagalo (RJ) foram: 16, 17, 20, 22, 38 e 50. Veja o rateio:

Já 67 apostas acertaram a quina e, cada uma, ganhará R$ 44.701,88.

Na quadra, um total de 5.269 apostas acertou - cada uma levará R$ 812,03