asdasdasdasd

Preço médio da gasolina nas refinarias sobe 0,90%, para R$ 1,91

por Adriana Rodrigues 13 de Agosto de 2018 às 12:30
categoria: Economia

A Petrobras anunciou nesta segunda-feira (13) que o preço médio do litro da gasolina A sem tributo nas refinarias, que entra em vigor nesta terça-feira, 14, será de R$ 1,9173, indicando alta de 0,90% em relação ao atual, de R$ 1,9002.

O preço do diesel, por sua vez, segue inalterado desde o dia 1º de junho em R$ 2,0316.


Fundo PIS-Pasep: Caixa e BB liberam R$ 5,5 bilhões para 6,3 milhões de correntistas a partir desta quarta

por Adriana Rodrigues 8 de Agosto de 2018 às 07:34
categoria: Economia

Os pagamentos do Fundo PIS-Pasep voltam a ser realizados aos cotistas de todas as idades que são correntistas da Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil nesta quarta-feira (8). No total, serão 6,3 milhões de pessoas, que receberão o total de R$ 5,5 bilhões, de acordo com o Ministério do Planejamento.

Os cotistas que possuírem conta corrente na Caixa Econômica Federal ou no Banco do Brasil e que estiverem com o cadastro do Fundo PIS-Pasep atualizado receberão o depósito automaticamente, sem necessidade de se dirigir às agências.

De acordo com o cronograma, Caixa e Banco do Brasil começarão a efetuar os depósitos automáticos a partir desta quarta-feira. Devido à compensação noturna, os correntistas desses bancos poderão verificar os valores em suas contas a partir do dia 9 de agosto, na quinta-feira.

Porém, considerando o alto volume de pagamentos envolvido, por segurança, os pagamentos automáticos serão realizados gradualmente no período de uma semana.

A Caixa Econômica Federal é responsável por pagar o dinheiro do PIS aos funcionários da iniciativa privada, e o Banco do Brasil paga o Pasep aos servidores públicos.

Quem trabalhou com carteira assinada na iniciativa privada ou foi servidor público civil ou militar entre 1971 e 1988 tem direito a receber o Fundo PIS-Pasep. A média de valor para cada beneficiário é de R$ 1.375, mas o Ministério do Planejamento afirma que o valor a ser recebido depende de quanto tempo a pessoa trabalhou no período em que vigorou o Fundo PIS-Pasep.


Consumidores vão pagar R$ 1,4 bilhão a mais para cobrir déficit do setor elétrico

por Adriana Rodrigues 8 de Agosto de 2018 às 07:33
categoria: Economia

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) propôs nesta terça-feira (7) uma revisão no orçamento da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) de 2018. A revisão vai significar um custo de R$ 1,446 bilhão para os consumidores, para abastecer o fundo do setor elétrico. O valor será repassado por meio da tarifa de energia, na conta de luz.

A proposta da Aneel ainda passará por audiência pública entre os dias 8 e 28 de agosto, mas o aumento da CDE já será repassado para as tarifas de energia que forem reajustadas a partir desta terça. A audiência servirá para que sejam discutidos detalhes do reajuste.

O diretor-geral da Aneel, Romeu Rufino, afirmou que o reajuste impactará nos próximos processos tarifários. "Por exemplo, hoje nós já deliberamos dois processos. Ele [reajuste] já foi incorporado", disse.

O fundo financia medidas como pagamento de indenizações a empresas; subsídio à conta de luz de famílias de baixa renda; e compra de parte do combustível usado pelas termelétricas que geram energia para a região Norte do país e para programas como o Luz Para Todos.

O aumento foi proposto depois que a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), responsável por administrar o fundo, verificou que o orçamento da CDE de 2018 seria insuficiente para pagar todas as despesas.

Reajustes

A nova despesa deve ser repassada para todas as tarifas que forem reajustadas ainda este ano. Para as empresas que já passaram por reajuste em 2018, o valor só será incluído na tarifa dos consumidores em 2019.


Etanol cai em 18 Estados e no DF, diz ANP

por Adriana Rodrigues 7 de Agosto de 2018 às 07:31
categoria: Economia

Os preços do etanol hidratado nos postos brasileiros recuaram em 18 Estados brasileiros e no Distrito Federal na semana passada, segundo levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) compilado pelo AE-Taxas, serviço da Agência Estado. Em outros sete Estados houve queda e estabilidade no Amapá.

Na média dos postos brasileiros pesquisados pela ANP houve queda de 1,06% no preço do etanol na semana passada.

Em São Paulo, principal Estado produtor e consumidor, a cotação média do hidratado recuou 0,83% sobre a semana anterior, de R$ 2,517 pra R$ 2,496 o litro. No período de um mês os preços do combustível recuaram 7,56% nos postos paulistas.

A maior queda porcentual entre todos os avaliados, de 2,37%, foi no Rio de Janeiro e a maior alta no preço do biocombustível na semana passada, de 1,19%, foi no Rio Grande do Norte.

Além de São Paulo, com o maior recuo mensal, no período de um mês os preços do etanol caíram 18 Estados e no Distrito Federal. Na média brasileira o preço do etanol pesquisado pela ANP acumulou queda de 5,76% na comparação mensal.

O preço mínimo registrado na semana passada para o etanol em um posto foi de R$ 1,999 o litro, em São Paulo, e o máximo individual ficou de R$ 4,799 o litro, no Rio Grande do Sul.

São Paulo tem também o menor preço médio estadual, de R$ 2,496 o litro, e o maior preço médio ocorreu nos postos do Acre, de R$ 4,028 o litro.


Juntas, Petrolina e Juazeiro acumulam cerca de cinco mil empregos gerados em 2018

por Gabriela Canário 24 de Julho de 2018 às 07:00
categoria: Economia

De acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), órgão vinculado ao Ministério do Trabalho (MT), divulgados nesta segunda-feira, dia 23, as cidades de Juazeiro, na Bahia, e Petrolina, em Pernambuco, somam, juntas, a geração de mais de cinco mil novos empregos. Na primeira, o destaque foi para a indústria, totalizando o saldo acumulado do ano de 2018, com novos 2.462 postos de trabalho, o que coloca o município entre os três primeiros do Nordeste.

Para o prefeito da cidade baiana, Paulo Bomfim, o índice elevado é reflexo dos investimentos públicos e que esse número pode aumentar ainda mais. “Atraímos grandes empresas, buscamos investimentos públicos, como a construção de 11 mil residências populares do Minha Casa Minha Vida. E as obras não pararam, pois temos mais de 100 em andamento no município. É hora de comemorar, mas sempre estar atento para que este momento de crescimento não sofra interrupções”, declarou.

Do outro lado da ponte, em Petrolina, nos seis primeiros meses de 2018, o saldo de vagas foi de 2.296 oportunidades com carteira assinada. Com 350 mil habitantes, Petrolina também é destaque na região, ocupando a 4ª posição no Nordeste. Em comparação aos seis primeiros meses de 2017, o aumento foi de 40%. Naquele período, o município acumulou 1.377 postos de trabalho. “O valor representa um aumento considerável, graças à política de incentivo ao emprego”, destaca José Batista da Gama, secretário de Desenvolvimento Econômico e Agrário.

Apenas em junho, último mês da análise da pesquisa, Petrolina registrou um total 3.212 contratações formais. De acordo com dados do Caged, o segmento que mais gerou empregos, impulsionando a economia municipal, foi a agropecuária.


Unidade regional da FIEPE realiza escuta visando elaboração do planejamento estratégico para 2019

por Karine Paixão 19 de Julho de 2018 às 09:34
categoria: Economia

O Conselho Empresarial da Unidade Regional do Sertão do São Francisco (URSF) da Federação das Indústrias de Pernambuco (FIEPE) deu o primeiro passo, na noite desta quarta-feira (18), em Petrolina – PE, para a construção do planejamento estratégico 2019. Durante a escuta, que identificou as principais demandas, oportunidades e ameaças do segmento, foram analisados os ambientes interno e externo dos empreendimentos industriais na cidade e também em Afrânio, Cabrobó, Dormentes, Lagoa Grande, Orocó e Santa Maria da Boa Vista.

Para elaboração do documento, que vai compor o mapa estratégico desenvolvido pela FIEPE em todo estado, os conselheiros formaram grupos obedecendo a metodologia de análise ‘SWOT’. De acordo com a nova superintendente da entidade, Fernanda Mançano, a proposta é concluir os trabalhos até o próximo mês de novembro com a construção de um planejamento único para as regionais e a sede, em Recife.

“Um instrumento necessário para o gerenciamento efetivo das ações que vão possibilitar o desenvolvimento sustentável. Buscamos apoiar o empresariado local com informações de mercado, capacitações e mediação junto às esferas públicas municipais, do estado e da federação”, pontuou Mançano, que conduziu a escuta juntamente com o gerente de Núcleo de Planejamento, Gestão e Tecnologia, Israel Erlich. Para o diretor regional da FIEPE, Albânio Nascimento, o encontro foi duplamente importante. “As escutas regionais fortalecem o projeto de interiorização da nossa entidade e auxiliam na construção da sustentabilidade financeira e competitividade da indústria pernambucana”, ressaltou.

Ainda na reunião, o gestor regional do Sistema FIEPE, Flávio Guimarães, anunciou os próximos eventos de capacitação da unidade, enfatizando a realização dos cursos ‘Gestão de Almoxarifado’, entre os dias 20 e 21 e ‘Comunicação Empresarial e Oratória” de 27 a 28 deste mês. “No dia 22 de agosto teremos a oficina ‘E-Social’ e durante os meses de setembro e outubro, o ‘Programa Gestão e Desenvolvimento de Pessoas.  Concluímos o ano com o ‘Seminário de Gestão’ (08/11) e o curso ‘Como Melhorar as Finanças das Indústrias’ (7/12)”, adiantou.

A reunião do conselho empresarial da unidade regional da FIEPE aconteceu na nova sede da entidade, que fica no prédio do SENAI (Av. Monsenhor Ângelo Sampaio, 267, Vila Eduardo – Petrolina /PE. (87) 3202 – 1390). (Clas)


Vendas devem crescer 5% durante período junino em Petrolina, mas contratações serão pontuais

por Gabriela Canário 12 de Junho de 2018 às 10:32
categoria: Economia

O comércio deve ter um crescimento significativo de vendas neste mês de junho, é o que afirma o Presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Petrolina - Sindlojas -, Joaquim de Castro. De acordo com o setor, o incremento deve ser de 5% nas vendas comparando-se ao mesmo período do ano passado.

Um dos fatores para esse crescimento, ele acredita, foi a liberação de 50% do 13º salário dos servidores municipais nesta quarta-feira (13), contemplando milhares de petrolinenses e injetando mais de R$ 9 milhões no comércio do município, de acordo com a prefeitura. Para Joaquim de Castro, além disso, houve um avanço no setor econômico do país, refletindo em Petrolina. “A economia vem sinalizando um cenário diferente de 2015 e 2016. De 2017 para cá voltou a se fortalecer. Aliado, tem a questão do emprego que vem se recuperando depois do período de recessão muito longo”, explicou o presidente.

Entretanto, a contratação de pessoas para dar conta desse aumento não é tão otimista quanto às expectativas de vendas. Conforme explicou Joaquim de Castro, devem haver casos isolados neste período, mesmo com a aproximação da Copa do Mundo. “Sempre há. Não tão grande, é pontual. São mais empresas ligadas a este período. O importante é que há essa tendência também por causa da Copa do Brasil. É uma coisa positiva, é um evento a mais no mês de junho”, explicou. De acordo com a Prefeitura de Petrolina, no período junino devem gerados cerca de 9 mil empregos diretos e indiretos, “uma vez que 84% dos estabelecimentos comerciais contratam novos funcionários”.

O São João de Petrolina segue agendado para o período de 15 a 23 de junho deste ano, da mesma forma que todos os outros festejos juninos que integram a programação oficial do município.


MPPE E MPF emitem nota contra aumentos abusivos de gás

por Mário Souza 1 de Junho de 2018 às 11:00
categoria: Economia

Fonte / MPPE

Com o objetivo de prevenir práticas de aumento abusivo do preço do gás liquefeito de petróleo (GLP), Ministério Público de Pernambuco (MPPE) e Ministério Público Federal (MPF) emitiram uma nota técnica conjunta nesta quarta-feira (30). A nota elenca uma série de orientações voltadas para garantir que os cidadãos não sejam lesados por práticas criminosas em razão da situação de desabastecimento de gêneros de primeira necessidade.

De início, o MPPE e o MPF orientam a Agência Nacional do Petróleo (ANP) a encaminhar relatórios sobre majorações indevidas no preço do gás de cozinha ao longo dos meses de junho e julho. Da mesma forma, os Procons estadual e municipais também devem informar ao Ministério Público sobre autos de constatações e infrações relacionados a aumentos abusivos de preços do gás.

As Polícias Federal e Civil de Pernambuco, através da Delegacia do Consumidor, devem encaminhar ao MPPE e MPF autos de flagrante e inquéritos policiais que venham a ser instaurados para apurar casos de aumentos arbitrários que configurem crimes contra a ordem econômica e contra a economia popular.

Por fim, o Ministério Público orienta o Sindicato dos Revendedores de Gás do Estado de Pernambuco e os próprios revendedores a não realizarem aumentos sem fundamentação ou, no caso de os preços já terem sido reajustados, retorná-los ao patamar anterior à greve dos caminhoneiros.

“O aumento de preços sem justa causa e a existência de vantagem manifestamente indevida representam práticas abusivas vedadas pelo Código de Defesa do Consumidor. Apesar do recente desbloqueio do Porto de Suape, a normalização da distribuição do GLP ainda levará alguns dias”, apontaram a coordenadora do Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Defesa do Consumidor, promotora de Justiça Liliane Rocha, e o integrante do Comitê de Acompanhamento de Crise do MPF, procurador da República Alfredo Falcão Júnior.


A favor da privatização da Petrobrás vereador critica aumento de combustíveis

por Adriana Rodrigues 18 de Maio de 2018 às 11:14
categoria: Economia

O aumento da tributação sobre os combustíveis pelo Governo Federal foi criticado pelo vereador Ronaldo Silva (PSDB), em discurso na tribuna da Casa Legislativa de Petrolina, nesta quinta-feira (17). Segundo ele, a medida afeta todos os brasileiros, principalmente os trabalhadores. "O povo é que está sofrendo com esse aumento abusivo, só no Maranhão foi fechado vários postos porque o empresário não aguenta mais. Isso é o que devemos brigar, para que o governo baixe esses impostos".

O parlamentar diz ainda, que é a favor da privatização da Petrobrás. “Se tivessem privatizado não tinha quebrado não tava esse cartel todo”. O peessedebista sugere que o gerenciamento privatize 51% da empresa e que detenha 49%, como funciona a Vale do Rio Doce. “Privatize para colocar pessoas decentes, porque todo governo que entra quer usar a Petrobrás para fazer politicagem e para tirar dinheiro, porque ali é uma mina de dinheiro”.

Silva defende os donos de postos. "Não é justo. Não podemos usar essa situação para colocar culpa nos empresários, esse aumento é no país inteiro".                                                                                   

O vereador Gabriel Menezes (PSL), apesar de concordar que o tema precisa ser discutido, divergiu no que diz respeito a privatização. "O que quebrou a Petrobrás não foi o fato de ser pública, eu não concordo com privatização, com essa budega de interesse escusos para privatizar o que é do povo brasileiro. O que quebrou foi a corrupção e todos aqueles canalhas que usurparam o nosso patrimônio".

Reajuste

Ontem a Petrobras promoveu o aumento de 0,95% para o preço do diesel e elevou em 1,80% o preço de gasolinas comercializadas nas refinarias.

Este é o 4º reajuste já anunciado nesta semana. Na véspera, a companhia elevou em 1,82% o preço da gasolina, e subiu 1,76% o preço do diesel, nas refinarias. A escalada nos preços acontece em meio à disparada nos preços internacionais do petróleo. Nesta quinta, o barril de petróleo Brent superou US$ 80 pela 1ª vez desde novembro de 2014.

 


Correios: agências serão fechadas e carteiros deixarão de passar diariamente

por Redação Nossa Voz 8 de Maio de 2018 às 15:00
categoria: Economia

Após o vazamento de documento que comprova o início de estudos para, a princípio, fechamento de 513 agências e demissão de 5.300 mil funcionários dos Correios em todo o Brasil, a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos (Fentect) solicitou, ontem, à Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (CET) uma reunião emergencial para o compartilhamento dos dados que estão sendo levados em conta para uma possível aprovação da proposta. Mesmo que o presidente interino dos Correios, Carlos Fortner, tenha declarado ao jornal Estado de São Paulo que está “revisando todo o estudo”, a federação acredita que o fechamento de agências irá comprometer ainda mais o atendimento ao cliente, já que está em consonância com outro projeto, que prevê o fim da passagem diária dos carteiros.

“Os Correios estão burlando cláusulas firmadas pela própria diretoria em acordo coletivo por não nos fornecer tais informações, e tratar tudo em sigilo. Essa proposta é um complemento ao processo de privatização, porque em primeiro momento elimina as agências próprias e mantém a rede franqueada. Além de prejudicar o consumidor, que já é penalizado com a escassez de funcionários”, diz o presidente da Fentect, Geraldo Francisco.

Com um prejuízo de R$ 1,5 bilhão em 2017, provocado principalmente pelas perdas do seu plano de saúde, o Postal Saúde, os Correios já demitiram, entre o ano passado e fevereiro deste ano, 7.814 funcionários - 234 só em Pernambuco - por meio do Plano de Demissão Incentivada (PDI), que teve o seu segundo ciclo encerrado no mês de fevereiro e gerou uma economia de R$ 81 milhões para a empresa.

O número menor de mão de obra e a necessidade de ainda assim enxugar os custos fez com que a CET, além do fechamento das agências, também já estude a possibilidade dos carteiros deixarem de fazer a entrega diária das correspondências. “A Distribuição Domiciliar Alternada (DDA) - com cronograma de implantação sendo definido - é um modelo já praticado em outros países, tendo em vista a queda vertiginosa de mensagens. Nos testes realizados, o modelo mostrou que há ganhos para o carteiro (diminuição de percorrida) e para a empresa (diminuição de custos), sem impactos para a sociedade, uma vez que o prazo acordado para entrega dos objetos é respeitado. O modelo não vale para as encomendas”, confirmou a empresa em nota.

Fechamento

Conforme documento vazado e com informações publicadas na Coluna do Estadão, as unidades próprias começariam a ser fechadas por critérios como receita de varejo inferior a R$ 300 mil por ano e proximidade de em média 1,4 quilômetros de outra agência. A economia seria de R$68,7 milhões só com o fechamento efetivo. Em Pernambuco, os Correios possuem 198 agências próprias e 30 franqueadas. Juntas, elas comportam 771 atendentes. Ainda esta semana, a CET, que só confirmou a intenção de fechar agências, abrirá sindicância para apurar as circunstâncias do vazamento.

Fonte JC