asdasdasdasd

Marília Arraes classifica como ‘incoerente’ possibilidade de aliança com o PSB

por Gabriela Canário 21 de Junho de 2018 às 16:33

Depois de ter fechado aliança com o Deputado federal Silvio Costa (Avante), que será pré-candidato ao Senado, a vereadora e pré-candidata ao governo Marília Arraes (PT) fica ainda mais fortalecida. Ela, que desde o anúncio do anseio pelo Palácio Campo das Princesas, descartou qualquer possibilidade de caminhar junto com o Partido Socialista Brasileiro, de Paulo Câmara, taxou como incoerente que o Partido dos Trabalhadores trilhe por este caminho.

Em entrevista exclusiva ao Nossa Voz, a neta de Miguel Arraes afirmou que o PSB possui uma estratégia política atípica ao que ela anseia. “Não tem condições políticas pela incoerência que representaria e porque você não vê o PSB fazendo nenhum tipo de gesto. O PSB é uma aliança pragmática em que políticos entram no gabinete, apertam as mãos e fazem um cálculo de votação que tira as suas cabeças e pronto, como se o povo fosse engolir esse tipo de movimento”, criticou.

A petista garante que o objetivo, agora, é o diálogo com a população, garantindo o fortalecimento da pré-candidatura. “A gente está em um momento diferente da política e nós, principalmente do campo progressista, temos a obrigação de agir diferente e é por isso que eu não vejo condições e a viabilidade dessa aliança se realizar e também porque é uma pré-candidatura que está em pleno crescimento. A candidatura do PT no Brasil é umas das melhores e mais bem posicionadas, então nós vamos continuar o nosso trabalho e tenho certeza que vamos receber muitos apoios importantes nos próximos dias e vamos continuar, principalmente, conversando com as pessoas, que é quem de fato tem construído essa pré-candidatura do PT”, explicou Marília Arraes.

Aparecendo com 'favorita' às eleições para o governo de Pernambuco, segundo levantamento Datamétrica, realizado entre os dias 8 e 9 de junho, a petista disse que o anseio dela condiz com os desejos do povo. “Mais de 70% das pessoas rejeitam o governo do estado, a gestão de Paulo Câmara. Essa crítica não é simplesmente de Marília Arraes, é o que o povo pernambucano pensa”, finalizou.


STJ decide restringir foro privilegiado de governadores

por Karine Paixão 21 de Junho de 2018 às 10:46
categoria: Política

 

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu hoje (20) restringir sua competência para julgar casos relativos a governadores, desembargadores e outras autoridades, conforme previsto na Constituição.

Com a decisão do tribunal, governadores e membros de tribunais de contas dos estados vão continuar respondendo a processos no STJ somente se o crimes que lhe são imputados ocorreram quando estavam no cargo ou relacionados com o mandato. Caso contrário, as acusações serão enviadas para a primeira instância da Justiça.

A medida foi tomada a partir da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que, no mês passado, restringiu o foro por prorrogativa de função, conhecido como foro privilegiado, para deputados e senadores.


Moro marca depoimento de Lula no processo sobre sítio de Atibaia

por Karine Paixão 21 de Junho de 2018 às 10:34
categoria: Política

O juiz federal Sérgio Moro marcou para 11 de setembro o interrogatório do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na ação penal que trata das reformas realizadas no Sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP), frequentado pela família de Lula.

O ex-presidente, que está preso na Superintendência da Policia Federal em Curitiba, e ex-executivos das empreiteiras Odebrecht e da OAS são réus no processo.

O imóvel é alvo das investigações da Operação Lava Jato, que apura a suspeita de que as obras foram pagas pelas empreiteiras.

Segundo os investigadores, as reformas começaram após a compra da propriedade pelos empresários Fernando Bittar e Jonas Suassuna, amigos de Lula, quando “foram elaborados os primeiros desenhos arquitetônicos para acomodar as necessidades da família do ex-presidente”.

No laudo elaborado pela Polícia Federal, em 2016, os peritos citam as obras que foram realizadas, entre elas a de uma cozinha avaliada em R$ 252 mil. A estimativa é de que tenha sido gasto um valor de cerca de R$ 1,7 milhão, somando a compra do sítio (R$ 1,1 milhão) e a reforma (R$ 544,8 mil).

A defesa de Lula sustenta que o ex-presidente não é proprietário do sítio.


Petrobras: Dilma vira ré na Comissão de Valores Mobiliários

por Karine Paixão 21 de Junho de 2018 às 10:33
categoria: Política

A ex-presidente Dilma Rousseff se tornou ré em processo sancionador – sujeito à punição – da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Ela e 11 ex-conselheiros e ex-diretores da Petrobrás são acusados de não cumprir seus deveres na administração da companhia. Segundo dados do site da CVM, o processo foi instaurado a partir das investigações sobre a compra da refinaria de Pasadena, nos EUA, em 2006. A operação foi um dos pontos de partida da Lava Jato. O inquérito foi instaurado em 2014 após as investigações da Polícia Federal e do Ministério Público Federal apontarem indícios de fraude na compra.

Na época, Dilma era ministra de Minas e Energia e presidente do conselho da Petrobrás. Ela foi excluída, porém, da acusação relacionada ao episódio de Pasadena apresentada pelo juiz Sérgio Moro em março. Dilma e os outros acusados – entre eles Paulo Roberto Costa, Renato Duque e Nestor Cerveró – devem apresentar defesas à CVM. O processo será julgado pelo colegiado da autarquia.


Gaturiano revela que Cristina rasgou parecer e vereadora cobra discrição: “Debater dentro da Comissão”

por Karine Paixão 20 de Junho de 2018 às 11:56

Em meio a esse processo da apreciação do projeto da Escola Sem Partido, outra polêmica surgiu. Segundo o relator da Comissão de Educação, Gaturiano Cigano, a vereadora Cristina Costa, presidente dessa mesa comissão permanente, assinou o parecer favorável ao projeto de Lei n° 067/18, que institui nas escolas municipais o Programa Escola sem Partido,, mas rasgou para entregar outro contrário ao projeto onde constava apenas com a assinatura da petista. 

“Esse projeto teve o parecer da vereadora Cristina Costa também que é a presidente da comissão. Deu parecer favorável, eu como secretário dei o parecer e o vereador Cícero Freire que é o secretário também esse parecer favorável. (…) E aí num certo momento esse parecer que foi dado pela vereadora Cristina Costa e demais membros da comissão foi rasgado. E a vereadora está apresentando outro parecer contrário. Tem que perguntar a ela porque rasgou e apresentou um novo parecer, agora contrário (ao projeto)”, alegou. 

Questionada pela reportagem, Cristina Costa reforçou ter assinado o primeiro parecer aguardando que antes da apreciação do projeto houvesse a audiência pública para discutir a propostas com as entidades representativas. “Em primeiro lugar, eu tenho um parecer da Comissão de Justiça e Redação assinada pelos três pareceres solicitando uma audiência pública. Como é que eu tenho um parecer da Comissão de Educação solicitando uma audiência pública, onde a gente não dizia que era inconstitucional e nem constitucional o projeto, mas para ouvir a UPE, ouvir o Sindsemp, Conselho Municipal de Educação em que nós discutimos, o vereador Gaturiano quase não participa do conselho de educação. Então se nós tivemos isso aqui para pedir o diálogo para ouvir o pensamento porque necessariamente eu ia dizer que sou contra a esse projeto? É direito do debate. Em momento algum eu entrei na questão do conteúdo”. 

De acordo com Costa, nada a impedia de rasgar o parecer e solicitar que a secretaria imprimisse uma cópia para que nela constasse apenas as assinaturas do relator Gaturiano e o secretário, Cicero Freire, integrantes da Comissão de Educação. “Eu acho que o vereador Gaturiano, como membro da comissão, como relator da comissão de educação, se ele viu eu rasgar esse documento, se ele tem conhecimento desse rasgar de documento que ele possa seriamente debater dentro da comissão de educação. Aqui eu tenho um exemplo, eu jamais colocarei o exemplo de chegar ao vereador Gaturiano e dizer ' olha você tem toda a possibilidade'. Eu posso aqui dar um parecer e dizer que eu quero que retire a minha assinatura, eu posso tirar, rasgar o documento e dizer aqui: 'secretaria, faça outro documento com o mesmo conteúdo, agora só coloque os dois membros que concordam com isso”, porque eu tenho que respeitar”. 


Após protesto conta Escola sem Partido, Osinaldo ataca manifestantes: “Se desse um fuzil saiam matando”

por Karine Paixão 20 de Junho de 2018 às 10:22



Durante a apreciação do projeto de Lei n° 067/18 de autoria do vereador Osinaldo Souza deixou a plateia composta por educadores, estudantes e representantes dos trabalhadores em educação exaltada na sessão desta terça-feira (19). Segundo a ementa apresentada ao plenário da casa, “cria no âmbito do sistema de ensino do Município, o Programa Escola Sem Partido e dá outras providências”, instituindo a “neutralidade política, ideológica do Município”.

A proposta foi duramente criticada pela bancada petista. Vereador Gilmar Santos, que também é professor, ressaltou tratar-se de um retrocesso no sistema educacional de Petrolina, convocando inclusive a manifestação da Secretaria Municipal de Educação acerca dessa alteração nas diretrizes do ensino local. 

A presidente da Comissão de Educação da Câmara Municipal, Cristina Costa solicitava uma audiência pública para debater com as entidades, mas também não atendida. O público presente endossava a necessidade do debate com a sociedade, revindicando que o projeto de Lei não fosse votado naquela manhã. Não foram ouvidos. 

Em meio a embates sobre ter ou não a discussão do projeto, o presidente da mesa diretora Osório Siqueira tentava restabelecer a ordem. Em meio ao tumulto, o secretário da mesa, Manoel da Acosap citou o regimento interno da Câmara e alegou desconhecimento da bancada petista sobre a possibilidade de pedir vistas do projeto antes que fosse anunciada a segunda votação da proposta no plenário. Já o vereador Ronaldo Cancão, reforçou que o projeto de nº067/18 tramitou na casa por 60 dias e nesse período nenhum pedido de audiência pública foi protocolado na casa. Cristina Costa rebateu ter solicitado, mas Cancão refutou. Após a sessão a vereadora mostrou a imprensa a solicitação protocolada por volta das 10h daquele mesmo dia. 

Ainda sob forte protesto da plateia, o líder da situação Aero Cruz discursou cobrando respeito do público presente. Recebeu uma saraivada de vaias em resposta. Acusando os oposicionistas de “jogarem para a plateia”, ele convocou sua bancada a votar a favor da Escola Sem Partido. 

A proposta foi aprovada por 14 votos a 04. Decepcionado com a situação, Robson Nascimento, presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação, regional Petrolina, afirmou que se o projeto da Escola Sem Partido for sancionado pelo prefeito Miguel Coelho a entidade ingressará um uma ação no Ministério Publico. “O projeto é inconstitucional, o vereador não tem competência nem intelectual e nem legal para legislar sobre essa matéria. Por isso estamos aqui na Câmara de Vereadores, para combater esse tipo de projeto. (…) O que está sendo colocado é uma visão unilateral de um seguimento autoritário e conservadora das elites brasileiras. Esperamos que o prefeito vete esse projeto e que esse veto seja mantido aqui na Câmara de Vereadores. Caso isso não ocorra nós vamos recorrer as instâncias judiciais, vamos fazer denuncia ao Ministério Público”. 

Autor do projeto, o vereador Osinaldo Souza garante que sua proposta é legal, criticou a bancada petista por não ter protocolado o pedido de audiência pública solicitada pelos manifestantes antes que o projeto fosse aprovado. “Estranha-me que queiram jogar para a opinião pública que tivesse qualquer vício de inconstitucionalidade  ou qualquer cosia que fosse ruim a sociedade. Pelo contrário. (…) Esse projeto está há 67 dias na casa, ninguém solicitou a audiência pública”.E

Osinaldo foi além: disse que a plateia exaltada fazia parte de uma claque orquestrada composta por pessoas, que se tivessem um fuzil, entrariam em uma sala de aula atirando. “Não já contaram não? Os mesmos 15 de hoje são os mesmos 15 que estão sempre gritando contra Petrolina. Eles ficam falando em democracia, mas são os mesmos 15 que ficam gritando aqui. Quero dizer que quem respeita Petrolina é essa casa. 15 pessoas que chegam aqui gritando são justamente as 15 pessoas que se desse um fuzil saiam matando todo mundo em sala de aula e no meio da rua”. 


Presidente Estadual do PSDB garante que nome de Guilherme Coelho está sendo lembrado para compor chapa com Armando Monteiro

por Gabriela Canário 18 de Junho de 2018 às 12:28

A Frente de Oposição 'Pernambuco Quer Mudar' encerrou a agenda em Petrolina na última sexta-feira, dia 15. Na oportunidade conversamos com o deputado federal e presidente estadual do PSDB, Bruno Araújo.

O parlamentar, que foi ministro das Cidades, fez uma avaliação da sua atuação à frente da pasta e garante ter feito muito além do que esperavam os críticos. “Nós saímos de um Brasil em absoluto processo de crise, mas fizemos avanços administrativos e, sobretudo, fomos criticados por colocar tanto dinheiro em Pernambuco em relação a outros estados da Federação que reclamavam”, explicou.

Sobre o processo eleitoral em Pernambuco e a responsabilidade do PSDB indicar a vice na chapa encabeçada pelo senador Armando Monteiro, Bruno Araújo atesta ter tempo, mas assegura que o nome do ex-deputado Guilherme Coelho está sendo lembrado. “Nós temos diversas alternativas dentro do partido e estão sendo feitas as considerações internas, conversando com todas as forças políticas. No momento certo nós vamos ter o nome que vai fortalecer esse projeto”, pontuou.

O ex-deputado Guilherme Coelho falou sobre essa expectativa de indicação a vice-governador, reforçando a longevidade do prazo para a revelação do indicado, mas destacou a importância de uma chapa plural agregando representantes do Litoral ao Sertão. “Não se tem pressa, não se tem data. Eu fico feliz por ser lembrado como uma pessoa que já foi prefeito por duas vezes aqui, vice-prefeito, Deputado Federal, um representante do Sertão. Eu acho que se tem que pensar em uma chapa que tenha figurantes do Sertão e do Litoral. Então as coisas vão acontecendo naturalmente. Hoje eu sou pré-candidato a Deputado Federal, mas pode acontecer a vaga de vice e eu vou ficar muito feliz e vou dar toda a minha energia e a minha vontade de cada vez mais fazer pelo nosso Sertão”, destacou.


Durante visita a Cabrobó, Paulo Câmara volta a falar sobre PE 499, defende Pacto Pela Vida e critica oposição por apoio a Governo Temer

por Mário Souza 15 de Junho de 2018 às 23:07
categoria: Política

O Governador de Pernambuco Paulo Câmara foi o entrevistado desta sexta-feira no Programa Nossa Voz da Grande Rio Fm Cabrobó. A entrevista fazia parte da agenda do gestor estadual, durante sua vagem ao Sertão.

Na conversa com o apresentador Mário Souza, Câmara falou sobre sua maratona no interior do estado e destacou a chamada Caravana da Educação, que contempla uma série de ações na área em todo estado.

Durante a entrevista, Paulo Câmara destacou os avanços na educação, redução no número de roubos no estado e fez referências ao crescimento do PIB de Pernambuco.

Entre os questionamentos que pautaram a conversa, destaque para resposta de governador para não concretização da PE-499 apelidada de Rodovia da Cebola e que ligaria os municípios de Cabrobó a Terra Nova. Questionada sobre o porque da estrada que teve duas ordens assinadas (2012) e (2017), não saiu do papel Câmara atribuiu a culpa ao Governo Federal. “Essa é uma estrada cara, orçada em mais de R$ 50 milhões. Por isso fomos atrás de recursos do Governo Federal e conseguimos uma linha de crédito para custear a obra. No entanto, por questões várias o Governo Federal não liberou nosso empréstimo. Um empréstimo que o nos recebemos o dinheiro e nos teríamos que pagar esses valores. O que fizemos entramos na justiça, porque dialogar com Brasília é muito difícil, porque esse é um governo que não sabe das dificuldades, não quer enxergar as dificuldades do povo nordestino, por isso recorremos a justiça para liberar esses recursos. Na última quarta-feira ,(6) eu tive a notícia de que o Supremo Tribunal Federal, deferiu uma liminar determinando que a União liberasse o recursos dos empréstimos que já estão contratados. Temos então a expectativa de que em breve receber esses recursos e com esses recursos é que estamos programados para fazer essa estrada sair do papel. Sabemos que é um sonho da região, mas é uma estrada cara e por isso precisamos de recursos adicionais e por isso que estamos na luta para esses empréstimo sair do papel e agora chegou o momento” explicou.

Paulo Câmara também foi questionado pelos ouvintes, sobre o tema segurança. O agricultor José Gregório morador do Território Indígena da Ilha da Assunção criticou o Pacto Pela Vida e questionou as ações do Estado para combater a violência, chegando a dizer que hoje acontecem mais homicídio que na época do Ex-governador Eduardo Campos. Apesar de discordar da comparação, o socialista reconheceu que foram necessárias ações para mudar o quadro da violência em Pernambuco. “O Pacto Pela Vida ele foi muito bem-sucedido durante 7 anos, mas desde de 2014 tivemos ao aumento da violência em nosso estado, isso fruto também do crescimento da violência no país, com o aumento no tráfico de drogas. Mas, apesar da falta de recursos, nos tivemos condição de planejar. Tivemos que nos desdobrar, fizemos um investimento recorde na área de segurança, convocamos mais de 2800 Policiais militares, 1900 policias Civis e da Polícia Cientifica, 300 Bombeiros Militares, viaturas, motos. Desde do final do ano passado tivemos resultados expressivos. Pernambuco já reduziu em 2018 mais de 22% no número de homicídios no nosso estado. Vamos terminar o ano com números próximos de 2013 que foi o melhor ano do Pacto Pela Vida. Nos estamos reduzindo o número de assaltos, furtos e trabalhando com inteligência para prender essas quadrilhas que atuam em vários estados e que explodem bancos. Mas precisamos da Polícia Rodoviária Federal atuando conosco de forma integrada” respondeu



O Governador também foi provocado a analisar o cenário para as próximas eleições e as pesquisas que prevem um disputa acirrada pelo Palácio do Campo da Princesas. Paulo Câmara citou diretamente o Pré-candidato Armando Monteiro (PTB). “Quando a eleição chegar nos vamos colocar nossa posição que é muito clara. Nos defendemos a forma de Governo que vem desde de Eduardo Campos. Que fez ser Pernambuco ser o estado que é hoje, que cresceu que desenvolveu e onde a vida das pessoas melhoraram. Já nossa oposição hoje, liderada pelo Senador Armando Monteiro, defende a forma que o Brasil tá sendo administrado pelo Governo Temer, que defende vender o Rio São Francisco, que defende e acha justo essa politica que aumenta o botijão de gaz 100 % em 3 meses, que aumenta a gasolina 100 % em 6 meses. Essa foma que o Brasil está sendo administrado que nossa oposição defende, eu sou contrário e nos vamos debater isso. Quem acha que é assim e que isso tá bom, ai tem votar na oposição mesmo. Agora quem entende que o Brasil em que mudar, que Pernambuco tem que continuar a fazer o que tem feito pela educação e pela segurança, ai tera amplo espaço nosso palanque, de conversar conosco de dialogar conosco e nos ajudar a governar esse estado” afirmou.

Apos a entrevista Paulo Câmara seguiu com sua agenda em Cabrobó. O Governador visitou as obras da Escola Técnica Estadual, conferia a adaptação da Escola Municipal Evandro Ferreira dos Santos – que esta sendo convertida em Escola de Tempo Integral e fez a entrega de uma Ônibus Escolar adaptado para pessoas com deficiência.

Em sua viagem ao Sertão o Governador estava acompanhado de uma grande staf de partidários, entre eles os Deputados Federais Fernando Monteiro (PP) e Gonzaga Patriota (PSB), além dos Estaduais Rodrigo Novaes (PSD) e Lucas Ramos (PSB). Também acompanharam o gestor estadual. O Presidente da Compesa Roberto Tavares e Secretaria Executivo de Educação João Charamba.

Câmara e sua comitiva almoçaram em um restaurante no centro de Cabrobó e logo depois prosseguiram com sua viagem ao Sertão, cumprindo compromissos nos municípios de Santa Maria da Boa Vista e Lagoa Grande.


FBC ironiza adiamento de visita de Paulo Câmara a Petrolina: 'gostaria que o governo estivesse muito mais presente'

por Gabriela Canário 15 de Junho de 2018 às 12:15

Depois que Paulo Câmara (PSB) adiou a visita que faria a Petrolina no sábado, dia 16, o senador Fernando Bezerra Coelho (DEM) lamentou o cancelamento e aproveitou para listar as obras incompletas que foram prometidas e não cumpridas pelo executivo do estado. De acordo com o petrolinense, era preciso que o governador se fizesse mais presente na cidade para que ocorre-se o desenvolvimento.

“Eu gostaria que ele viesse muitas vezes a Petrolina para ver ele fazendo mais escolas integrais, recupere o Hospital Dom Malam, é um desastre a administração do IMIP, a fila de cirurgias, a reclamação que existe hoje. Gostaria que ele viesse aqui para poder implantar o monitoramento de câmeras que foi desatualizado, descontinuado. Gostaria que ele pudesse cumprir aqui a promessa de fazer um Hospital da Mulher, que ele não fez. Eu gostaria que ele evitasse que a Prefeitura gastasse o dinheirinho dela para tapar os buracos das estradas estaduais. Eu gostaria que o governo estivesse muito mais presente em Petrolina”, enumerou o senador.

Ainda de acordo com Fernando Bezerra, apesar dos impasses de interesses entre os dois, tendo em vista que ele apoia a pré-candidatura de Armando Monteiro ao governo do estado, enfrentando Paulo Câmara, o governador será sempre bem recebido na cidade. “É evidente que quando ele evita vir ou quando ele não pode, Petrolina perde. É sempre bom a visita do seu representante e todas as vezes que ele vier ele será muito bem recebido. Para ver se quando ele estiver aqui cala fundo na consciência dele os investimentos para Petrolina e para o Sertão de Pernambuco. Falta investimento em Pernambuco”, finalizou o senador.


Ex-ministro de Temer, Mendonça Filho diz não ter medo de rejeição popular em disputa pelo Senado

por Gabriela Canário 15 de Junho de 2018 às 10:28

Ex-ministro da Educação no Governo Michel Temer (MDB), o Deputado Federal, Mendonça Filho (DEM), diz que não tem medo da impopularidade do Presidente da República refletir em sua pré-candidatura ao senado pelo estado de Pernambuco. “Independentemente do governo em si, nós trabalhamos pela educação do Brasil e fizemos investimentos forte em Petrolina e em Pernambuco”. Segundo o Datafolha, 82% dos brasileiros consideram o atual governo ruim ou péssimo.

Mendonça Filho está em Petrolina integrando a comitiva do senador Armando Monteiro, que também anunciou pré-candidatura e deve tentar tirar Paulo Câmara do Palácio Campos das Princesas. O ex-ministro fez um balanço sobre a atuação dele à frente do Ministério da Educação e destacou todos os investimentos feitos no setor durante a gestão.

“Algumas mudanças estruturais na área de educação do Brasil que refletiu em Pernambuco, como, por exemplo, as mudanças no Enem, o Fies com juros zero para 100 mil alunos de baixa renda. Mudanças também no ensino médio que aguardava 20 anos e deve impactar positivamente para os jovens e também a escola em Tempo Integral que nós ofertamos, ampliando as oportunidades em Pernambuco”, pontuou o Deputado.

De acordo com uma pesquisa Datamétrica, o ex-governador e deputado federal Jarbas Vasconcelos (MDB) aparece em primeiro lugar, com 23% das intenções, seguido de Mendonça Filho (DEM) com 19% e Humberto Costa (PT) com 17%. Sendo assim, caso as eleições fossem hoje, haveria um empate técnico, em que não se pode afirmar efetivamente quem seria eleito. Sobre as pesquisas de intenção de voto, Mendonça afirma que ainda é cedo para usá-las como parâmetros e garante não se intimidar com os oponentes que enfrentará nesse pleito.

“A gente não precisa ficar preso aos primeiros indicadores com relação às pesquisas de opinião. Há uma saturação das pessoas que governam Pernambuco, ou deveriam liderar. Eu não tenho preocupação com relação aos adversários, eu acho que cada um vai se colocar diante da opinião pública pernambucana com as suas propostas, com as suas ideias e a sua trajetória política. Me coloco sob o julgamento do povo pernambucano para buscar uma vaga de senador para defender os interesses do povo pernambucano”, explicou.