asdasdasdasd

ACM Neto nega liberação de praias em Salvador

por Milena Pacheco 5 de Junho de 2020 às 10:16
categoria: Política

Prefeito declarou que não sabia de pedido de Bolsonaro 

O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), disse nesta sexta-feira (5) que não estava sabendo do pedido feito pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) à Advocacia-Geral da União (AGU) para liberar o uso de praias no país.

Durante uma live feita na quinta-feira (4), o presidente defendeu a liberação de acesso às praias: “O governo federal vai opinar favoravelmente para aquela pessoa ir à praia, agora o juiz de cada cidade, que vai recepcionar esses mandados de segurança, é que vai decidir se o João pode ir para a praia ou não. Eu não vejo nada demais ir para a praia, praia é saúde”, afirmou.

Questionado sobre o pedido de Bolsonaro, Neto ressaltou que se a solicitação for aprovada, não terá efeito em Salvador. “Caso seja verdade, vai acontecer com as praias a mesma coisa quando ele incluiu salões de beleza como atividade essencial, ou seja, nada. O STF já decidiu que essa é uma matéria de estados e municípios. Cabe a prefeitos e governadores determinar as medidas restritivas ou não”, afirmou Neto em coletiva virtual na manhã desta sexta-feira (5).

ACM Neto voltou a criticar Bolsonaro. “É uma loucura estar vivendo essa situação. Só estamos passando por tudo que estamos passando porque desde o princípio da pandemia, o presidente tem adotado essa postura”, ressaltou o democrata. (Com informações Bahia.Ba/Foto: Zoom/Prefeitura de Salvador)

 


Odacy Amorim entrega presidência do IPA e parte pra disputa eleitoral em Petrolina

por Milena Pacheco 4 de Junho de 2020 às 14:46
categoria: Política

Na tarde desta quarta-feira (3), o presidente do Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA), Odacy Amorim, participou da reabertura do Abatedouro de Rajada, localizado na zona rural de Petrolina. O local passou por reforma e adequação da sua estrutura. Durante a solenidade, Odacy anunciou a saída do cargo.

“Protocolei, junto ao Governo do Estado, o meu afastamento no dia de hoje (3), deve ser publicado amanhã (4) onde peço permissão para me afastar do IPA, dada essa questão da disputa eleitoral em Petrolina”, justificou Odacy em entrevista ao Nossa Voz.

O pré-candidato a prefeito pelo PT, fez um breve resumo das ações promovidas à frente do órgão ao longo de quase 1 ano e meio. Odacy disse estar feliz com o trabalho realizado e agora vai se debruçar na formatação do programa de governo que será apresentado durante o período eleitoral.

“Agora a gente se volta pra missão que o partido está me convocando, o povo de Petrolina, os amigos que sempre me respaldaram nas urnas, pra gente se apresentar na pré-campanha e discutir o plano de governo e o futuro da nossa cidade”, declarou Odacy. (Fonte: Blog Nossa Voz)


Bolsonaro escolhe novo secretário executivo do Ministério da Saúde

por Milena Pacheco 4 de Junho de 2020 às 14:34
categoria: Política

Nomeação do Coronel Antonio Elcio Franco Filho foi publicada hoje

O presidente Jair Bolsonaro nomeou hoje (4) o coronel Antônio Elcio Franco Filho como secretário executivo do Ministério da Saúde. Ele entra no lugar de Eduardo Pazuello, que assumiu interinamente o comando do ministérioex-ministro Nelson Teich

Desde o mês passado, Franco já era adjunto da Secretaria Executiva da pasta. A portaria de nomeação foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União

Carreira

Oficial da reserva do Exército desde março de 2019, de lá para cá, Franco trabalhou na Casa Civil do governo de Roraima e foi secretário de Saúde do estado. Também atuou como consultor da prefeitura de Boa Vista.

É mestre em operações militares e ciências militares e atuou nas operações de segurança e defesa dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 e como subcomandante e chefe do Estado-Maior da Força de Pacificação no Complexo de Favelas da Maré, em 2014. (Fonte: Agência Brasil)


Para líder do governo, nova MP vai gerar forte contratação de empréstimos por micro e pequenas empresas

por Nélia Lino 3 de Junho de 2020 às 14:37
categoria: Política

O líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), avaliou nesta quarta-feira (3), que haverá uma forte contratação de empréstimos por micro e pequenas empresas após a publicação da medida provisória que cria o Programa Emergencial de Acesso ao Crédito. A MP 975 remove entraves e institui um fundo garantidor para os empréstimos, o que tem potencial para destravar o crédito para as empresas em dificuldade por causa da pandemia do coronavírus.

“O que ocorreu, e a gente reconhece como uma crítica legítima, é que o programa de crédito para micro e pequenas empresas não funcionou bem, mas o governo editou nova medida provisória refazendo o programa e instituindo um fundo garantidor para os empréstimos. Eu acredito que vai se iniciar nesta semana uma forte onda de contratação junto a micro e pequenas empresas”, afirmou o líder em entrevista à emissora de rádio de Pernambuco.

No total, segundo ele, o governo federal já editou 20 medidas provisórias e investiu R$ 445 bilhões em ações para enfrentar a pandemia e minimizar os impactos sociais e econômicos. Os recursos foram destinados para a proteção de trabalhadores informais e com carteira assinada, ajudar empresas e socorrer estados e municípios.

“Aos estados e municípios foram repassados R$ 76 bilhões – dinheiro na veia, além do alívio financeiro através da suspensão dos empréstimos contratados. Isso é para se ter uma ideia da solidariedade e do apoio do governo Bolsonaro na maior crise de saúde e econômica da história do Brasil”, disse o líder.

Fernando Bezerra Coelho também falou sobre a aproximação do governo federal do bloco político chamado Centrão. Para o líder, a crise causada pela pandemia vai exigir medidas duras, que dependerão da aprovação do Congresso Nacional. “Não existe boa ou velha política. O que existe é a política bem feita. É preciso ter maioria no Congresso Nacional. É preciso formar coalizão e ter laços de aproximação. Ao longo do ano passado, houve altos e baixos na relação com o Parlamento, mas o Congresso eleito tem forte identidade com a agenda econômica do governo Bolsonaro. No início deste ano, com a chegada da pandemia, o presidente percebeu que o Brasil vai precisar de medidas duras, e iniciou contato maior com os partidos”, explicou.

Articulação:

Fernando Bezerra Coelho anunciou ainda o repasse de R$ 49,8 milhões em recursos extraordinários do Ministério da Saúde para 18 municípios de Pernambuco reforçarem as medidas de enfrentamento à pandemia do coronavírus. A articulação do senador assegurou a destinação de R$ 5 milhões para Caruaru, no Agreste pernambucano. “São recursos exclusivos para a área da saúde de modo que as prefeituras poderão ampliar o número de testes, contratar profissionais e reforçar a compra de medicamentos e insumos neste momento que a área da saúde está sobrecarregada.” (Fonte: Blog Nossa Voz/Foto: Divulgação)


Conselheiros da OAB dizem que assinar pedido de impeachment de Bolsonaro é inevitável

por Milena Pacheco 19 de Maio de 2020 às 11:49
categoria: Política

Muitos são os pedidos de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na Câmara dos Deputados, presidida por Rodrigo Maia (DEM-RJ).

O assunro tem sido amplamente discutido na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), cuja maioria do conselho já analisa que assinar um pedido de impeachment se tornou inevitável.

Segundo a coluna de Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo, os advogados da entidade avaliam, contudo, o momento em que o pedido deveria ser feito, levando em consideração a pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

A saída do atual presidente do governo passou a ser solicitada com maior vigor depois que o empresário Paulo Marinho revelou que o filho 01 do presidente, o senador Flavio Bolsonaro (Republicanos-RJ), recebeu informações privilegiadas de investigações da PF contra seu ex-assessor Fabrício Queiroz. (Com informações Bahia.Ba/Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil)


Após criticas, Câmara de Petrolina marca sessão virtual para sexta (15)

por Milena Pacheco 14 de Maio de 2020 às 12:08
categoria: Política

Após a manifestação de alguns vereadores, principalmente da bancada da Oposição, pedindo a realização de sessões virtuais, A Câmara de Petrolina vai promover na sexta-feira (15) uma sessão extraordinária. O objetivo é apreciar dois projetos de autoria do Poder Executivo.

A sessão começa às 14h30, através de vídeo conferência, e, segundo o ofício assinado pelo presidente da Câmara, Osório Siqueira, sem ônus para Poder Legislativo.

Os projetos

São dois projetos do Executivo de urgência. Um deles trata da criação dos cargos para os contratados do Hospital de Campanha no Monte Carmelo e para o atendimento nos leitos Covid-19 montados no Hospital Universitário. O segundo é da isenção da taxa de iluminação pública para cadastrados na Tarifa Social, inscritos no Bolsa família ou CadUnico que consumam até 200kw/h por mês. (Fonte: Blog Nossa Voz/Foto: Jean Brito)


Covid-19: Chefes dos poderes apoiam novas medidas de combate em Pernambuco

por Milena Pacheco 12 de Maio de 2020 às 10:41
categoria: Política

O governador Paulo Câmara se reuniu ontem (11), por videoconferência, com os representantes dos demais poderes constituídos do Estado para explicar o teor do decreto que estabelece medidas mais rígidas de isolamento social em Pernambuco. No encontro, todos avalizaram o documento, que estabelece uma quarentena mais rigorosa do dia 16 a 31 de maio, com o objetivo de reduzir os índices de transmissão da Covid-19 no Estado.

Participaram da reunião o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eriberto Medeiros; o presidente do Tribunal de Justiça de Pernambuco, desembargador Fernando Cerqueira; o presidente do Tribunal de Contas do Estado, conselheiro Dirceu Rodolfo; e o procurador-geral de Justiça do Ministério Público de Pernambuco, Francisco Dirceu Barros. Ao final, todos foram unânimes em relação às medidas, que serão adotadas a partir desta quarta-feira (12.05) em caráter educativo e, a partir do dia 16 de maio, em caráter definitivo, quando o descumprimento do decreto passará a gerar sanções.

Após a reunião, cada representante divulgou um vídeo firmando sua posição em favor das medidas. O presidente da Assembleia, Eriberto Medeiros, reafirmou a disposição do parlamento estadual em colaborar com todas as medidas de combate ao novo coronavírus anunciadas pelo Governo do Estado. “Estamos trabalhando para dar respostas imediatas. Vamos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para defender o bem estar dos pernambucanos. Nesse momento, é preciso algumas medidas educativas e medidas mais restritivas”, observou Medeiros.

O chefe do MPPE, Francisco Dirceu Barros, fez uma dura advertência quanto aos efeitos nocivos do descumprimento do decreto estadual. Ele citou os últimos dados colhidos pelo Ministério Público, demonstrando uma queda no percentual de isolamento social de 74% para 42,97%. O que significa que 42,97% da sociedade estão realmente colaborando, mas 53,03% estão contribuindo para a disseminação do vírus em Pernambuco. “Isso pode simplesmente causar uma tragédia sem precedentes, que é o colapso total do sistema de saúde e, infelizmente, um significativo número de óbitos”, disse, Barros.

Para o presidente do TCE, Dirceu Rodolfo, é imprescindível que sejam seguidas à risca as novas determinações contidas no decreto assinado pelo governador Paulo Câmara. “Disso dependerá a capacidade de resposta às dramáticas demandas na saúde pública. Sair de casa e socializar, nesses próximos dias, significa a mesma coisa que tentar respirar embaixo de uma piscina completa de água: a sociedade acabará se afogando”, afirmou Rodolfo.

Ao manifestar seu apoio ao decreto estadual, o presidente do Tribunal de Justiça de Pernambuco, desembargador Fernando Cerqueira, argumentou que com o crescimento vertiginoso da pandemia do novo coronavírus, medidas mais severas eram, de fato, necessárias. “Essas medidas vão proteger a população e evitar que o quadro se agrave ainda mais, provocando o colapso do sistema de saúde”, concluiu. (Fonte: Blog Nossa Voz/Foto: divulgação SEI)


Regina Duarte perde apoio de aliados após entrevista à CNN, diz jornal

por Milena Pacheco 11 de Maio de 2020 às 11:11
categoria: Política

A entrevista da secretária Regina Duarte (Cultura) à CNN Brasil fez com que aliados da atriz na classe artística jogassem a toalha. Pessoas próximas a ela, e que até então apoiavam a sua permanência na pasta, dizem que não têm mais como defender sua gestão.

As informações são da colunista Mônica Bergamo, do jornal Folha de S. Paulo.

Na última quinta-feira (7), durante entrevista à CNN, Regina minimizou a ditadura no Brasil (1964-1985) e encerrou a conversa ao ser confrontada com críticas feitas pela atriz Maitê Proença.

Sobre as torturas e mortes no período militar, disse: “Cara, desculpa, na humanidade não para de morrer gente. Se você falar de vida do lado tem morte”.

“Stálin, quantas mortes. Hitler, quantas mortes?”, continuou.

“Não quero arrastar um cemitério de mortos nas minhas costas, sou leve, tô viva, estamos vivos. Vamos ficar vivos. Por que olhar para trás? Não vive quem fica arrastando cordéis de caixões”, afirmou a atriz.

Neste momento, Regina disse que havia certa “morbidez” devido à pandemia do novo coronavírus.

“Eu acho que tem uma morbidez nesse momento. A Covid-19 está trazendo uma morbidez insuportável.”

Indagada por ter  se silenciado diante da morte de diversos artistas desde que assumiu a secretaria, em março deste ano, Regina disse que não queria fazer um “obituário” na pasta.

Em seguida, ficou irritada quando a emissora mostrou um vídeo em que Maitê Proença lhe cobrava soluções para a classe artística em meio à pandemia.

“O que você ganha com isso? Quem é você que está desenterrando uma fala da Maitê [Proença] de dois meses atrás? Eu não quero ouvir, ela tem o meu telefone. Eu tinha tanta coisa para falar, vocês estão desenterrando mortos”, disse Regina, colocando fim à entrevista. (Com informações Bahia.Ba/Foto: Reprodução CNN)


Paulo Câmara anuncia hospitais de campanha no interior para vítimas de Covid-19; Petrolina está na lista

por Milena Pacheco 11 de Maio de 2020 às 09:11
categoria: Política

O governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), anunciou, neste sábado (9), que três hospitais de campanha começaram a ser construídos em Pernambuco para atender pacientes com Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Durante pronunciamento pelas redes sociais, ele ressaltou que os próximos dias serão duros no estado.

As novas unidades de saúde para pacientes com a doença contarão, cada uma, com 100 leitos. Elas vão funcionar em Caruaru, no Agreste, bem como em Serra Talhada e Petrolina, no Sertão.

Além disso, foi anunciada a ampliação da Brites de Albuquerque, unidade de referência da Covid-19 em Olinda, na Região Metropolitana do Recife. “A Brites, que hoje conta com 42 leitos, passará a ter 82, garantindo mais assistência à população de Olinda e dos municípios próximos”, destacou Paulo Câmara.

De acordo com o governador, o gabinete de crise realizou uma reunião neste sábado (9) para discutir o planejamento no enfrentamento ao novo coronavírus. “Os próximos dias serão duros, a Covid-19 tem avançado e precisaremos estar ainda mais firmes para salvar vidas e garantir a saúde dos pernambucanos e pernambucanas”, observou.

Com os casos da Covid-19 zerados no arquipélago de Fernando de Noronha, a quarentena será encerrada neste domingo (10). “O arquipélago chegou a ter 28 registros da doença, quando a sua população é de pouco mais de três mil pessoas”, disse.

Paulo Câmara reforçou a importância do isolamento social. “Realizamos uma ação dura, mas que a ciência mostrou ser necessária e eficiente. Uma pesquisa divulgada pela Unesp indica que as ações restritivas em Pernambuco já salvaram mais de três mil vidas. Por isso, peço, mais uma vez, fique em casa”. (Fonte: Blog Nossa Voz, com informações G1 Pernambuco/Foto: Arquivo Nossa Voz)


Regina Duarte minimiza ditadura militar: ‘Sempre houve tortura’

por Milena Pacheco 8 de Maio de 2020 às 12:47
categoria: Política

Secretária especial de Cultura, Regina Duarte minimizou a ditadura militar (1964 e 1984) em entrevista concedida à CNN Brasil, ao vivo na noite de quinta-feira (7). Ela chegou a cantar, entre gargalhadas, o tema da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 1970, sinalizando que na época o povo era feliz.

“Na humanidade, não para de morrer. Sempre houve tortura. Stalin, quantas mortes? Hitler, quantas mortes? Não quero arrastar um cemitério de mortos nas minhas costas. Sou leve, estou viva! Vamos ficar vivos! Por que olhar para trás?” .

Depois de comentar sobre um encontro que teve com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), no mesmo dia da entrevista, a atriz fez elogios ao presidente e criticou quem fica “cobrando por coisas que aconteceram nos anos 60, 70, 80”.

Regina ainda comentou sobre o novo coronavírus (Covid-19), dizendo que a doença está “trazendo uma morbidez insuportável”, e que “isso é perigoso para a cabeça das pessoas.”

A atriz falou ainda sobre não ter se manifestado publicamente quanto a recentes mortes de grandes nomes da cultura brasileira como Moraes Moreira, Rubem Fonseca e Aldir Blanc, o que gerou críticas da classe artística.

Sobre isso, disse que optou por enviar mensagens particulares às famílias. ​A jornalista Daniela Lima, da CNN Brasil, chegou a pedir que a secretária se posicionasse quanto às mortes dos artistas, mas Regina não prestou homenagens.

Classe artística critica secretária após entrevista

Muitas personalidades da classe política se manifestaram contra as declarações dadas pela secretária especial da Cultura, que chegou a ser chamada de “monstro”. Artistas de diversas idades e perfis, inclusive ex-colegas de Regina, expressaram indignação nas redes sociais.

Autor de novelas, Walcyr Carrasco disse que foi dolorido ver declarações atuais de Regina, de quem já foi amigo e teve ajuda no início da carreira. “Fiquei chocado quando, na entrevista, você simplesmente achou normal as mortes e chancelou a tortura. Dói mais e mais vê-la assim. Que aconteceu com você, Regina?”, questionou.

A cantora Anitta publicou um longo texto no Instagram criticando a secretária, lembrando que, na entrevista à CNN, Regina deu “chilique”, se recusou a ouvir críticas de vídeo feito pela atriz Maitê Proença, que criticava suas ações no governo Bolsonaro.

“Se recusar a ouvir uma opinião contrária logo depois de enaltecer os tempos de ditadura me causa muito medo. Até porque eu e muitos dos meus amigos seríamos os primeiros censurados caso esse regime voltasse ao Brasil e nós continuássemos no exercício do nosso trabalho”, afirmou.

Anitta cobrou providências para que os trabalhadores da indústria artística sejam socorridos em meio à crise no setor. O mesmo foi feito pela atriz Alice Wegmann e pelo ator Bruno Gagliasso.

“Muitos artistas e técnicos trabalham muito e nesse momento estão passando necessidade e sim, precisam de você”, escreveu Alice. “Não dá para desculpar sua falta de diálogo com a categoria, a sua estupidez com jornalistas e ex-colegas de trabalho”, disse Gagliasso.

Também criticaram Regina Duarte o atores Tonico Pereira, Ivam Cabral, Débora Bloch, Miguel Falabella, Alessandra Negrini, Vera Fischer, Luisa Arraes e Mel Lisboa. (Com informações da Folha de S.Paulo/Foto: Reprodução TV Globo)