asdasdasdasd

Crise no PSL aumenta, e deputados abrem guerra para indicar novo líder

por Milena Pacheco 17 de Outubro de 2019 às 11:29
categoria: Política

Disputa pelo poder no PSL vem crescendo há algumas semanas, mas ganhou publicidade com críticas e mobilização do próprio presidente Bolsonaro

Em mais uma etapa da crise no PSL, parte da bancada de deputados do partido do presidente Jair Bolsonaro anunciou na noite de quarta-feira (16) a derrubada do Delegado Waldir (GO) da liderança da legenda e a nomeação de Eduardo Bolsonaro (SP), filho do presidente, em seu lugar.

No ápice até o momento da crise que o partido enfrenta, com troca de acusações e traições de ambos os lados, Eduardo também foi destituído da liderança pouco após ser nomeado, e logo depois foi recolocado novamente na posição.

A indicação dos líderes de bancada costuma ser feita uma vez ao ano por votação, mas pode haver troca através da apresentação de listas de assinatura à secretaria da Mesa da Câmara, desde que os deputados consigam maioria simples na bancada.

Na noite de quarta-feira (16), os parlamentares dissidentes do PSL apresentaram uma lista com 27 assinaturas indicando Eduardo como líder — apenas um a mais que o mínimo necessário na bancada de 53 deputados. Em seguida, parlamentares ligados a Waldir apresentaram uma segunda lista, com 32 nomes.

“Depois que apresentamos a primeira lista com os 27 nomes, o Waldir protocolou uma lista com 32 nomes, que ele já tinha colhido assinatura antes, dos quais cinco assinaram a nossa. Protocolaram essa lista para tentar destituir a nossa, mas nós já tínhamos uma segunda lista e protocolamos promovendo de novo Eduardo para a liderança”, disse a deputada Carla Zambelli, uma das líderes do grupo dissidente.

As duas listas terão ainda que ser checadas pela administração da Casa e a autenticidade das assinaturas, conferida. Em princípio, a lista que vale é a última apresentada, se não houver erros. Mas a troca precisa ser chancelada pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para entrar em vigor.

O líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO), disse em entrevista que a decisão dos parlamentares foi tomada pelas ações de Waldir, que passou a trabalhar contra o governo, citando a orientação do parlamentar de obstruir uma votação na Câmara sobre a medida provisória de reestruturação de ministérios, que caducava ontem.

“Diante disso a maioria nesse momento decidiu destituir o líder atual e nomear o nosso novo líder”, afirmou. Zambelli explicou que a escolha de Eduardo foi por se tratar de um nome que ajudaria a atrair mais parlamentares para o lado dos dissidentes.

Durante o dia, o próprio presidente Jair Bolsonaro teria entrado em campo para atrair votos para seu filho.

Mais cedo, Waldir acusou o presidente de chamar deputados no Planalto e de ligar para outros tentando convencê-los das vantagens de ter Eduardo como líder.

“O presidente da República está ligando para cada parlamentar e cobrando o voto no filho do presidente”, disse Waldir a jornalistas. “Ele age pessoalmente ao chamar vários parlamentares e ligar pessoalmente para vários deputados com essa pressão psicológica dessa questão de cargos e outras situações.”

No final da noite, o jornal O Globo publicou o áudio de uma dessas falas do presidente, em que ele aparece dizendo que faltaria apenas uma assinatura para “tirar o líder” e ressaltando que o líder do partido e o presidente tem o poder de “indicar pessoas, de arranjar cargos no partido, promessa para fundo eleitoral por ocasião das eleições.”

“Estamos com 26, falta uma assinatura para a gente tirar o líder, e colocar o outro. A gente acerta. Entrando o outro agora, dezembro tem eleições para o futuro líder. A maneira como tá, que poder tem na mão atualmente o presidente, o líder aí? O poder de indicar pessoas, de arranjar cargos no partido, promessa para fundo eleitoral por ocasião das eleições, é isso que os caras têm. Mas você sabe que o humor desses caras de uma hora para a outra muda”, afirmou Bolsonaro a um interlocutor desconhecido. O Planalto não comentou a gravação. (Fonte: Exame)


Miguel abre 32 pontos de vantagem em Petrolina, aponta pesquisa

por Milena Pacheco 17 de Outubro de 2019 às 09:15
categoria: Política

Foi publicada nesta quinta-feira (17), no Blog do Magno Martins, a primeira pesquisa do Instituto Opinião sobre a sucessão municipal em Petrolina nas eleições do ano que vem. Segundo os números, o atual prefeito Miguel Coelho lidera com folga e tem amplas chances de emplacar a reeleição.

(Fotos: Reprodução)

Miguel abre uma frente de 32 pontos percentuais sobre os seus dois principais adversários. Se a eleição hoje, despontaria com 45,4% das intenções de voto contra 13,3% de Júlio Lossio (PSD) e 13,1% de Odacy Amorim (PT). Gabriel Menezes (PSL) aparece com 6% e Lucas Ramos (PSB), com 4%. Brancos e nulos somam 7,3% e apenas 10,9% se manifestaram indecisos.

Na espontânea, modelo pelo qual o eleitor é obrigado a lembrar o nome do candidato sem o auxílio da cartela com todos os postulantes, Miguel mantém praticamente a mesma dianteira. Desponta com30,2% das intenções de voto contra apenas 3,3% de Odacy Amorim, 2,4% de Lossio e 0,4% de Gabriel. Neste cenário, indecisos sobem para 58,6% e 4,9% disseram que não sabiam responder ou se recusaram.

A pesquisa foi a campo entre os 11,12 e 13 últimos, sendo aplicados 450 questionários com margem de erro de 3,9 pontos para mais ou para menos e 90% de intervalo de confiança. A modalidade de pesquisa adotada envolveu a técnica de Survey, que consiste na aplicação de questionários estruturados e padronizados a uma amostra representativa do universo de investigação. Foram realizadas entrevistas pessoais e domiciliares.

No quesito rejeição, o ex-prefeito Júlio Lossio aparece na liderança. Dos entrevistados, 22,2% disseram que não votariam nele de jeito nenhum. Em seguida, aparece Odacy com 13,8%, depois Gabriel com 11,6% e Lucas Ramos, 10,4%. Por último, Miguel tem 9,6%. Ainda entre os entrevistados, 5,8% disseram que rejeitam todos e 26,6% afirmaram que não rejeitam nenhum dos candidatos apresentados.

Na estratificação da pesquisa, Miguel tem seus melhores percentuais de intenção de voto entre os eleitores jovens, na faixa etária de 16 a 24 anos (53,3%), entre os eleitores com renda familiar entre dois e cinco salários (48,2%) e entre os eleitores com grau de instrução médio (49,8%). Por sexo, 47,6% dos eleitores masculinos e 43,5% dos eleitores femininos.

Já Lossio apresenta seus melhores índices entre os eleitores com grau de instrução até o 9º ano (17,4%), entre os eleitores com renda familiar até dois salários (14,9%) e entre os eleitores na faixa etária acima de 60 anos (19,3%). Por sexo, 14,3% dos seus eleitores são mulheres e 12,1%, homens.

Odacy Amorim aparece melhor situado entre os eleitores com renda até dois salários (14,9%), entre os eleitores com grau de instrução até o 9º ano (13,7%) e entre os eleitores na faixa etária entre 16 e 24 anos (14,1%). Por sexo, 13,6% são masculinos e 12,7% femininos.

SEGUNDO TURNO

O Opinião testou ainda cenários de segundo turno em Petrolina e neles o prefeito leva vantagem em todos. Frente a Lossio, Miguel venceria por 61,1% dos votos contra 22,7%. Dos entrevistados, 9,3% disseram que anulariam ou votariam em branco e 6,9% se apresentaram indecisos.

Frente ao candidato do PT, Odacy Amorim, Miguel teria 58,3% dos votos contra 27,3%. Dos entrevistados, 8,4% disseram que votariam em branco ou anularia e 6% se apresentaram indecisos. No cenário Miguel contra Lucas, o prefeito ganharia com 67,6% dos votos contra 14,4%. Brancos e nulos somariam 11,1% e 6,9% se apresentaram indecisos. Já se o candidato fosse Gabriel, o prefeito teria 64,4% dos votos contra 18,9%.

AVALIAÇÃO DE GESTÃO

Entre os três níveis de poder, o prefeito é o mais aprovado na avaliação da gestão pública. Entre os entrevistados, 65% aprovam seu governo, sendo 44,4% de bom e 20,7% de ótimo, enquanto 24,2% acham regular, 4,7% julgam ruim e 4,2% péssimo. Já o Governo Paulo Câmara tem 19,3% de bom, 2,7% de ótimo, 31,6% de regular, 11.3% de ruim e 18,7% de péssimo. Dos entrevistados, 16,4% não souberam ou se recusaram a responder,

O presidente Bolsonaro, por sua vez, se apresenta com 42,5% de péssimo, 13,1% de ruim, 23,1% de regular, 10,9% de bom e apenas 6,2% de ótimo. (com informações Magno Martins)


Bolsonaro assina MP para 13º salário aos beneficiários do bolsa família

por Milena Pacheco 16 de Outubro de 2019 às 11:27
categoria: Política

O presidente Jair Bolsonaro participou na tarde desta terça-feira (15) do anúncio do 13° salário para beneficiários do programa Bolsa Família.

Bolsonaro já havia adiantado a medida provisória (MP) no início do governo. O pagamento do décimo terceiro será feito no mês de dezembro. À época, o Ministério da Cidadania, responsável pela gestão do programa, informou que o custo total com o pagamento extra seria de R$ 2,5 bilhões. Atualmente, mais de 13 milhões de famílias recebem o benefício.

O adicional será pago em cerca de 60 dias, junto com o benefício de dezembro, e totaliza uma injeção extra de R$ 2,58 bilhões na economia. (Fonte: Agência Brasil)


Nove dos 39 deputados federais da Bahia vão à canonização de Irmã Dulce em Roma

por Milena Pacheco 11 de Outubro de 2019 às 10:04
categoria: Política

Lista de parlamentares baianos inclui quatro nomes do Democratas e um do PT; grupo integrará delegação oficial da Câmara

Nove dos 39 deputados federais da Bahia integram a delegação oficial da Câmara que desembarcará em Roma, na Itália, para acompanhar, neste domingo (13), a canonização de Irmã Dulce (reconhecimento como santa pela Igreja Católica) no Vaticano.

São eles: Adolfo Viana (PSDB); Arthur Oliveira Maia (DEM); Daniel Almeida, líder do PCdoB; Eduardo da Fonte (PP); Elmar Nascimento, líder do DEM; José Rocha, líder do PL; Leur Lomanto Júnior (DEM); Nelson Pelegrino (PT); e Paulo Azi (DEM).

André Fufuca (PP-MA), Célio Studart (PV-CE) e Flávio Nogueira (PDT-PI) são os únicos representantes de outros estados do Nordeste a fazer parte da comitiva oficial do governo divulgada no Diário Oficial da União.

Os parlamentares viajarão em avião da FAB (Força Aérea Brasileira).

Autorizados a partirem em cumprimento de “missão oficial”, todos têm direito a diárias, cujo valor é de US$ 428 (R$ 1.760). O parlamentar, contudo, pode optar por não receber a quantia.

Fora da lista, o deputado João Roma (PRB), por sua vez, informou que vai à canonização com recurso próprios. (Fonte: Bahia.ba/Fotos: Agência Câmara/ José Cruz/Agência Brasil/ Izis Moacyr/bahia.ba/Felipe Iruatã/bahia.ba/Montagem bahia.ba)

 

 


PSDB de Petrolina ganha reforço com novos filiados

por Milena Pacheco 11 de Outubro de 2019 às 09:13
categoria: Política

O presidente do PSDB de Petrolina, Guilherme Coelho e o vereador do município, Ronaldo Silva, promoveram uma reunião na tarde de ontem (09) para oficializar a filiação de novos membros ao partido. O objetivo, claro, é fortalecer a legenda no município visando as eleições municipais de 2020.

(Foto: divulgação)

“Consolidamos hoje nomes importantes do cenário municipal para ingressar no partido. São empresários, advogados, acadêmicos, servidores públicos que têm muito a contribuir para a construção do novo PSDB que nasce no cenário nacional. É hora de oxigenar o partido aqui em Petrolina também”, destacou o presidente Guilherme Coelho. “Outro fator relevante que une todos nós é o objetivo comum de reforçar o palanque para a reeleição do prefeito Miguel Coelho”, completou.

O vereador Ronaldo Silva reforça que a legenda tem força e grandes condições de eleger mais representantes da sigla na câmara legislativa municipal. “Não tenho dúvidas de que deste grupo saíra excelentes candidatos a vereador para somar com o nosso trabalho”, adiantou.

Um dos novos filiados, o professor e locutor Aluísio Nunes, destacou o perfil do partido e da liderança de Guilherme Coelho como fatores preponderantes na escolha da legenda. “Guilherme tem um histórico político que muito nos orgulha e admiramos. Um perfil de quem sabe entrar e sair na hora certa, sem agressividade, e com humildade para fazer as alianças necessárias. Isto é muito bom”, avaliou Nunes.

Os novos filiados do partido são: Abérico Lacerda, Expedito Amorim, Edvaldo Pereira, Pedry Wry, Rafael Leôncio, Aluísio Gomes e Marcus Victor. (Fonte: Blog Nossa Voz)


Bolsonaro não deixará PSL de livre e espontânea vontade, diz porta-voz

por Milena Pacheco 10 de Outubro de 2019 às 10:19
categoria: Política

Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil

O porta-voz do Palácio do Planalto, Otávio Rêgo Barros, afirmou hoje (9) que o presidente Jair Bolsonaro não pretende, por enquanto, tomar a decisão de sair do PSL. Durante a tarde, Bolsonaro se reuniu com pelo menos 15 deputados federais do partido para discutir a situação da legenda.

Participaram da reunião os parlamentares Luiz Philippe de Orléans e Bragança (SP), Bia Kicis (DF), Luis Lima (RJ), Bibo Nunes (RS), Chris Tonietto (RJ), Ubiratan Sanderson (RS), General Girão (RN), Hélio Lopes (RJ), Carlos Jordy (RJ), Alê Silva (MG), Márcio Labre (SP), Soraya Manato (ES), Guiga Peixoto (SP), Aline Sleutjes (PR) e Junio Amaral (MG).

O porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, fala à imprensa, no Palácio do Planalto

Porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros - Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil

"Ele [Bolsonaro] destacou que não pretende deixar o PSL de livre e espontânea vontade. Qualquer decisão nesse sentido seria unilateral", afirmou Rêgo Barros em entrevista a jornalistas. De acordo com o porta-voz, o presidente busca preservar seu compromissos de campanha. "O presidente reiterou que uma de suas premissas, e ele o fez de forma enfática, é a defesa de suas bandeiras de campanha, que o trouxeram ao Planalto, assim como vários congressistas", acrescentou.

Mais cedo, a advogada eleitoral Karina Kufa, que representa Bolsonaro, afirmou que há desgaste na relação entre o presidente e dirigentes nacionais do PSL. Ela e o ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Admar Gonzaga também participaram da reunião de Bolsonaro com parlamentares do PSL e estudam uma forma de os deputados deixarem a sigla sem serem penalizados com a perda de mandato por causa da infidelidade partidária. No caso do presidente e outros integrantes do PSL com cargo majoritário (governador, prefeito e senador), uma eventual troca de partido não é vedada pela legislação.

Após ter eleito a segunda maior bancada de deputados federais, em 2018, e obter o maior número de votos entre todos os eleitores do país, o PSL passou a ter direito à maior fatia de recursos do Fundo Eleitoral, estimada em cerca de R$ 400 milhões para o próximo pleito, no ano que vem, que vai eleger prefeitos e vereadores.

Segundo Rêgo Barros, a expectativa de Bolsonaro é que o PSL corresponda aos ideais defendidos pelo presidente durante as eleições. "O que ele deseja do partido, e eu vou repetir, é que o partido seja uma referência nacional, baseada, inclusive, nos ditames que ele elencou ao longo da própria campanha."

Agenda

O presidente embarca nesta quinta-feira (10) de manhã para São Paulo, onde participa do Fórum de Investimentos Brasil (BIF, na sigla em inglês), um evento internacional de negócios. À tarde, ele concede uma entrevista. À noite, terá um jantar privado e dormirá na capital paulista. No dia seguinte, Bolsonaro participa da cerimônia de formatura de sargentos da Polícia Militar de São Paulo.

Em seguida, o presidente embarca para o Rio de Janeiro, onde participa, em Itaguaí, na região metropolitana da capital fluminense, de ato de lançamento de mais um etapa do programa de construção do submarino Humaitá. Será o segundo dos quatro submersíveis comprados pelo Brasil como parte de acordo militar firmado com a França. 

Após a passagem pelo Rio de Janeiro, Bolsonaro retorna a Brasília e, no sábado (12), deverá viajar para Aparecida do Norte (SP), onde pretende visitar o Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil. (Fonte: Agência Brasil)


Paulo Câmara encerra Todos por Pernambuco nesta quarta (09)

por Milena Pacheco 9 de Outubro de 2019 às 12:19
categoria: Política

(Foto: Arquivo/ Nossa Voz)

O governador Paulo Câmara encerra a última rodada da 4ª edição do Todos por Pernambuco, seminário que escuta as demandas da população, nesta quarta-feira (09).

Somando os primeiros seminários, já foram registradas mais de 20 mil interações – entre propostas criadas e apoio a propostas. Todo o material recolhido junto à população será sistematizado pela Secretaria de Planejamento e Gestão e servirá para nortear a construção do Plano Plurianual (PPA), documento que orientará as ações do Governo de Pernambuco de 2020 a 2023. O encerramento será em Palmares, município da Mata Sul. (Ascom)


Bolsonaro diz que não pretende acabar com estabilidade de servidor

por Milena Pacheco 7 de Outubro de 2019 às 13:24
categoria: Política

Presidente destaca que "nunca falou" sobre o tema

O presidente Jair Bolsonaro disse hoje que “nunca falou” em dar fim à estabilidade do servidor público, durante as discussões do governo sobre a reforma administrativa ainda em elaboração. A afirmação, feita hoje (6) na saída do Palácio do Alvorada, foi em resposta a uma matéria publicada pelo jornal Correio Braziliense. De acordo com o jornal, a proposta de reforma administrativa a ser enviada ao Congresso Nacional previa tal medida.

Bolsonaro criticou também uma outra reportagem - da Folha de S. Paulo - envolvendo o presidente em um suposto caso de Caixa 2 durante as campanhas eleitorais. O presidente classificou as reportagens como “covardia e patifaria”. Ao deixar o Alvorada, Bolsonaro conversou com alguns simpatizantes. 

“De novo, hoje, capa do Correio Braziliense dizendo que vou acabar com a estabilidade do servidor. Não dá para continuar com tanta patifaria por parte de vocês. Isso é covardia e patifaria. Nunca falei nesse assunto. Querem jogar o servidor contra mim. Como ontem a Folha der S.Paulo queria me ligar ao problema em Minas Gerais. Um esgoto a Folha de S.Paulo”, disse o presidente.

“Lamento a imprensa brasileira agir dessa maneira. O tempo todo mentindo, distorcendo e me difamando. Vocês querem me derrubar? Eu tenho o couro duro. Vai ser difícil”, acrescentou. (Fonte: Agência Brasil)


Bolsonaro sanciona limite de gastos de campanha para eleição de 2020

por Milena Pacheco 4 de Outubro de 2019 às 09:40
categoria: Eleição

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro sancionou lei que estabelece os limites de gastos de campanha para as eleições municipais de 2020. O texto foi publicado em edição extra do Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira, 3. Para que a regra seja válida no pleito do ano que vem, o Planalto precisava sancionar a norma até esta sexta-feira (4), um ano antes do primeiro turno da eleição. 

O projeto da lei foi aprovado esta semana por Câmara e Senado. O texto determina que o limite de gastos nas campanhas dos candidatos às eleições para prefeito e vereador, na respectiva circunscrição, será equivalente ao limite para os respectivos cargos nas eleições de 2016, corrigido pelo índice oficial da inflação, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). 

A nova lei também estabelece que o candidato poderá usar recursos próprios em sua campanha até o total de 10% dos limites previstos para gastos de campanha no cargo em que concorrer. Por exemplo, para cada R$ 100 mil de limite de gastos, o candidato só poderá usar R$ 10 mil do próprio bolso na campanha. (Fonte: Diário de Pernambuco)


Isaac Carvalho deixa governo Rui Costa e assume cargo na prefeitura de Juazeiro

por Milena Pacheco 3 de Outubro de 2019 às 10:47
categoria: Política

(Foto: divulgação)

O ex-prefeito de Juazeiro, Isaac Carvalho deixou a Casa Civil do governo da Bahia. Agora o Isaac vai ocupar um cargo na prefeitura a convite do prefeito Paulo Bonfim.

Em nota, Isaac Carvalho disse que viu o convite como uma convocação. A saída de Isaac do governo Rui Costa é anunciada na mesma semana em que o comandante da Polícia Militar da Bahia (PM-BA), coronel Anselmo Brandão, comentou sobre a possível candidatura a prefeito de Juazeiro em 2020. Em entrevista a uma rádio da capital baiana, Salvador, ele disse que isso está nas mãos do governador Rui Costa (PT). (Fonte: Blog Nossa Voz)