Envenenamento em cachorros: quais os sintomas e o que fazer em caso de intoxicação

0
53

Por Agência O Globo

Número de envenenamento em cachorros crescem no Rio

Desde maio, mais de 40 cães deram entrada em clínicas veterinárias da Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio, com sinais de intoxicação, conforme mostrou O Globo na última semana. Após os episódios, a Comlurb lavou mais de 10 ruas do bairro para eliminar produtos químicos que possam ter feito mal aos cachorros. Sintomas como salivação intensa, vômito e diarreia são alertas.

Segundo a veterinária Andrea Marinho, que atendeu a oito cães em estado “bem grave”, e outros quatro em estado mediano desde maio, explica quais são os sintomas mais comuns entre os animais intoxicados. Veja abaixo:

Salivação intensa

Tremores

Dor abdominal aguda

Vômito

Diarreia (costumam ser hemorrágicas)

Segundo a profissional, a intoxicação não acontece somente por ingestão, mas também pode ocorrer por inalação.

Caso o animal de estimação apresente esses sintomas, a recomendação é que ele seja imediatamente levado pelo tutor a uma clínica veterinária. O atendimento inclui principalmente a medicação injetável, já que o quadro de vômito não permite uma absorção ideal. A chamada fluidoterapia também costuma ser adotada, para manter a hidratação.

A ação de limpeza da Comlurb foi feita por 24 garis e contou com o apoio de cinco pipas d’água e duas jateadeiras.

Polícia investiga casos


Oficialmente, a polícia recebeu o registro de quatro casos suspeitos de envenenamento, entre os quais há uma morte. Três desses tutores estiveram na especializada, localizada na Cidade da Polícia, em Manguinhos, na Zona Norte, onde prestaram depoimento no fim da manhã desta segunda-feira.

Equipes da Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA), especializada que investiga casos de maus-tratos a animais, estiveram na Barra da Tijuca nesta segunda-feira, em busca de imagens de câmeras de segurança que ajudem na investigação sobre suspeita de envenenamento de cachorros no bairro, especialmente na região do Jardim Oceânico.

Outras medidas incluem o envio de ofícios à prefeitura, para obter imagens de câmeras de rua, e às clínicas veterinárias da região, para que informem sobre cães atendidos com sinal de envenenamento no último mês, o que ajudará a mostrar um ponto em comum entre os casos, conforme informou o delegado titular da unidade, Wellington Vieira.

Uma das pessoas ouvidas foi a administradora Juliana Salinas, que perdeu sua cadela Mel, uma mestiça de labrador, de 11 anos, há um mês. A bichinha foi internada em 6 de maio, data em que começou a passar mal, com dificuldades em se movimentar.

Guerra da contravenção: Polícia apreende dez máquinas caça-níqueis em bar do Centro do Rio que pertenceria a comerciante assassinado em Vila Isabel

Ao fazer exame, (foi constatado que) ela estava com um caso muito grave de gastrite e pancreatite. O pâncreas muito comprometido. Ela também estava com a gengiva branca, (sinal) de dor extrema lembra Juliana.

Mel morreu dois dias depois, em 8 de maio, mas sem passar por um exame que cravasse a causa da morte. A cadela foi cremada.

Outra tutora ouvida foi a publicitária Izabela Falci Junqueira, de 49 anos, que contou que seu buldogue francês de 14 anos, batizado de Dior, passou mal em 5 de maio, após um passeio matinal.

Senti que tinha algo errado. Ele estava com muita dor, com o abdômen estufado. Então se levantou, vomitou e não parou mais. O Dior foi internado e lá (na clínica veterinária) informaram que tinham outros cachorros internados com os mesmos sintomas: pancreatite e gastrite severa explicou Izabel, que ficou “muito preocupada” após saber que aquele era um possível caso de envenenamento.

Atualmente, um mês depois, já em casa, Dior continua convivendo com as consequências dessa intoxicação. Além de ainda apresentar quadros de vômito, ele só consegue comer se os alimentos tiverem a textura de um purê. Para tentar evitar uma nova intoxicação, além da atenção durante os passeios, a tutora ainda lava as suas patas ao chegar em casa.

Já o engenheiro Emerson Pinheiro, de 70 anos, é tutor do vira-lata Beethoven, de 8 anos. O animal de estimação passou mal em 7 de maio, chegando a evacuar sangue, mas já está recuperado, após ficar internado por quase um mês, até a última sexta-feira. Agora, de volta à rotina, sob dieta controlada, o cachorro convive com o medo dos tutores.

Agora a gente anda com medo, preocupado. Minha esposa leva (o cachorro) com todo cuidado, e não o deixa lamber nada explica Emerson.

Reunião no COR


Pela manhã, o prefeito Eduardo Paes usou sua conta no X (antigo Twitter) para anunciar que a nova Central de Inteligência, Vigilância e Tecnologia em Apoio à Segurança Pública (Civitas), inaugurada há uma semana, já estava “trabalhando na identificação via câmeras dos eventuais responsáveis por essa atrocidade”.

Nesta tarde, uma reunião com Marcus Belchior, chefe-executivo do Centro de Operações Rio (COR), prédio em que fica instalada a Civitas, foi anunciada pelos vereadores Luiz Carlos Ramos Filho (PSD) e Doutor Marcus Paulo (PT). A dupla de parlamentares, presidentes das comissões de Defesa dos Animais e de Saúde Animal da Câmara, respectivamente, acompanharam os depoimentos dos tutores dos cães intoxicados na DPMA.

Os casos foram registrados como maus-tratos a cão, crime que tem pena prevista de 5 anos de prisão. Um apelo do delegado Wellington Vieira é que outras pessoas que tiveram cães com quadros de intoxicação na Barra da Tijuca procurem a especializada para registrar ocorrência.