Galo, Porco e Raposa: conheça a origem das mascotes de clubes da Série A

0
361

Times reverteram xingamentos e conotações racistas em uma coisa positiva; personagem do Atlético-MG surgiu de rinhas

  • Uma presença marcante e imprescindível nos clubes brasileiros são as mascotes. As de animais, em específico, são a maioria entre os times que figuram na Série A. Galo, Porco, Cachorro, Leão e até Peixe Dourado fazem parte da lista e carregam as mais curiosas histórias sobre o seu surgimento. Confira quais times se encaixam nesse perfil e como suas mascotes surgiram:
    Uma presença marcante e imprescindível nos clubes brasileiros são as mascotes. As de animais, em específico, são a maioria entre os times que figuram na Série A. Galo, Porco, Cachorro, Leão e até Peixe Dourado fazem parte da lista e carregam as mais curiosas histórias sobre o seu surgimento. 

    Confira quais times se encaixam nesse perfil e como suas mascotes surgiram:Vítor Silva/Divulgação/Botafogo/: Reprodução/Twitter @Palmeiras/Daniela Veiga/Divulgação/Atlético
  • 1. Botafogo — BiribaNa década de 1940, durante o gol que consagrou a vitória do Botafogo sobre o Madureira por 10 a 2, um cachorro preto e branco invadiu o campo, como se estivesse comemorando a goleada com os jogadores. O cão, chamado Biriba, era de um dos atletas do Glorioso, o Macaé. O então técnico da equipe, Carlito, resolveu eleger o animal como mascote e passou a levá-lo a todos os jogos — ele virou o amuleto da sorte
    1. Botafogo — Biriba

    Na década de 1940, durante o gol que consagrou a vitória do Botafogo sobre o Madureira por 10 a 2, um cachorro preto e branco invadiu o campo, como se estivesse comemorando a goleada com os jogadores. 

    O cão, chamado Biriba, era de um dos atletas do Glorioso, o Macaé. O então técnico da equipe, Carlito, resolveu eleger o animal como mascote e passou a levá-lo a todos os jogos — ele virou o amuleto da sorte
    Vítor Silva/Divulgação/Botafogo
  • 2. Palmeiras — PorcoQuem olha a torcida do Palmeiras abraçar a mascote Porco Gobbato, não imagina que o termo começou como algo ofensivo. Em 1969, após o Corinthians perder dois jogadores (Lidu e Eduardo) em um acidente de carro, o Timão pediu uma autorização para inscrever, fora do prazo, dois novos atletas. Para conseguir, todos os 13 clubes precisavam dar o aval. A votação acabou antes que todos pudessem opinar, quando o diretor do Palmeiras votou não. Nos bastidores, o presidente alvinegro Wadih Helu afirmou que o Verdão teve
    2. Palmeiras — Porco

    Quem olha a torcida do Palmeiras abraçar a mascote Porco Gobbato, não imagina que o termo começou como algo ofensivo. Em 1969, após o Corinthians perder dois jogadores (Lidu e Eduardo) em um acidente de carro, o Timão pediu uma autorização para inscrever, fora do prazo, dois novos atletas. 

    Para conseguir, todos os 13 clubes precisavam dar o aval. A votação acabou antes que todos pudessem opinar, quando o diretor do Palmeiras votou não. Nos bastidores, o presidente alvinegro Wadih Helu afirmou que o Verdão teve “espírito de porco” em dar a negativaReprodução/Twitter @Palmeiras @aquiepalmeiras5
  • Foi apenas em 1986, com uma jogada de marketing do ex-diretor João Roberto Gobbato, que eles conseguiram reverter a situação. A torcida do Palmeiras passou a gritar
    Foi apenas em 1986, com uma jogada de marketing do ex-diretor João Roberto Gobbato, que eles conseguiram reverter a situação. A torcida do Palmeiras passou a gritar “porco” nos jogos, os chefes das organizadas andaram na pista de atletismo do Morumbi com um porco em mãos e o meia Jorginho, principal jogador do Verdão na época, apareceu com o animal no colo na capa de uma revista.

    “Acho que é a minha história favorita, nessa questão de mascote. As pessoas falam que se você tem raiva de um apelido, ele pega. E acho que tem o contrário também: se você assumir, você isola aquela questão de quem está ofendendo, porque você assume ‘sim, sou porco'”, diz o jornalista e pesquisador, Celso UnzelteDivulgação/Palmeiras
  • 3. Santos— PeixeFoi nesse pensamento, de converter algo ruim em uma coisa boa, que o Santos assumiu o apelido de Peixe e, por um tempo, essa mascote. Sempre que o clube viajava a São Paulo, era chamado de
    3. Santos— Peixe

    Foi nesse pensamento, de converter algo ruim em uma coisa boa, que o Santos assumiu o apelido de Peixe e, por um tempo, essa mascote. Sempre que o clube viajava a São Paulo, era chamado de “peixes podres” ou “peixeiros”, por vir de uma cidade portuária.

    Em 1933, em um jogo contra o São Paulo da Floresta (atual São Paulo) na Vila Belmiro, a torcida ouviu as ofensas e resolveu adotar o apelidoReprodução/Centro de Memória e Estatísticas do Santos FC
    “Eles não gostavam muito, porque era pejorativo. Antes da era Pelé, ele era representado por um Caiçara, por um habitante da praia, aqueles de bermuda esfarrapada, descalço, que vendiam caranguejo no meio da praia. Aí dizem que, no primeiro jogo do profissional com o São Paulo, eles falaram ‘vocês são peixeiros’, e eles teriam respondido ‘somos peixeiros, sim, com muito orgulho'”, diz Unzelte.

    A partir daí, o time assumiu a mascote. Ela foi trocada pela baleia na década de 1950, pelo cartunista Messias de Melo, do jornal Gazeta Esportiva, por ser muito frágil
    Pedro Ernesto/Divulgação/Santos
  • 4. Flamengo — UrubuFechando a lista de times que transformaram ofensa em representatividade está o Flamengo.
    4. Flamengo — Urubu

    Fechando a lista de times que transformaram ofensa em representatividade está o Flamengo. “Urubu era uma referência pejorativa pela cor negra dos torcedores do Flamengo”, afirma o Unzelte. 

    Na década de 1960, quatro amigos flamenguistas resolveram aderir ao apelido, pegaram um Urubu no lixão do Caju e o levaram para o jogo entre Flamengo e Botafogo. Eles soltaram o animal no Maracanã e, após o Rubro-Negro ganhar a partida, a torcida entoou o grito “urubu” — e não parou maisGuilherme Carrapito/Divulgação/Flamengo
  • 5. Atlético-MG — Galo Da série histórias em que ninguém acreditaria, está o surgimento do Galo. Em 1930, havia um galo branco e preto que era imbatível nas rinhas de Belo Horizonte. Com essa informação e graças ao espírito de luta dos jogadores, principalmente de Roberto Dias Braga, o jornalista e cartunista Fernando Pieruccetti (Mangabeira) criou a mascote para o clube Ele também ganhou força graças a outro jogador.
    5. Atlético-MG — Galo 

    Da série histórias em que ninguém acreditaria, está o surgimento do Galo. Em 1930, havia um galo branco e preto que era imbatível nas rinhas de Belo Horizonte. Com essa informação e graças ao espírito de luta dos jogadores, principalmente de Roberto Dias Braga, o jornalista e cartunista Fernando Pieruccetti (Mangabeira) criou a mascote para o clube 

    Ele também ganhou força graças a outro jogador. “O Atlético tinha um volante chamado Zé do Monte, que era ídolo da torcida, e entrava em campo com um galo debaixo do braço”, afirma UnzelteDaniela Veiga/Divulgação/Atlético
  • 6. Cruzeiro — RaposaMais uma obra de Mangabeira, a Raposa do Cruzeiro foi inspirada no então presidente do clube, Mário Grosso, que era rápido em se antecipar ao rival Atlético-MG nas contratações. Além disso, o fato de o animal se alimentar de galináceos, uma referência ao rival Galo, colaborou para a escolha do animal.
    6. Cruzeiro — Raposa

    Mais uma obra de Mangabeira, a Raposa do Cruzeiro foi inspirada no então presidente do clube, Mário Grosso, que era rápido em se antecipar ao rival Atlético-MG nas contratações. 

    Além disso, o fato de o animal se alimentar de galináceos, uma referência ao rival Galo, colaborou para a escolha do animal. “Ele adotou a raposa porque representava a esperteza e a astúcia, principalmente dos diretores do Cruzeiro”, complementa o jornalista
    Reprodução/Instagram @cruzeiro
  • 7. Cuiabá — Dourado A equipe mato-grossense trouxe um significado mais regional à mascote: o peixe Dourado é uma espécie encontrada na região, principalmente na Baixada Cuiabana. Além disso, segundo o clube, ele reflete o espírito da equipe, já que é considerado o rei dos rios por sua bravura, força e coragem.
    7. Cuiabá — Dourado 

    A equipe mato-grossense trouxe um significado mais regional à mascote: o peixe Dourado é uma espécie encontrada na região, principalmente na Baixada Cuiabana. Além disso, segundo o clube, ele reflete o espírito da equipe, já que é considerado o rei dos rios por sua bravura, força e coragem.

    “Ele está no hino do clube, que é ‘Cuiabá, Cuiabá, Cuiabá, tens a valentia de um Dourado, em campo nos faz vibrar, no gingado do rasqueado’. Rasqueado é um ritmo de dança do Mato Grosso. Não deixa de ser um peixe, mas é um peixe lutador”, afirma o jornalista
    Reprodução/Facebook/Cuiabá
  • 8. Fortaleza — Leão O Leão foi uma coincidência geográfica. Uma das primeiras sedes do clube ficava perto da praça General Tibúrcio, popularmente chamada de Praça dos Leões. Os atletas de outros times usavam o nome do espaço para se referir ao Fortaleza. A fibra do nordestino e a garra do leão também são usadas como justificativas para a escolha
    8. Fortaleza — Leão 

    O Leão foi uma coincidência geográfica. Uma das primeiras sedes do clube ficava perto da praça General Tibúrcio, popularmente chamada de Praça dos Leões. Os atletas de outros times usavam o nome do espaço para se referir ao Fortaleza. A fibra do nordestino e a garra do leão também são usadas como justificativas para a escolha
    Reprodução/Twitter @FortalezaEC
  • 8. América-MG — CoelhoO
    8. América-MG — Coelho

    O “culpado” pelo Coelho do América também é Mangabeira. Em 1944, ele percebeu que havia muitas pessoas com o sobrenome “Coelho” na direção do clube, que ele caracterizava como uma equipe guerreira, mas também delicada. Essa foi a mistura perfeita para o surgimento da mascote.

    “América, no começo, era o pato Donald, mas mudou para Coelho, porque essa coisa de ‘pato’ os torcedores têm a conotação de que é fácil. Então trocaram”, lembra o pesquisador
    Mourão Panda/Divulgação/América
  • 9. Goiás - Periquito Há muitas versões sobre o surgimento da mascote do esmeraldino. A mais aceita é que ele é inspirado nas cores do clube. Outros dizem que foi influenciado pelo do Palmeiras, que era o time do coração de dois fundadores do Goiás, Lino e Carlos Barsi. Há também quem diga que um torcedor chamado Raimundo Baiano sempre gritava
    9. Goiás – Periquito 

    Há muitas versões sobre o surgimento da mascote do esmeraldino. A mais aceita é que ele é inspirado nas cores do clube. Outros dizem que foi influenciado pelo do Palmeiras, que era o time do coração de dois fundadores do Goiás, Lino e Carlos Barsi. Há também quem diga que um torcedor chamado Raimundo Baiano sempre gritava “periquito” quando o clube entrava em campoReprodução/Twitter/Goiás @goiasoficial
  • 10. Red Bull Bragantino — Leão (Massa Bruta)Antes chamado de Clube Atlético Bragantino, a equipe era rival do Bragança Futebol Clube. Em 1931, após vencer o adversário e erguer a Taça Raul Leme, o time recebeu o apelido de Massa Bruta da imprensa. Depois de 13 anos, ele ganhou novamente do arquirrival e o então presidente do clube, Cícero Marques, comprou um quadro com um leão, para representar a garra e a dedicação dos jogadores.Assim surgiu a mascote, que ganhou a companhia do Toro Loko assim que o time passou a ser gerido pela empresa Red Bull
    10. Red Bull Bragantino — Leão (Massa Bruta)

    Antes chamado de Clube Atlético Bragantino, a equipe era rival do Bragança Futebol Clube. Em 1931, após vencer o adversário e erguer a Taça Raul Leme, o time recebeu o apelido de Massa Bruta da imprensa. Depois de 13 anos, ele ganhou novamente do arquirrival e o então presidente do clube, Cícero Marques, comprou um quadro com um leão, para representar a garra e a dedicação dos jogadores.

    Assim surgiu a mascote, que ganhou a companhia do Toro Loko assim que o time passou a ser gerido pela empresa Red BullRed Bull Bragantino/Divulgação
  • 11. Athletico-PR — Fura-Cão O Athletico é popularmente conhecido por Furacão, mas tem como mascote a Família Furacão. Cada um personaliza uma característica do clube, como ambição e entusiasmo. O cachorro, o Fura-Cão, surgiu para aproximar as crianças e foi inspirado nas mascotes dos esportes americanos
    11. Athletico-PR — Fura-Cão 

    O Athletico é popularmente conhecido por Furacão, mas tem como mascote a Família Furacão. Cada um personaliza uma característica do clube, como ambição e entusiasmo. O cachorro, o Fura-Cão, surgiu para aproximar as crianças e foi inspirado nas mascotes dos esportes americanos
    Divulgação/Athletico-PR/Reprodução/Twitter @Fura__Cao
  • 12. Corinthians — Gaviões da Fiel Um bônus que, apesar de não ser a mascote da equipe, é uma forma de o time ser reconhecido: a Gaviões, do Corinthians. O nome da organizada é facilmente associado ao clube, e surgiu de maneira inusitada: a ave era comum no campus da USP (Universidade de São Paulo), onde estudava parte dos torcedores que fundaram a organizada*Sob supervisão de Carla Canteras
    12. Corinthians — Gaviões da Fiel 

    Um bônus que, apesar de não ser a mascote da equipe, é uma forma de o time ser reconhecido: a Gaviões, do Corinthians. O nome da organizada é facilmente associado ao clube, e surgiu de maneira inusitada: a ave era comum no campus da USP (Universidade de São Paulo), onde estudava parte dos torcedores que fundaram a organizada

(R7 Esporte)