Leticia Birkheuer denuncia agressão em restaurante pelo ex-marido: ‘Tentou e tenta me destruir’

0
66

Atriz relatou nas redes sociais que o empresário Alexandre Furmanovich a ameaçou em lugar público e na frente do filho dos dois


Leticia Birkheuer gravou um vídeo nas suas redes sociais para esclarecer uma notícia que saiu na mídia recentemente, dizendo que Alexandre Furmanovich, seu ex-marido, a agrediu. Segundo a atriz e ex-modelo, a situação aconteceu em um restaurante, na presença do filho dos dois, João Guilherme.

Na gravação, Leticia disse:

“Eu, infelizmente, fui agredida em um restaurante, em um lugar público, pelo pai do meu filho. É uma sensação, muito triste. Vim aqui falar com todas as mulheres que passam por isso: ‘Não se calem, denunciem, procurem ajuda, procurem falar com a delegada de polícia, denunciem o agressor. Porque isso não pode ficar impune. E fui agredida na frente do meu filho, que ainda é muito pior, porque a criança não tem necessidade de passar pelo que passou. É muito, muito triste.”

Letícia Birkheuer fala que sofreu agressão em restaurante — Foto: Reprodução/Instagram

Letícia Birkheuer fala que sofreu agressão em restaurante — Foto: Reprodução/Instagram

No texto da legenda, Leticia relata a cena e fala sobre a medida protetiva que acionou.

“Nesse momento, em respeito às milhares de mulheres vítimas de violência doméstica, preciso fazer esse relato. Nenhuma mulher deve ser agredida, violada ou ameaçada. Fui agredida durante o casamento. Mais de 10 anos após estar separada, fui ameaçada de forma grave, injusta, dentro de um restaurante. A violência contra nós mulheres não para. Meu ex-marido, pai do meu filho gritava, em um restaurante, que só não quebraria minha cara porque estava na presença dele, de nosso filho, de uma criança. Fui agredida psicologicamente. Ameaçada. Atemorizada. Ele tentou e tenta me destruir. Há testemunhas. Há vídeos. Há uma segunda medida cautelar da Lei Maria da Penha em meu favor. Nada disso o deteve.”

A atriz também deixou uma mensagem às mulheres que passam por qualquer tipo de violência doméstica:

“Sinto-me insegura, vulnerável, o pai de meu filho é um empresário do setor de joias, dono de joalheria, que se sente muito poderoso. Mas não posso baixar a cabeça. Busquei força e coragem na minha mãe, nas minhas tias, nas minhas avós, minhas amigas. Todas mulheres de fibra. Resta-me confiar nas autoridades públicas e lutar para que a mulher seja respeitada pelo simples fato de ser mulher. Se esse meu relato inibir um único ato de violência, terá significado expor um assunto que tanto me entristece e fragiliza. Não se calem. Em caso de violência doméstica, procurem a Polícia, a Justiça. Lutem pelos seus direitos.”

(GShow)