Luís Henrique se empolga com momento no Olympique: “Me fez bem essa ida ao Brasil”

0
72

Luis Henrique foi contratado pelo Olympique em 2020 — Foto: Getty Images

Ex-jogador do Botafogo sonha com título da Liga Europa e confia em virada no confronto contra o Benfica, nesta quinta


A terceira temporada de Luís Henrique com a camisa do Olympique de Marselha vem sendo diferente. Contratado em 2020, o atacante está volta ao clube francês depois de um empréstimo ao Botafogo. Mais experiente, ele considera que foi fundamental a passagem pelo futebol brasileiro no ano passado, quando disputou o título brasileiro, para agora poder ajudar sua equipe na França.

– Acredito que sim, me fez bem essa ida ao Brasil. Ganhei minutagem, disputei grandes jogos contra grandes equipes. A primeira passagem foi muita rápida e acabei não tendo esse tempo. Voltei mais confiante em todos os sentidos. Me sinto à vontade e feliz no clube, espero crescer ainda mais como jogador, e ajudar dando o máximo para alcançarmos grandes conquistas – disse Luís.

Apesar de estar na nona colocação do Campeonato Francês, tentando se classificar para algum torneio europeu na próxima temporada, o Olympique de Marselha vive um fim de temporada repleto de expectativa. A equipe está nas quartas de final da Liga Europa e sonha poder voltar a celebrar uma glória continental depois do título na Liga dos Campeões em 1993. Para isso, porém, precisa de uma virada nesta quinta.

Após perder para o Benfica na partida de ida das quartas de final do torneio, por 2 a 1, na semana passada, o time francês atuará no estádio Velódróme precisando de uma vitória para ir às semifinais. E Luís Henrique leva fé na volta por cima na eliminatória com o apoio de mais de 60 mil pessoas.

– Na nossa casa e com o apoio extraordinário da torcida, temos grandes chances de ter resultado positivo e conseguir a classificação. Sabemos da dificuldade do jogo, mas vamos em busca do resultado a todo momento. E com certeza sonhamos com o título. Temos que ir forte até o final, tanto fisicamente como mentalmente para encarar jogos como esse e outros que virão.2 de 3 Brasileiro em atuação no jogo de ida contra o Benfica — Foto: Getty Images

Brasileiro em atuação no jogo de ida contra o Benfica — Foto: Getty Images

Para motivar o time rumo a uma virada diante dos portugueses, o Olympique abriu o treinamento da última segunda-feira aos torcedores. Disputar eliminatórias europeias vem se tornando rotina para o clube nos últimos anos, já que a equipe se classificou para torneios continentais seis vezes nas últimas sete temporadas, desde a chegada do novo dono, o empresário norte-americano Frank McCourt – que tem o presidente Pablo Longoria como homem de confiança.

A nona colocação na liga francesa nesta temporada, inclusive, é incômoda por isso, já que o Olympique terminou entre os três primeiros colocados nos dois últimos anos: foi vice-campeão em 2021/22 e terceiro colocado em 2022/23.

Foi neste cenário que Luis Henrique chegou ao tradicional clube, que é um dos mais populares do país e o terceiro maior campeão francês. O atacante foi comprado em setembro de 2020, ainda aos 18 anos, assinando contrato por cinco temporadas. No primeiro ano, atuou por 24 partidas, mas foi titular em oito oportunidades. Em 2021/22, jogou 25 jogos, sendo titular em nove deles. Então, foi emprestado para o Botafogo ao fim daquela temporada: o clube brasileiro contratou o atleta por um ano e meio, com opção de compra ao fim do vínculo.3 de 3 Luis Henrique retornou ao Botafogo por empréstimo de um ano e meio — Foto: Getty Images

Entretanto, Luis retornou ao Olympique no começo deste ano, recebendo elogios do técnico Gennaro Gattuso, que deu maior espaço ao atacante. Hoje, o brasileiro segue tendo espaço, mesmo após a troca no comando e agora trabalhando com Jean Louis Gasset.

– A confiança que me foi passada quando cheguei e agora também têm me deixado muito tranquilo para jogar e até atuar em outras posições. Tenho crescido a cada dia nos treinos e principalmente nos jogos. Espero continuar conquistando cada vez mais meu espaço e ajudando a equipe dentro de campo – analisou Luis Henrique.

(GE)