Morre o fundador da banda RPM e tecladista Luiz Schiavon, aos 64 anos

0
216

Músico não resistiu a uma cirurgia para tratar complicações da doença autoimune que tratava há quatro anos

Luiz Schiavon em foto de 2005

Luiz Schiavon em foto de 2005 Odival Reis / Diario S.Paulo / Agência O Globo

“Luiz era, na sua figura pública, maestro, compositor, fundador e tecladista do RPM, mas acima de tudo isso, um bom filho, sobrinho, marido, pai e amigo”, diz a mensagem da família. Antes de voltar ao hospital este ano, Schiavon chegou a passar 18 meses internado.

https://www.instagram.com/p/CtggfVROyIR/embed/captioned/?cr=1&v=12

“Esperamos que lembrem-se dele com a maestria e a energia da sua música, um legado que ele nos deixou de presente e que continuará vivo em nossos corações. Despeçam-se, ouvindo seus acordes, fazendo homenagens nas redes sociais, revistas e jornais, ou simplesmente lembrando dele com carinho, o mesmo carinho que ele sempre teve com todos aqueles que conviveram com ele”, complementa o comunicado.

Veja fotos de Luiz Schiavon, fundador do RPM que morreu aos 64 anos

Luiz Schiavon publicou foto antiga com Milton Nascimento — Foto: Reprodução/Instagram

8 fotos

Luiz Schiavon era tecladista do RPM e compositor — Foto: Reprodução/Instagram

Veja fotos de Luiz Schiavon, fundador do RPM que morreu aos 64 anos

De família de classe média, Schiavon se iniciou no piano ainda jovem, aos 7 anos, meio a contragosto, por insistência da mãe, Dona Edméia. Aos 19 anos, se formou em música no Conservatório Mário de Andrade, em São Paulo. Embora fosse um pianista clássico, era afeiçoado ao rock progressivo e chegou a montar uma banda cover de Deep Purple. No início dos anos 1980, conheceu Paulo Ricardo, que namorava com sua vizinha. Juntos, formaram a banda Aura.

O RPM foi fundado em 1983, após uma passagem de Paulo Ricardo pela Europa. Schiavon já estava bastante influenciado pela música eletrônica, que naquela época vivia um boom diante dos inúmeros instrumentos novos, bem como sintetizadores e computadores que ampliavam possibilidades musicais.

Schiavon e Paulo Ricardo compuseram as primeiras músicas do RPM, “Olhar 43”, “A cruz e a espada” e “Revoluções por minuto”. Depois de uma recusa da CBS, a banda conseguiu um contrato com a Sony e lançou seu primeiro compacto, em 1984, com “Louras geladas” e “Revoluções por minuto”, que acabou censurada. A primeira música estourou nas rádios e abriu as portas para o grupo gravar seu primeiro disco. Assim, “Revoluções por minuto” chegava às prateleiras das lojas em 1985. Seria um divisor de águas na trajetória de Luiz Schiavon e do RPM, que virou um fenômeno arrasador em todo o Brasil. A assinatura synth-pop dos teclados de Schiavon e a sensualidade de Paulo Ricardo eram marcas fundamentais da banda.

Em 1986, foi lançado o disco “Rádio Pirata Ao Vivo”, que vendeu 3,5 milhões de cópias e reafirmou a força da banda. Mesmo com todo o sucesso, o RPM já dava sinais da relação conflituosa entre os integrantes. O grupo chegou a se separar em 1987, mas retomou os trabalhos logo depois para a gravação do segundo álbum de estúdio, “Quatro coiotes”, de 1988. No ano seguinte, houve uma nova separação.

O RPM só foi reunir sua formação clássica novamente, com Paulo Pagni na bateria e Fernando Deluqui na guitarra, em 2001. No ano seguinte, gravaram o disco “MTV RPM 2002”, que também virou DVD e trazia canções inéditas. Após a turnê do álbum, o RPM se separou de novo. Houve um conflito entre os integrantes da banda e Paulo Ricardo, que teria registrado em seu nome os direitos da marca RPM, iniciando uma longa batalha judicial. Ainda assim, o RPM se juntou de novo em outras oportunidades, como na gravação do álbum “Elektra”, de 2010.

Schiavon também trabalhou em trilhas sonoras para a TV, como as das novelas “Rei do Gado”, “Terra Nostra” e “Esperança”, para as quais escreveu canções originais, além de selecionar músicas que fizeram parte das tramas. De 2004 a 2010, foi diretor musical do programa “Domingão do Faustão”, interagindo frequentemente, ao vivo, com o apresentador do programa de auditório.

(O globo)