Nova espécie de cobra gigante é descoberta na Amazônia

0
101

Anacondas verdes podem ultrapassar os 8 metros de comprimento e ter até 1 metro de larguraPesquisadores da Universidade de Queensland documentaram nova espécia da Amazônia do EquadorBryan Fry/Universidade de Queensland

Cientistas que trabalham na Floresta Amazônica descobriram uma nova espécie de cobra, considerada a maior do mundo.

Uma equipe da Universidade de Queensland viajou para a Amazônia equatoriana em busca da anaconda verde do norte (Eunectes akayima), anteriormente não documentada, seguindo um convite do povo Waorani para observar anacondas “que dizem ser as maiores que existem”, segundo os cientistas.

A equipe se juntou aos caçadores em uma expedição de 10 dias à região de Bameno, no território de Baihuaeri Waorani, antes de remar pelo sistema fluvial para “encontrar várias anacondas à espreita nas águas rasas, à espreita de uma presa”, conforme disse o professor Bryan Fry, biólogo da Universidade de Queensland, em um comunicado.

Anacondas são cobras constritivas gigantes e não venenosas encontradas dentro ou perto da água em partes quentes da América do Sul.

“O tamanho dessas criaturas magníficas era incrível. Uma anaconda fêmea que encontramos media impressionantes 6,3 metros de comprimento”, disse Fry sobre a descoberta da equipe, que foi feita durante as filmagens da próxima série da National Geographic, “Pole to Pole with Will Smith”.

O grupo também disse ter ouvido evidências anedóticas de que cobras de 7,5 metros e 500 quilogramas foram avistadas na área.

As anacondas verdes são as cobras mais pesadas do mundo, segundo o Museu de História Natural do Reino Unido, que observou que o indivíduo mais pesado já registrado pesava 227 kg e media 8,43 metros de comprimento e 1,11 metro de largura.

A píton-reticulada, tende a ser mais longa, muitas vezes atingindo mais de 6,25 metros (20,5 pés) de comprimento, mas é mais leve.

Especialistas que estudam as criaturas descobriram que as espécies recém-identificadas de anaconda verde do norte são diferentes da anaconda verde do sul há quase 10 milhões de anos e diferem geneticamente em 5,5%.

“É bastante significativo. Para colocar isto em perspectiva, os humanos diferem dos chimpanzés em apenas cerca de 2%”, disse Fry. As descobertas são descritas na revista MDPI Diversity.

A equipe decidiu então comparar a genética da anaconda verde com outras espécies em outros lugares para avaliá-las como indicadoras da saúde dos ecossistemas, e alertou que a Amazônia enfrenta inúmeras ameaças.

“O desmatamento da bacia amazônica devido à expansão agrícola resultou em uma perda estimada de habitat de 20 a 31 por cento, o que pode impactar até 40 por cento de suas florestas até 2050”, disse Fry.

A degradação do habitat, os incêndios florestais, a seca e as alterações climáticas ameaçam espécies raras como as anaconda, que existem em ecossistemas tão raros, acrescentou.

(CNN)