Presidente do Santa Cruz vê SAF fechada no 2º semestre: “Posso dizer com certa propriedade”

0
118

Cinco projetos estão na mesa da diretoria, revela presidente Bruno Rodrigues, que trata chegada de um investidor como “única saída possível” para o clube


A SAF do Santa Cruz tem boas chances de sair no segundo semestre, prevê o presidente Bruno Rodrigues. Em entrevista exclusiva ao podcast Embolada, o mandatário tricolor conta que o estágio para a chegada de um investidor está avançado e que poderia cravar, “com certa propriedade”, o desfecho do negócio em 2024.

Ele ainda trata, inclusive, que a venda do futebol coral para um terceiro seria o único caminho viável” para o clube voltar aos trilhos. De acordo com o cartola, há cinco interessados no projeto tricolor.

“Falar de percentuais (em estágio de negócio) é muito complicado. Conversei com esse grupo de Jairo Rocha, estivemos juntos mais de uma vez. E tinha muita coisa naquela época: a SAF de Mancuso, a SAF de fulano de tal… E o que eu digo, é: vai ter a SAF do Santa Cruz”, inicia.

– Vou ouvir todo mundo e levar pra mesa na diretoria. Eu tô muito tranquilo em relação a isso, posso lhe dizer que está bem avançado, que nós iremos fazer no segundo semestre ainda em 2024, posso lhe dizer com certa propriedade.

Nos últimos dois anos, os caminhos por uma implementação de Santa Cruz se tornaram mais abertos pela posição pública da instituição em aderir ao modelo de clube-empresa. Primeiro, o pontapé foi dado na gestão de Joaquim Bezerra, que renunciou ao cargo no início de 2022.

De lá para cá, alguns interessados estiveram à mesa. O Azuriz, como “primogênito”, depois passando por Guilherme Bellintani, ex-presidente do Bahia, que chegou a entrar em contato para trazer um grupo de investidores – mas terminou por fechar operação com o Londrina.

+Presidente do Santa Cruz detalha SAF e garante: não tem ex-ídolos à frente

Durante o período das eleições, o então presidente tampão Jairo Rocha havia confidenciado desejo de fechar a SAF do Santa Cruz antes das eleições. Àquela altura, o projeto estava, nas palavras do dirigente, 90% encaminhado. No entanto, por um pedido dos próprios investidores, as negociações cessaram até que o novo mandatário coral pudesse ser empossado.

(GE)