Ultra-raros, gêmeos nascem com três pernas e quatro braços após gravidez “normal” da mãe

0
53

Embora os meninos tivessem membros superiores funcionais, seus torsos estavam fundidos

Por Agência O Globo

Em um fenômeno que ocorre de um a cada 2 milhões de casos, um par de gêmeos nasceu na Indonésia fundidos como uma “aranha”. Embora os meninos tivessem membros superiores funcionais, seus torsos estavam fundidos na pélvis e eles compartilhavam três pernas, um pênis e um ânus. Das três pernas, uma delas era sentida e movida por ambos. Eles também compartilhavam bexiga, reto e intestinos.

Os meninos são o terceiro e quarto filhos de pais sem histórico familiar de anomalias congênitas e a mãe não teve complicações na gravidez antes de dar à luz. “A mãe relatou não consumir suplementos, medicamentos ou misturas tradicionais de ervas e verificava rotineiramente sua gravidez com uma parteira local”, observou um relatório publicado no American Journal of Case Reports.
 

Embora os gêmeos siameses sejam raros, ocorrendo de 50.000 a cada 200.000 nascimentos, aqueles unidos pela pelve – chamados de tipo isquiópago – são ainda mais raros, representando apenas 6% a 11% de todos os gêmeos siameses.

Os meninos ainda passaram três anos de suas vidas juntos. Eles não conseguiam se sentar, ficavam deitados de costas, incapazes de ficar de pé, sem ajuda. Como os pais moravam em uma área muito remota, os gêmeos raramente eram levados para exames hospitalares após o nascimento.

Depois dos três anos, a cirurgia se tornou ainda mais difícil. Depois de discutir se deveriam ou não tentar separar os gêmeos, os cirurgiões do Hospital Hasan Sadikin em Bandung, na Indonésia, decidiram realizar a cirurgia. Eles deveriam tornar o posicionamento dos troncos das crianças mais verticais, reconstruindo os ossos pélvicos, para permitir que os gêmeos se sentassem e, eventualmente, ficassem de pé. Eles também planejaram remover a perna fundida que os meninos compartilhavam.

A meticulosa cirurgia foi realizada quando os gêmeos tinham três anos e os meninos não sofreram complicações após a operação. “O último acompanhamento foi três meses após a cirurgia e nenhuma complicação foi relatada. Foi observada melhora na mobilidade, pois ambos os pacientes conseguiram flexionar a parte superior do tronco”, escreveram os médicos envolvidos nos cuidados.

Os meninos também receberam fisioterapia e reabilitação para melhorar sua atividade física.

Embora os meninos tenham sobrevivido à cirurgia de alto risco, os médicos observaram que há poucos estudos sobre o prognóstico a longo prazo de gêmeos siameses isquiópagos após a cirurgia.

“Infelizmente, esses gêmeos tendem a ter uma vida útil mais curta do que os gêmeos não siameses, devido a complicações internas”, observaram.

Outros casos

Os médicos observaram que apenas alguns relatos sobre gêmeos siameses desse tipo, ou seja, unidos pela pélvis e compartilhando três pernas, foram publicados.

Eles descreveram dois desses casos, um de 1994 em gêmeos nascidos na China em 1989, cada um com dois braços funcionando normalmente, duas pernas funcionais e uma perna fundida que não respondia. Os meninos também tinham um pênis e dois testículos, mas não tinham ânus. Os médicos os separaram em 1992, quando tinham pouco mais de dois anos, em uma operação que durou quase 10 horas.

Outro estudo de caso centrou-se num par de gémeos siameses nascidos no Paquistão em 2011, que foram fundidos na metade inferior dos seus corpos, sendo um dos gémeos significativamente pequeno e mais fraco. A genitália deles não estava desenvolvida o suficiente para atribuir um gênero a qualquer um dos gêmeos, e ambos morreram antes que pudessem ser separados.

(Folha de Pernambuco)